Água e Meio Ambiente em Sala de Aula Através do Método de Ensino STEAM

Autores

Palavras-chave:

Colaboração, Investigação, Ensino médio

Resumo

Este trabalho apresenta a aplicação do método pedagógico STEAM, envolvendo o trabalho colaborativo e investigativo, para proporcionar momentos de aprendizagem que não aparecem em aulas meramente expositivas. Em atividade escolar, foi solicitado que os alunos respondessem listas de exercícios referentes a assuntos interdisciplinares envolvendo temática da água, posteriormente assistiram ao curta-metragem Abuela Grillo e responderam questionamentos de cunho reflexivo sobre os temas, em que apresentaram desempenho satisfatório, utilizando recursos tecnológicos para a finalidade proposta. O resultado ressalta a importância de que mais atividades de cunho investigativo, tecnológico, colaborativo e interdisciplinar sejam realizadas na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Naielly Christhiny Paz Rodrigues, SEDUC-MT

SEDUC-MT

Sophia Leitão Pastorello de Paiva, Universidade Federal do Mato Grosso

UFMT

Ilkilene Oliveira, SEDUC-MT

SEDUC-MT

Graciela da Silva Oliveira, Universidade Federal do Mato Grosso

UFMT

Referências

ALVES, D. V. (2018). A abordagem transdisciplinar entre história e literatura em sala de aula por meio da aprendizagem significativa. Todas As Letras - Revista de Língua e Literatura, São Paulo, 20 (1) 122-135.

BACCI, D. C. & PATACA, E. M. (2008). Educação para a água. Estudos Avançados. 22 (63) 211-226.

BATISTA, S. C. F. & BARCELOS, G. T. (2013). Análise do uso do celular no contexto educacional. CINTED-UFRGS: Revista Novas Tecnologias na Educação. 11 (1), 1-10.

BRASIL. (2017). Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2017.

BERGMANN, M. & PEDROZO, C. S. (2008). Explorando a Bacia Hidrográfica na Escola: Contribuições à Educação Ambiental. Ciência & Educação (Bauru), 14(3), 537-553.

CALDART, R. S. (2009). Educação do campo: notas para uma análise de percurso. Trabalho, educação e saúde, 7(1), 35-64.

CALDART, R. S. (2016). Escolas do Campo e Agroecologia: uma agenda de trabalho com a vida e pela vida! Porto Alegre, p. 1-10.

CARON, A. STEAM: uma metodologia que você precisa conhecer! Disponível em: <https://www.positivoteceduc.com.br/blog-inovacao-e-tendencias/steam-metodologia-que-precisa-conhecer/>. Acesso em 16 jul. 2019.

CARVALHO, A. M. P. (2011). Ensino e aprendizagem de Ciências: referenciais teóricos e dados empíricos das sequências de ensino investigativas-(SEI). O uno e o diverso na educação, 2011. Uberlândia, MG: EDUFU, cap. 18, p. 253-266.

CONNOR, R., UHLENBROOK, S., KONCAGÜL, E., & ORTIGARA, A. R. (2017). Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2017: Águas residuais o recurso inexplorado. Colombella, Perúgia, Itália: Un Water. p. 1-12, 2017.

CARVALHO, E. M., ROCHA, V. S. & MISSIRIAN, G. L. B. (2009). Percepção ambiental e sensibilização de alunos do Ensino Fundamental para preservação da mata ciliar. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, 23, 168-182.

DIAS, G. F. (2015). Atividades Interdisciplinares de Educação Ambiental: Manual do Professor. Edição Revista. São Paulo: Global Editora e Distribuidora Ltda.

EFFTING, T. R. (2007). Educação Ambiental nas Escolas Públicas: realidade e desafios. Monografia (Pós Graduação em ‘Latu Sensu’ Planejamento Para o Desenvolvimento Sustentável)–Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual do Oeste, 2007.

EMBRAPA. (2019). ‘Pegada hídrica’ da carne. 2019. Disponível em: https://www.embrapa.br/contandociencia/agua//asset_publisher/EljjNRSeHvoC/content/consumo-de-agua-para-producao-de-um-produto/1355746?inheritRedirect=false. Acesso em: 5 de jul. 2019.

FREIRE, P. (2001). Política e Educação. São Paulo: Cortez.

KIM, Y. & PARK, N. (2012). The effect of STEAM education on elementary school student’s creativity improvement. In: KIM, T., STOICA, A., FANG, W., VASILAKOS, T., VILLALBA, J. G.; ARNETT, K. P., KHURRAM M. & KANG, B. Computer applications for security, control and system engineering. Springer, Berlin, Heidelberg.

LOPES, P. A. & PIMENTA, C. C. C. (2017). O uso do celular em sala de aula como ferramenta pedagógica: Benefícios e desafios. Revista Cadernos de Estudos e Pesquisa na Educação Básica, Recife, 3(1), 52-66.

LÜDKE, M. & ANDRÉ, M. E. D. A. (2012). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E.P.U.

TAVARES, R. (2004). Aprendizagem significativa. Revista conceitos, 55 (10) 55-60.

TAVARES, R. (2008). Aprendizagem significativa e o ensino de ciências. Ciências & Cognição, 13 (1) 1-9.

TRIVIÑOS, A. N. S. (1997). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

VEIGA, L. A.; MASSI, C. G. & TORRES, E. C. (2019). Educação ambiental não formal na casa do caminho em londrina/pr: representações sociais dos educandos sobre água em 2018. Geografia em Atos, Presidente Prudente, 1 (9) 23-36.

ZABALA, A. (1998). Prática Educativa: como ensinar. Porto Alegre: ARTMED.

Downloads

Publicado

2023-12-19

Como Citar

Paz Rodrigues, N. C., Leitão Pastorello de Paiva, S., Oliveira, I., & da Silva Oliveira, G. (2023). Água e Meio Ambiente em Sala de Aula Através do Método de Ensino STEAM. Mandacaru: Revista De Ensino De Ciências E Matemática, 3(1), 128–141. Recuperado de https://ead.codai.ufrpe.br/index.php/mandacaru/article/view/6552