A botija: Cultura popular na novela de Clotilde Tavares

Jonh Kennedy Ferreira da Silva, Conceição Flores

Resumo


A botija é uma novela escrita por Clotilde Tavares, publicada em 2003. No
livro, três narrativas oriundas da cultural oral se entrelaçam, formando uma história cheia de fantasia e aventura. Através da narrativa, a escritora relata histórias que ouviu na infância que são entrelaçadas com cordéis que fazem parte da tradição nordestina, como “O Pavão misterioso”. O presente trabalho trata de investigar o resgate de aspectos históricos e culturais feito pela escritora, enfatizando as personagens femininas como preservadoras da memória. Embasamos este trabalho na crítica pós-colonialista e nos conceitos de memória evocados por Éclea Bosi. Conclui-se que A botija exerce um papel relevante na valorização da cultura nordestina e da sertaneja, influenciando as novas gerações de leitores a valorizarem a literatura e cultura dessa região.

Palavras-chave


Literatura; Cultura; Imaginário; Memória

Texto completo:

PDF

Referências


BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê editorial, 2003.

CANDIDO, Antônio. A literatura e a formação do homem. Disponível em

< http://periodicos.bc.unicamp.br/ojs /index.php/remate/article/download/8635992/3701>. Acesso em: 27 de Outubro de 2015.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. 10. Ed. São Paulo: Ediouro, 1999.

ECO, Umberto. Sobre algumas funções da literatura. Rio de Janeiro: Record,

MENDES, M. B. T. Em busca dos contos perdidos. São Paulo: UNESP, 2000.

TAVARES, C. A botija. Disponível em: . Acessado em: 22 de Novembro de 2015.

TIMBÓ, Margarida Pontes. A identidade e representação do Ceará na literatura de cordel: análise dos cordéis o Romance do Pavão Misterioso e As proezas de João Grilo. Disponível em:. Aceso em: 23 de Novembro de 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista MILBA