SOMBRA ERRANTE: A PRECEPTORA EM A INTRUSA, DE JÚLIA LOPES DE ALMEIDA

Elis Regina Guedes de Souza, Marcelo Medeiros da Silva

Resumo


Nosso objetivo nesse artigo é estudar a figura da preceptora como personagem literária. Embora existam trabalhos que tenham tomado tal figura como escopo, tais estudos analisaram-na a partir de pressupostos de áreas como Sociologia, Educação. Ainda que não desprezemos as contribuições dos estudos de áreas afins, o nosso artigo enseja estudar a figura da preceptora em obras da literatura brasileira.

Palavras-chave


Literatura

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Júlia Lopes de. A intrusa. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Dep. Nacional do Livro, 1994.

COELHO, Mariana. A evolução do feminismo: subsídios para a sua história. 2.ed. Curitiba: Imprensa Oficial do Paraná, 2002, p. 09-69.

DEL PRIORE, Mary. Histórias do cotidiano. São Paulo: Contexto, 2001.

HAHNER, June Edith. Emancipação do sexo feminino: a luta pelos direitos da mulher no Brasil. Trad. Eliane Lisboa. Florianópolis: Ed. Mulheres; Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2003.

MONTEIRO, Maria Conceição. Sombra errante: a preceptora na narrativa inglesa no século XIX. Niterói: EdUFF, 2000.

VASCONCELOS, Maria Celi Chaves. Vozes femininas do Oitocentos: o papel das preceptoras nas casas brasileiras. In: FARIA, Lia; LÔBO, Yolanda. (orgs.). Vozes femininas do Império a República. Rio de Janeiro: Quartet: FAPERJ, 2008, p. 19-45.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista MILBA