Contribuição da deteção remota e dos SIG na estimação do consumo de água em espaços verdes irrigados para os meses de verão no período 2013-2023: caso de estudo a cidade de Faro (Portugal)

Autores

Palavras-chave:

Espaços verdes, Índices de vegetação, Temperatura de Superfície, Índice de Humidade, Evapotranspiração de referência, Algarve, Consumo de água

Resumo

Nos dias de hoje, os espaços verdes nas cidades do Mediterrâneo têm vindo a assumir um papel preponderante na sustentabilidade e na organização urbana. Desempenham um papel crucial na promoção da saúde, no bem-estar da população, na conservação da diversidade biológica e na adaptação às mudanças climáticas. Neste contexto, o estudo apresentado pretende estimar o consumo de água nos espaços verdes irrigados da cidade de Faro (Portugal), ocupados essencialmente por relva, durante os meses de verão no período de 2013 a 2023, com base na Evapotranspiração de Referência e nas imagens de satélite Landsat 8 obtidas a partir do Google Enginee. Foi determinada a Temperatura da Superfície Terrestre com base na banda Térmica 10 e no Normalized Difference Vegetation Index. Os espaços verdes irrigados foram identificados espacialmente através do Normalized Difference Water Index. Os resultados revelaram que durante o período analisado, o uso de água para irrigação é relativamente baixo. Mesmo em 2023, quando as necessidades hídricas das plantas foram mais elevadas, apenas 4% do consumo diário médio total de água em Faro foi destinado para irrigação. Assim, o consumo de água está alinhado com os desafios das alterações climáticas. Considerando que o município possui apenas 5% de áreas verdes disponíveis, é imperativo sensibilizar os stakeholders para a implementar mais áreas verdes urbanas, preferencialmente com plantas autóctones em substituição de relvado, a fim de minimizar as necessidades de irrigação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Miguel Granja Martins, CinTurs-Centro de Investigação em Turismo, Sustentabilidade e Bem-estar, Universidade do Algarve

Fernando Miguel Granja Martins nasceu em 1970 na freguesia de São Sebastião da Pedreira em Lisboa. Terminou em 1990 o ensino secundário na Escola Secundária D. João V na Damaia. É Licenciado em Engenharia Geográfica pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa em 1995, Mestre em Sistemas de Informação Geográfica pelo Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa em 2005 e Doutorado em Recursos Naturais e Meio Ambiente pela Faculdade de Química da Universidade de Sevilha em 2012. Desde 1996 que é professor na área da Geomática no Departamento de Engenharia Civil do Instituto Superior de Engenharia (ISE) da Universidade do Algarve (UAlg). É atualmente Diretor do Mestrado de Geomática da UAlg, membro do Conselho Pedagógico do ISE e membro do conselho de Coordenadora do Departamento de Engenharia Civil.  Faz parte do grupo de investigação MedSoil Research Group, é membro efetivo do Centro de Investigação sobre o Espaço e as Organizações (CIEO) da UAlg e do Centro de Estudos em Património, Paisagem e Construção (CEPAC) da Ualg. Desenvolve atividades de investigação em Sistemas de Informação Geográfica, Deteção Remota e Modelação 3D na área dos incêndios florestais e na otimização da água em espaços verdes urbanos e agrícolas. É autor e co-autor de diversos capítulos de livros e artigos científicos publicados em revistas nacionais e internacionais com arbitragem por pares.

Helena Maria Fernandez, CinTurs-Centro de Investigação em Turismo, Sustentabilidade e Bem-estar, Universidade do Algarve

Helena Maria Fernandez é professora da área de Geoestatística e Deteção Remota, na Universidade do Algarve, desde 1997. É licenciada em Engenharia Geográfica pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, mestre em Georecursos pelo Instituto Superior Técnico e doutorada em Recursos Naturais e Ambiente pela Universidade de Sevilha. É membro integrado do Centro de Investigação em Turismo, Sustentabilidade e Bem-Estar (CinTurs). É autor de vários livros e manuscritos sobre a aplicação de novas tecnologias ao ambiente, nomeadamente, floresta, agricultura, gestão da água e turismo. É revisor de vários artigos publicados em revistas internacionais com arbitragem científica e tem participado em projectos na área do ambiente.

Referências

AYALA-AZCÁRRAGA, C., DIAZ, D., & ZAMBRANO, L. Characteristics of urban parks and their relation to user well-being. Landscape and urban planning, 189, 27-35, 2019.

BERTRAM, C., & REHDANZ, K. The role of urban green space for human well-being. Ecological Economics, 120, 139-152, 2015.

CARLSON, T. N., & RIPLEY, D. A. On the relation between NDVI, fractional vegetation cover, and leaf area index. Remote sensing of Environment, 62(3), 241-252, 1997.

CARRUS, G., SCOPELLITI, M., LAFORTEZZA, R., COLANGELO, G., FERRINI, F., SALBITANO, F., ... & SANESI, G. Go greener, feel better? The positive effects of biodiversity on the well-being of individuals visiting urban and peri-urban green areas. Landscape and urban planning, 134, 221-228, 2015.

GAO, B. C. NDWI—A normalized difference water index for remote sensing of vegetation liquid water from space. Remote sensing of environment, 58(3), 257-266, 1996.

GASSER, L., LE GALL, F., & ABILY, M. Water efficiency in smart cities: optimising irrigation for public green spaces. LHB, 110(1), 2294076, 2024.

GUO, J., NIU, H., XIAO, D., SUN, X., & FAN, L. Urban green-space water-consumption characteristics and its driving factors in China. Ecological Indicators, 130, 108076, 2021.

HUANG, S. K., LEE, S. W., JO, H. K., & YOO, M. Impact of frequency of visits and time spent in urban green space on subjective well-being. Sustainability, 11(15), 4189, 2019.

HUANG, C., YANG, J., LU, H., HUANG, H., & YU, L. Green spaces as an indicator of urban health: Evaluating its changes in 28 mega-cities. Remote Sensing, 9(12), 2017.

KONDO, M. C., FLUEHR, J. M., MCKEON, T., & BRANAS, C. C. Urban green space and its impact on human health. International journal of environmental research and public health, 15(3), 445, 2018.

KUHLEMANN, L. M., TETZLAFF, D., SMITH, A., KLEINSCHMIT, B., & SOULSBY, C. Using soil water isotopes to infer the influence of contrasting urban green space on ecohydrological partitioning. Hydrology and Earth System Sciences, 25(2), 927-943, 2021.

MARLOW, D. R., MOGLIA, M., COOK, S., & BEALE, D. J. Towards sustainable urban water management: A critical reassessment. Water Research, 47(20), 7150–7161, 2013.

NOURI, H., BORUJENI, S. C., & HOEKSTRA, A. Y. The blue water footprint of urban green spaces: An example for Adelaide, Australia. Landscape and urban planning, 190, 103613, 2019.

ROUSE, J. W., HASS, R. H., SCHELL, J. A., & DEERING, D. W. Monitoring the vernal advancement and retrogradation (Greenwave effect) of nature vegetation. Greenbelt,MD: NASA/GSFCT Type III Final Report, 1974.

SAJIB, M. Q. U., & WANG, T. Estimation of Land Surface Temperature in an agricultural region of Bangladesh from Landsat 8: Intercomparison of four algorithms. Sensors, 20(6), 1778, 2020.

SILVA, M. R. D. D. Planeamento de espaços verdes urbanos tendo por base a condução da rega e a deteção remota: caso de estudo-espaços verdes urbanos de São Brás de Alportel (Doctoral dissertation), 2017.

SKOKOVIC, D., SOBRINO, J. A., JIMENEZ-MUÑOZ, J. C., SORIA, G., JULIEN, Y., MATTAR, C., & CRISTÓBAL, J. Calibration and Validation of land surface temperature for Landsat8-TIRS sensor. LPVE (Land Product Validation and Evolution), 2014.

SOBRINO, J. A., JIMÉNEZ-MUÑOZ, J. C., & PAOLINI, L. Land surface temperature retrieval from LANDSAT TM 5. Remote Sensing of environment, 90(4), 434-440, 2004.

SOBRINO, J. A., JIMÉNEZ-MUÑOZ, J. C., SÒRIA, G., ROMAGUERA, M., GUANTER, L., MORENO, J., ... & MARTÍNEZ, P. Land surface emissivity retrieval from different VNIR and TIR sensors. IEEE transactions on geoscience and remote sensing, 46(2), 316-327, 2008.

Downloads

Publicado

2024-04-25

Como Citar

Martins, F. M. G., & Fernandez, H. M. (2024). Contribuição da deteção remota e dos SIG na estimação do consumo de água em espaços verdes irrigados para os meses de verão no período 2013-2023: caso de estudo a cidade de Faro (Portugal). Revista Geama, 10(1), 37–43. Recuperado de https://ead.codai.ufrpe.br/index.php/geama/article/view/6664

Edição

Seção

ARTIGOS