Saberes Tradicionais e o Ensino de Química na Escola Família Agroextrativista do Carvão

Autores

  • André dos Santos Santos Universidade do Estado do Amapá
  • Ramon de Oliveira Santana Universidade do Estado do Amapá
  • Gérson de Souza Mól Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Saberes tradicionais, Pedagogia da alternância, Ensino de Química

Resumo

A pedagogia da alternância surgiu como resposta ao problema do êxodo rural e, durante o tempo, tem sido aperfeiçoada e adequada às realidades locais nas quais se encontra. Por meio de seus diferentes instrumentos, essa pedagogia convida o educando a uma participação engajada com os problemas do campo, em especial, os vividos pelas populações tradicionais. Tais populações produziram diversos saberes ao longo do tempo, os quais estão ligados à sua vida cotidiana e à sua ancestralidade, o que os torna elementos de identidade no território. Nesse sentido, a proposta do presente trabalho foi de articular e promover o encontro de saberes da tradição com saberes científicos, a fim de ensinar Ciências/Química na Escola Família Agroextrativista do Carvão – EFAC, com vista à valorização desses saberes. Assim, este trabalho se tornou mais que uma proposta didática, favorecendo um efetivo processo de ensino aprendizagem com uma nova relação dialógica – professor, educandos e mestre dos saberes da tradição – promovendo a sala de aula a um ambiente onde se pode ouvir e conhecer formas diferentes de olhar e explicar a realidade, potencializando o ensino de Ciências/Química, na medida em que os diversos aspectos dos saberes da tradição são relacionados a conceitos científicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida, M. C. (2012) Complexidade, saberes científicos, saberes da tradição. São Paulo: Editora Livraria da Física.

Almeida, M. C. (2012) Ciências da Complexidade e Educação: Razão apaixonada e politização do pensamento. Natal: EDUFRN.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2002). NBR 6023: Informação e Documentação - Referências - Elaboração. Rio de Janeiro: ABNT.

Bauer, M. W. & Gaskell, G. (orgs.). (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes.

Benite, A. M. C., Faustino, G. A. A., Silva, J. P. & Benite, C. R. M. (2019). Dai-me agô (licença) para falar de saberes tradicionais de matriz africana no ensino de química. Quim. Nova, 42(5), pp. 570-579.

Brasil (2006). Dias letivos para a aplicação da Pedagogia de Alternância nos Centros Familiares de Formação por Alternância (CEFFA). Parecer CNE/CEB Nº 1/2006. Brasília: MEC/ SECAD.

Brasil (2014). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394/1996, estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília. Edição Revisada.

Carvalho, J. J. (2018). Encontro de saberes e descolonização: para uma refundação étnica, racial e epistêmica das universidades brasileiras. In: Costa, J. B., Torres, N. M. & Grosfoguel, R. (Org.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte, Ed. Autêntica, pp. 79-106.

Cunha, M. C. (2007). Relações e dissensões entre saberes tradicionais e saber científico. Revista USP, 75, pp. 76-84.

Escola Família Agroextrativista do Carvão (2017). Projeto Político Pedagógico. Mazagão (AP): AEFAC.

Papa Francisco (2020). Exortação Apostólica Querida Amazônia. Vaticano.

Hertwig, I. F. (1986). Plantas aromáticas e medicinais: plantio, colheita, secagem e comercialização. São Paulo: Ícone Editora.

Leite, S. C. (2002). Escola rural: urbanização e políticas educacionais. São Paulo: Cortez.

Monk, P. (2004). Physical Chemistry, Understanding our Chemical World. England: John Wiley & Sons.

Nosella, P. (2012). Educação no campo: Origens da pedagogia da alternância no Brasil. Vitória: EDUFES.

Silva, D. B. P. Educação, resistências e tradição oral: a transmissão de saberes pela oralidade de matriz africana nas culturas populares, povos e comunidades tradicionais. 217 f., il. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de Brasília.

Sousa, R. P., Cruz, C. R. F., Silva, R. C., Silva, F. S. & Moraes, M. R. L. (2016). Educação do campo na Amazônia: A experiência histórica das Escolas Famílias do estado do Amapá. Belém: Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).

Sousa, F. B. B. (2011). As contribuições da Escola Família Agroextrativista do Carvão para o desenvolvimento rural sustentável na região amazônica-AP. Dissertação (Mestrado Integrado em Desenvolvimento Regional), Universidade Federal do Amapá, Amapá.

Downloads

Publicado

2021-12-03

Como Citar

dos Santos Santos, A. ., de Oliveira Santana, R. ., & de Souza Mól, G. (2021). Saberes Tradicionais e o Ensino de Química na Escola Família Agroextrativista do Carvão. Mandacaru: Revista De Ensino De Ciências E Matemática, 1(1), 81–100. Recuperado de http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/mandacaru/article/view/4747

Edição

Seção

Temáticas interdisciplinares e contemporâneas