http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/medicinaveterinaria/issue/feed Medicina Veterinária (UFRPE) 2022-04-06T21:45:10+00:00 Jean Carlos Ramos Silva revmedvet@ufrpe.br Open Journal Systems <p>A revista científica Medicina Veterinária (UFRPE) do Departamento de Medicina Veterinária da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), divulga artigo original, artigo de revisão, relato de caso e comunicação breve nas áreas de Medicina Veterinária, Zootecnia, Biologia e áreas correlatas. Os manuscritos podem ser publicados nos idiomas português e inglês. Não existe a cobrança de taxas para a publicação e os manuscritos publicados possuem o número do DOI. </p> <p><strong>ISSN: </strong><strong>2675-6617 (online).</strong></p> <p><strong>Periodicidade: </strong>Trimestral.</p> <p><strong>Qualis CAPES</strong><strong>: </strong>B2.</p> <p><strong>Editor-Gerente:</strong> Prof. Dr. Jean Carlos Ramos Silva.</p> http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/medicinaveterinaria/article/view/3517 Composição físico-química do colostro e do leite de porcas durante a lactação sob condições tropicais 2021-12-09T20:14:41+00:00 Lina Raquel Santos Araújo linaaraujo@gmail.com Deborah Marrocos Sampaio Vasconcelos deborahmarrocos@gmail.com Gerardo Sousa Maia Filho gerardo.maia@aluno.uece.br Caio Victor Oliveira Silva caiovitorveterinario@gmail.com Tiago Silva Andrade negoandrade@hotmail.com Jose Nailton Bezerra Evangelista jose.evangelista@uece.br <p>A ingestão de leite combinada com a sua concentração de proteína é responsável por mais de 80% da variação total no ganho de peso dos leitões durante a lactação. Neste sentido este estudo teve o propósito de determinar a variação da composição físico-química do colostro e do leite de porcas durante a lactação sob condições tropicais. O estudo foi conduzido em uma granja comercial, em que se utilizou 55 matrizes multíparas para coleta de colostro, nas primeiras 24 horas após o parto e leite aos 7, 14 e 21 dias pós-parto. As amostras foram avaliadas quanto ao pH, densidade e aos níveis de matéria seca, lactose, proteína e gordura. O colostro apresentou pH mais ácido, maior densidade e maiores níveis de matéria seca, proteína e lactose em relação ao leite (P&lt;0,0001). Portanto, este estudo evidencia que a composição físico-química do leite é alterada conforme os dias de lactação, apresentando pH ácido e maiores concentrações de nutrientes, a exceção da gordura, no primeiro leite (colostro) e ao longo da lactação os níveis de matéria seca, lactose e proteína do leite decrescem apresentando-se mais baixos aos 21 dias de lactação com pH mais próximo da neutralidade.</p> 2022-04-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Medicina Veterinária (UFRPE) http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/medicinaveterinaria/article/view/2356 Corn distillers dried grains with solubles in the feed of broilers and their effects on the performance, carcass yield, and gastrointestinal characteristics 2020-07-13T20:01:10+00:00 Jean Kaique Valentim kaique.tim@hotmail.com Heder José D 'Ávila Lima heder.davila@yahoo.com.br Tatiana Marques Bittencourt tatimarquesb@hotmail.com Debora Duarte Moraleco kaique.tim@hotmail.com Yury Gonçalves Lopes kaique.tim@hotmail.com Hellen Cristina Ferreira Antunes kaique.tim@hotmail.com Nayara Emanoelle Matos e Silva kaique.tim@hotmail.com Fernandes Jesuino Muquissai Tossué kaique.tim@hotmail.com <p>This study was conducted to determine the effect of different levels of corn distillers dried grains with solubles (DDGS) in the diet of broilers, with regard to the performance, carcass yield, and gastrointestinal characteristics. A mixed lot of 700 one-day-old broilers from the COOB 500 lineage were used. It was distributed in a completely randomized design with five treatments, seven repetitions, and twenty broilers per experimental unit — ten male and ten female. The DDGS levels studied were inclusion of 4%, 8%, 12%, and 16% on experimental diets, plus the control treatment (0%). The period of 1–42 days were considered for performance evaluation. For performance, the following factors were evaluated weight gain (WG) (g/bird/day), ration consumption (RC) (g/bird/day), feed conversion (FC), medium weight (MW), productive efficiency index (PEI), and viability (V). At 42 days of age, two broilers from each lot were selected, weighed, and the ones with medium weight were identified from the experimental unit, for slaughtering and evaluation of cut yield, carcass, and gastrointestinal biometry. The evaluated parameters were submitted to variance analyses with a 5% probability, using the statistical program SAS-2012. The effects of the inclusion of DDGS were estimated through variable analyses via regression models and the contrasts by the Dunnett test, with a 5% probability. In the period of 1–42 days of production, the values of better performance obtained for the variables WG, FC, MW, and PEI were at levels of 7.28%; 10.60%; 12.10%, and 12.92%, respectively. There was a reduction in carcass weight, breast, and fat of the broilers, when using 12% and 16% of DDGS. Therefore, it indicated the inclusion of up to 11.02%, and 7.44% in the diet, so there was no loss on carcass yield and breast weight, respectively.</p> 2022-04-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Medicina Veterinária (UFRPE) http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/medicinaveterinaria/article/view/3577 Ultrassonografia Doppler de corpos lúteos em éguas com ovulação induzida 2020-08-19T16:49:46+00:00 Victor Netto Maia victormaiavet@yahoo.com.br André Mariano Batista marianopq@gmail.com Sylvio Cunha Neto scn@gmail.com Diogo Manoel Farias Silva diogodmfs@hotmail.com Aurea Wischral aurea.wischral@gmail.com <p>Neste trabalho objetivou-se avaliar o padrão de vascularização luteal em éguas com ovulação induzida com acetato de deslorelina e sua relação com concentrações séricas de progesterona. Foram utilizadas éguas (n=5), com ovulação natural (GC) e induzida com 750 µg de acetato de deslorelina (GT). Os corpos lúteos (CL) foram analisados nos dias 4, 8 e 12 após a ovulação, usando ultrassonografia com Doppler colorido. A concentração de progesterona foi analisada por enzimaimunoensaio (ELISA), nos mesmos dias das avaliações dos CLs. Não foram observadas diferenças significativas (P ? 0,05) entre os grupos (GC x GT), em relação ao percentual de vascularização dos CLs avaliados nos dias 4 e 8 pós-ovulação. Entretanto, foi observado menor (P &lt; 0,05) padrão de vascularização dos CLs no dia 12, quando comparado aos dias 4 e 8, nas fêmeas do grupo tratado com deslorelina. As concentrações de progesterona obtidas nos grupos GC e GT não apresentaram diferenças significativas entre os grupos ou entre os dias 4, 8 e 12 após a ovulação (P &gt; 0,05). Além disso, nenhuma correlação foi encontrada entre o padrão de vascularização e as concentrações de progesterona nos diferentes grupos (r = -0,067; P = 0,09). Conclui-se que a indução da ovulação com acetato de deslorelina não afetou os níveis de progesterona nos dias 4, 8 e 12 após a ovulação, porém promoveu redução no padrão de vascularização no dia 12 após a ovulação. Além disso, não houve correlação entre o padrão de vascularização luteal e a concentração de progesterona nas éguas avaliadas.</p> 2022-04-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Medicina Veterinária (UFRPE) http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/medicinaveterinaria/article/view/3611 Análise clínica e histológica de feridas cirúrgicas de cadelas tratadas com um composto fitoterápico de Calendula officinalis, Aloe vera, Symphytum officinale L., Vitis vinifera, D-Pantenol e Benzoato de Denatônio® 2021-03-02T14:22:49+00:00 Maria Sheila da Silva Ferreira sheilasenavet@gmail.com Grazielle Anahy de Sousa Aleixo grazielle@yahoo.com.br Fábio de Souza Mendonça mendoncafs@yahoo.com.br Joaquim Evêncio Neto evencio@dmfa.ufrpe.br Mauro Araujo Penaforte Junior jrpenaforte@gmail.com Sabrina Cândido Trajano sabrina-vetbio@hotmail.com Kleyton Domingos Melo kleytondomingos@hotmail.com Saulo Romero Felix Gonçalves saulofelixvet@gmail.com Karine Silva Camargo karinecamargo01@gmail.com Gabriela Ratis Galeas gabi.ratis@outlook.com <p>Esse experimento teve como objetivo avaliar o potencial cicatricial de uma loção fitoterápica formulada com C<em>alendula officinalis – </em>1,0%,<em> Aloe vera – </em>1,0%,<em> Symphytum officinale L. – </em>1,0%, <em>Vitis vinifera – </em>1,0%, D-Pantenol – 3,0% e Benzoato de Denatônio – 0,02%, (PSK Repair System<sup>®</sup>) que foi aplicada topicamente sobre feridas cirúrgicas de cadelas. O grupo experimental foi composto por 30 cadelas que foram submetidas à ovariohisterectomia (OH), sendo realizada uma incisão de cinco centímetros na linha abdominal ventral para acesso cirúrgico, e a ferida foi dividida em duas partes iguais de 2,5 cm. No pós-operatório foi aplicada diariamente, durante sete dias, sobre a parte cranial a loção fitoterápica (Grupo Tratado - GT), enquanto que na parte caudal foi aplicada uma loção à base de vaselina (Grupo Controle - GC). Com sete (D<sub>7</sub>), 14 (D<sub>14</sub>) e 21 (D<sub>21</sub>) dias foram escolhidas aleatoriamente cinco pacientes de cada grupo para realização de análise macroscópica da ferida cirúrgica e exame histopatológico. Clinicamente se observou que no GT houve melhora no processo de reparação tecidual, fato esse que foi reforçado pelo exame histopatológico no qual foi possível observar que a presença de infiltrados mononucleares foi menor, enquanto que a presença de fibroblastos e neovascularização se apresentaram de forma mais efetiva que no GC. Diante dos achados, conclui-se que a loção fitoterápica agiu sobre a ferida cirúrgica ajudando no reparo tecidual, suscitando subsídios científicos que fundamentem seu uso como cicatrizante na rotina cirúrgica veterinária.</p> 2022-04-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Medicina Veterinária (UFRPE) http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/medicinaveterinaria/article/view/3608 Avaliação de formulações tópicas à base de alecrim (Rosmarinus officinalis L.) e trigo (Triticum aestivum) no tratamento da otite externa induzida em ratos Wistar 2021-03-02T14:14:18+00:00 Eduardo Negri Mueller eduardo.mueller@ifc.edu.br Risciela Salardi Alves de Brito risciela234@yahoo.com.br Eduardo Garcia Fontoura eduardogfontoura@gmail.com Rosema Santin rosema.santin@gmail.com Andreia Nobre Anciuti vet.andreia@gmail.com Cristina Gevehr Fernandes crisgevf@yahoo.com.br Rogerio Antônio Freitag rafreitag@gmail.com Sérgio Jorge sergiojorgevet@hotmail.com Marcia Oliveira Nobre marciaonobre@gmail.com <p>A otite externa é uma doença inflamatória do canal auditivo externo e a terapia tópica é o principal tratamento. A identificação de novos produtos derivados de plantas pode ser usada como alternativa terapêutica viável com menos efeitos tóxicos. Neste trabalho, otite externa foi induzida experimentalmente em 48 ratos <em>Wistar </em>utilizando óleo de cróton em acetona e as alterações foram ranqueadas clinicamente de acordo com a severidade das lesões. Foram utilizados três tratamentos tópicos à base de extratos vegetais ou óleos essenciais de alecrim (<em>Rosmarinus officinalis</em>) e trigo (<em>Triticum aestivum</em>) por sete dias consecutivos. A extração do óleo essencial de alecrim foi através da técnica de hidrodestilação e submetido à cromatografia. Os extratos aquosos foram obtidos através de técnica de ultrassom por esgotamento e analisados empregando a técnica de cromatografia líquida de alta eficiência. O grupo I (GI) foi tratado com extrato aquoso de alecrim 25% em propilenoglicol, o GII foi tratado com óleo essencial de alecrim 25% em propilenoglicol, GIII com extrato aquoso de trigo 0,2% em propilenoglicol e o grupo controle (GIV) recebeu NaCl 0,9%. Nos dias zero, quatro, seis e dez houve reavaliações otológicas clínicas e histopatológicas. A evolução clínica da otite dos animais tratados com os extratos aquosos de ambas as plantas mostrou efeito terapêutico. Os grupos GI e GIII decresceram os escores clínicos aos quatro dias comparados ao grupo controle. Conclui-se que o extrato aquoso de trigo 0,2% e o extrato aquoso de alecrim 25% reduzem os escores clínicos em otite não infecciosa em modelo experimental.</p> 2022-04-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Medicina Veterinária (UFRPE) http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/medicinaveterinaria/article/view/3522 Efeitos da suplementação com nutracêuticos sobre a calcificação de discos intervertebrais em cães da raça Dachshund 2021-04-06T02:18:10+00:00 Eduardo Alberto Tudury respeit@hotmail.com Durval Baraúna Júnior durvalbarauna@hotmail.com Ieverton Cleiton Correia Silva ievertom_tom@hotmail.com Sabrina Cândido Trajano satrajano@yahoo.com Marília Albuquerque Bonelli mariliabonelli@yahoo.com Thaiza Helena Tavares Fernandes thaizavet@gmail.com Cássia Regina Oliveira Santos cassiareginavet@yahoo.com.br Juliana Karla Bezerra jullykarla@hotmail.com Nadyne Lorrayne Farias Cardoso Rocha nadyner@hotmail.com Fabiano Séllos Costa fabianosellos@hotmail.com <p>O objetivo do presente estudo foi comparar o número de discos intervertebrais da coluna toracolombar mineralizados em cães jovens da raça Dachshund, que receberam ou não suplementação com sulfatos de condroitina, glicosaminoglicanos e manganês. Vinte filhotes de quatro meses de idade foram divididos em dois grupos de dez, sendo a seguir submetidos a dois protocolos de tratamento durante 240 dias. Grupo nutracêutico (GN) recebeu um tablete, ao dia, por via oral, contendo nutracêuticos e excipientes. Grupo controle (GC) recebeu um tablete, ao dia, por via oral, contendo os mesmos excipientes do GN. Imagens tomográficas foram obtidas nos momentos zero e após oito meses de tratamento. O percentual de animais classificados com mineralização foi mais elevado no GC quando comparados com GN (64,3% x 44,3%), diferença esta que para a margem de erro fixada (5%) se mostra significativa entre os grupos em relação à presença de mineralização (p &lt; 0,05 risco relativo igual a 1,45 com intervalo que exclui o valor 1,00). No GN as maiores frequências de mineralização ocorreram no disco intervertebral T<sub>09-10 </sub>(70,0%), T<sub>11-12 </sub>e T<sub>13</sub>-L<sub>1</sub> (50,0%) e, no GC, T<sub>09-10 </sub>(90,0%) e T<sub>10-11 </sub>(80,0%). Pode-se concluir que a administração da associação de manganês, sulfatos de condroitina e glicosamina, durante o primeiro ano de vida, em cães da raça Dachshund Miniatura, diminuiu o número de mineralizações discais na coluna toracolombar.</p> 2022-04-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Medicina Veterinária (UFRPE) http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/medicinaveterinaria/article/view/3509 Mieloma múltiplo não secretor em cão Shih Tzu: relato de caso 2021-04-16T21:53:21+00:00 Alefe Luiz Caliani Carrera alefe_luiz@hotmail.com Isabela Ferraro Moreno isabelaferrarom@gmail.com Marcela Baggio Luz mbaggioluz@gmail.com Ricardo Requena espacoanimal.vet@hotmail.com Cláudia Russo russo.claudia@hotmail.com <p>O Mieloma Múltiplo (MM) é uma neoplasia de plasmócitos com origem na medula óssea, sendo de rara ocorrência. Na forma não-secretora não há identificação de gamopatia monoclonal sérica e da proteinúria de Bence-Jones, tornando o diagnóstico mais desafiador. Relata-se um caso de MM não-secretor, em cão da raça Shih Tzu, com histórico de hiporexia e emagrecimento progressivo sem demais manifestações clínicas. Foram encontrados em exames complementares achados inespecíficos iniciais de cardio, hepato e esplenomegalia, além de anemia. Também foram descartadas doenças infecciosas endêmicas. Por meio de radiografia de membros e coluna vertebral, foram evidenciadas lesões líticas ósseas disseminadas, sugerindo MM. Encaminhou-se o paciente para mielograma, na qual foi identificada plasmocitose reativa (&gt;10%). Na eletroforese de proteínas séricas, obteve-se valores normais; e não houve detecção da proteinúria de Bence-Jones. Também foi identificada hipercalcemia. Por meio dos achados descritos acima, foi definido o diagnóstico em MM não-secretor. Instituiu-se o tratamento com Melfalano associado à prednisolona, com melhora do quadro clínico e ausência de efeitos colaterais por 120 dias. Concluiu-se que o MM não-secretor, embora raro, deve ser adicionado à lista de diagnósticos diferenciais em situações de sinais clínicos inespecíficos associados a distúrbios osteomedular. Bem como, o protocolo quimioterápico descrito mostrou-se eficaz como abordagem terapêutica. </p> 2022-04-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Medicina Veterinária (UFRPE) http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/medicinaveterinaria/article/view/3469 Tetralogia de Fallot em um cão da raça Shih Tzu: relato de caso 2021-06-02T23:47:04+00:00 Gustavo Cavinato Herrera gustavocherrera@hotmail.com Clara Boaventura Pereira claraboaventuravet@gmail.com Henrique Caixeta Resende hcaixeta28@gmail.com Matheus Matioli Mantovani matheus2mvet@gmail.com Vanessa Martins Fayad Milken vanessafayad@ufu.br <p>A tetralogia de Fallot é uma doença cardíaca congênita caracterizada por quatro alterações, sendo elas a dextroposição da aorta, defeito do septo interventricular, hipertrofia concêntrica do ventrículo direito e estenose da valva pulmonar. O objetivo deste trabalho foi relatar um caso de tetralogia de Fallot em um cão da raça Shih Tzu. Um canino, da raça Shih Tzu, de 1 ano e 6 meses de idade, foi atendido com queixa principal de episódios de desmaio e dificuldade de respirar que se iniciaram aos 6 meses de idade. Foi realizada oxigenoterapia para estabilizar a angústia respiratória do animal, e o paciente foi encaminhado para ecodopplercardiograma no qual foi constatada a presença das quatro alterações condizentes com a tetralogia de Fallot, o grau de estenose pulmonar foi classificado como moderado e no hemograma foi evidenciada a presença de policitemia absoluta. Como o animal apresentou hematócrito acima de 70% foi indicada a flebotomia e o uso do propanolol na dose de 0,5 mg/Kg, três vezes ao dia como indicado na literatura. Após o tratamento foi observada melhora do quadro clínico. Na impossibilidade de acompanhar o paciente aumentou-se a dose de propranolol para 1mg/Kg/ a cada 8 horas. O caso relatado contribuiu para a literatura escassa sobre essa enfermidade em pequenos animais, especialmente na raça Shih Tzu.</p> 2022-04-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Medicina Veterinária (UFRPE) http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/medicinaveterinaria/article/view/2179 Use of an organic acid blend to control the spread of Salmonella Heidelberg and improve broiler performance 2020-11-17T20:08:36+00:00 Lourenço Sausen lsausenvet@yahoo.com.br Angélica Signor Mendes angel.concordia@hotmail.com Rosana Refatti Sikorski refattirosana@gmail.com Rosiane de Fátima Uliana Rosyuliana@hotmail.com Cláudia Helena Ferreira Zago cahafazo@hotmail.com Lucas Renato Trevisan Trevisa2@illinois.edu Bruno Evangelista Guimarães brguimaraes28@gmail.com <p>The objective was to evaluate an organic acid blend supplied via water and feed to control the spread of <em>Salmonella</em> Heidelberg in broilers from 1–31 days of age, and improve growth performance in broilers. The design was a complete randomized block with five treatments and five replicates, 25 experimental units (13 birds per unit, density of 13 birds/m<sup>2</sup>). A total of 325 one day old female chicks were randomly arranged in five treatments: T1 – Negative control (no acid blend via water and feed + 0.5 mL of physiological solution in water); T2 – Positive control (no acid blend via water and feed + inoculation of 0.5 mL of <em>Salmonella</em> Heidelberg (1.2 x 10<sup>6 </sup>CFU); T3 – Acid blend via water + inoculation of 0.5 mL of <em>Salmonella</em> Heidelberg (1.2 x 10<sup>6 </sup>CFU); T4 – Acid blend via feed + inoculation of 0.5 mL of <em>Salmonella</em> Heidelberg (1.2 x 10<sup>6 </sup>CFU); T5 – Acid blend both via water and feed + inoculation of 0.5 mL of <em>Salmonella</em> Heidelberg (1.2 x 10<sup>6 </sup>CFU) in drinking water and feed. The results were analyzed using Bayesian comparisons with 5% significance and a priori beta distribution. Significant effects of treatments were found on feed conversion at 21, 28, and 31 days, where treatments T3 and T5 had the best results. Regarding live weight, no significant effects were observed between treatments.<a name="_Toc415783206"></a><a name="_Toc344023397"></a> There was no significant effect of using a mixture of organic acids in reducing the incidence of <em>Salmonella</em> Heidelberg among the treated groups, in intestines at nine days, using drag swab at 16 days, and crop collection at 31 days. There were no significant differences between the test groups and control groups.</p> 2022-04-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Medicina Veterinária (UFRPE) http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/medicinaveterinaria/article/view/4919 Soropositividade para Actinobacillus pleuropneumoniae em suínos na fase de terminação no estado de Pernambuco 2022-04-01T16:23:06+00:00 Raíssa Ivna Alquete de Arreguy Baptista raissaivna@yahoo.com.br Antonio Samuel Alves da Silva antonio.sasilva@ufrpe.br Sebastião André Barbosa Junior sebastiaoandre.jr@hotmail.com Bárbara Costa Cysneiros barbaracysneiros@hotmail.com Clara Nilce Barbosa clara.barbosa@ufrpe.br <p>O objetivo deste estudo foi avaliar a soropositividade para <em>Actinobacillus pleuropneumoniae</em> (App) em suínos da fase de terminação pelo teste imunoenzimático indireto (ELISA-<em>Enzyme-Linked Immunosorbent Assay</em>). As amostras de soros (<em>n</em>=153), coletadas em abatedouros, foram procedentes de municípios pernambucanos, incluindo Camaragibe, Caruaru, Gravatá, João Alfredo, Lagoa do Carro, Paudalho e São Lourenço da Mata. Os resultados revelaram 40,52% de soropositividade e todos os municípios apresentaram animais positivos. Houve diferença estatística significativa (<em>p</em>&lt;0,05) entre os municípios e os resultados dos testes sorológicos. Os municípios Camaragibe, Caruaru, Gravatá e Paudalho apresentaram diferença estatística significativa (<em>p</em>&lt;0,05), nas proporções de soropositividade, quando comparados com João Alfredo, Lagoa do Carro e São Lourenço da Mata. Este estudo mostra a primeira evidência de anticorpos contra App em suínos no estado de Pernambuco.</p> 2022-04-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022