Conhecimentos de Ecologia Utilizados por Alunos do Ensino Médio na Compreensão das Questões Ambientais

Autores

  • Maria Eduarda Alves de Carvalho
  • Ana Carolina Borges Lins e Silva
  • Gilmar Beserra de Farias UFPE

Palavras-chave:

Ensino, Ecologia, Biologia da Conservação, Questões Ambientais

Resumo

Nas questões ambientais estão inseridos conceitos da Ciência Ecologia e da Biologia da Conservação e que podem apresentar diferentes significados dependendo dos atores sociais. O objetivo deste estudo foi verificar se os alunos do Ensino Médio utilizavam conhecimentos da Ciência Ecologia na compreensão das questões ambientais. Foi realizada uma pesquisa de cunho qualitativo com as informações obtidas por meio de uma questão sobre poluição hídrica e tratadas a partir da Análise do Conteúdo. Foram identificadas três categorias de análise: Educação, Solução Técnica e Poder Público. Os estudantes do Ensino Médio fizeram pouco uso dos conceitos da Ciência Ecologia, apresentando termos superficiais, generalistas e de senso comum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Begon, M., Townsend, C. R. & Harper, J. L. (2007). Ecologia: de indivíduos a ecossistemas. Porto Alegre: Artmed.

Bomfim, V. B. & Kawazaki, C. S. (2015). As "Ecologias" presentes nas pesquisas em Educação Ambiental. In VIII Encontro de Pesquisa em Educação Ambiental, Rio de Janeiro: 2015. Anais... Rio de Janeiro, p. 1-16.

Brando, F. R., Cavassan, O. & Caldeira, A. M. A. (2009). Ensino de Ecologia: dificuldades conceituais e metodológicas em alunos de iniciação científica. In: A. M. A. Caldeira (Org.), Ensino de ciências e matemática, II: temas sobre a formação de conceitos. São Paulo: Cultura Acadêmica, v. II, p. 13-31.

Brasil. (2002). Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. PCN+: Ensino Médio - Orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC.

Brasil. (2012). Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 25 mai.

Brasil. (2013). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI.

Brasil. (2014). Fundação Nacional de Saúde. Orientações metodológicas para Programa de Educação Ambiental em Saneamento para pequenos municípios: Caderno de orientações: Caderno 1 / Fundação Nacional de Saúde; Universidade Estadual de Feira de Santana. - Feira de Santana: UEFS - Brasília: Funasa.

Brasil. (2018). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC.

Castro, H. A. (2018). A poluição dos rios no meio urbano e suas consequências. In: M. A. G. JARDIM & M. B. MARTINS (Orgs.), Reflexões em Biologia da Conservação. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.

Conrado, D. M., Nunes-Neto, N. F. & El-Hani, C. N. (2015). Argumentação sobre problemas socioambientais no ensino de Biologia. Educação em Revista, 31(1), 329-357. Acesso em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010246982015000100329&lng=en&nrm=iso>.

Cotin, C., & Motokane, M. T. (2012). A imagem de ecologia em alunos do ensino médio do município de Ribeirão Preto. Revista EDICC (Encontro de Divulgação de Ciência e Cultura), 1(1), 58-66. http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/edicc/article/view/2326/2353

Díaz, J. E. G., & García, A. R. (1996). La transición desde un pensamiento simple hacia otro complejo en el caso de la construcción de nociones ecológicas. Investigación en la Escuela, 28, 23-36. Acesso em: https://revistascientificas.us.es/index.php/IE/issue/view/628

Franco, M. L. P. B. (2005). Análise de conteúdo. 2 ed. Brasília: Líber Livro.

Gayoso, I. G. R., García, E. S. & Varela, V. S. (2020). Competencia de estudiantes de secundaria para aplicar ideas sobre el funcionamiento de los ecosistemas. Enseñanza de las Ciencias. Revista de investigación y experiencias didácticas, 38(1) 67-85. Acesso em: https://ensciencias.uab.es/article/view/v38-n1-garcia-silva-sesto/2733-pdf-es

Guimarães, R. P. (1995). O desafio político do desenvolvimento sustentado. Lua Nova, 35, 113-136.

Herculano, S. (1996). O campo do ecologismo no Brasil: o fórum das ONG's. In: E. Reis, M. H. T. Almeida & P. Fry (Eds.), Política e cultura: visões do passado e perspectivas contemporâneas. São Paulo: Hucitec: Anpocs.

Kato, D. S., Motokane, M. T., & Ferreira, J. H. A. (2013). O ensino de Ecologia: uma análise dos temas dos artigos científicos publicados entre 2003-2011. Revista Enseñansa de las Ciencias, v. extra, 1827-1832. Acesso em: https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/-article/view/307477/397457

Layrargues, P. P. (2012). Para onde vai a Educação Ambiental? O Cenário político ideológico da Educação Ambiental brasileira e os desafios de uma agenda política crítica contra-hegemônica. Revista Contemporânea de Educação, 7(14), 388-411. Acesso em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/1677/1526

Lhamas, A. P. B., Mendes, C. B. & Maia, J. S. S. (2020). O entendimento de licenciandos em Ciências Biológicas sobre o saneamento básico: a importância da educação ambiental crítica como processo formativo. In: A. R. A. Rocha & D. Silva, (Orgs.). Da Educação Básica ao Ensino Superior: os desafios dos docentes no século XXI. Maringá, PR: Uniedusul.

Lima, C. F. & Layrargues, P. P. (2014). Mudanças Climáticas, educação e meio ambiente: para além do conservadorismo dinâmico. Educar em Revista, n. 3, p.73-88. Acesso em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/38108/23609

Louzada-Silva, D. & Carneiro, M. H. S. (2013). A conservação da natureza em livros didáticos de Biologia. In: IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Águas de Lindóia-SP. Atas... Águas de Lindoia, p. 1-8.

Louzada-Silva, D. & Carneiro, M. H. S. (2014). Biodiversidade, conservação e sustentabilidade no livro didático de biologia no Brasil. Sustentabilidade Em Debate, 5(1), 98-116. Acesso em: https://periodicos.unb.br/index.php/sust/article/view/-15590/13889

Lovatto, P. B., Altemburg, S. N., Casalinho, H. & Lobo, E. A. (2011). Ecologia profunda: o despertar para uma educação ambiental complexa. Redes (St. Cruz Sul, Online), 16(3), 122-137. Acesso em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=552056841007

Lowe, S., Browne, M., Boudjelas, S. & De Poorter, M. (2004). 100 of the World’s Worst Invasive Alien Species: A selection from the Global Invasive Species Database. The Invasive Species Specialist Group (ISSG/ SSC/ IUCN).

Macedo, S. (2012). Paisagismo Brasileiro na Virada do Século: 1990-2010. São Paulo: Editora de São Paulo; Editora Unicamp.

Malheiros, B. T. (2011). Metodologia da Pesquisa em Educação. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC.

Manzochi, L. H. (1994). Participação do ensino de ecologia em educação ambiental voltada para a formação da cidadania: a situação das escolas de segundo grau no município de Campinas. (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP.

Martins, A. T. & Pitelli, R. A. (2005). Efeitos do manejo de Eichhornia crassipes sobre a qualidade da água em condições de mesocosmos. Planta Daninha, 23(2), 233-242. Acesso em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010083582005000200009-&lng=en&nrm=iso

Meine, C. (2010). Conservation biology: past and present. In N. S. SODHI & P. R. EHRLICH (Eds.), Conservation Biology for All. Oxford: Oxford University Press. Cap. 1: p. 7-26.

Moscovici, S. (2007). Natureza: para pensar a Ecologia. Rio de Janeiro: Mauad X: Instituto Gaia.

Motokane, M. T. (2015). Sequências didáticas investigativas e argumentação no ensino de ecologia. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 17(n. especial), 115-138. Acesso em: https://www.scielo.br/pdf/epec/v17nspe/1983-2117-epec-17-0s00115.pdf

Motokane, M. T. & Trivelato, S. L. F. (1999). Reflexões sobre o Ensino de Ecologia no Ensino Médio. In II Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Valinhos-SP. Anais... Valinhos-SP, p. 1-11.

Pernambuco. (2010). Secretaria de Recursos Hídricos e Energéticos. Plano Hidroambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Ipojuca. Tomo I – Diagnóstico Hidroambiental. Volume 02/03. Recife: Projetos Técnicos.

Pernambuco. (2013). Secretaria de Educação e Esportes. Parâmetros para a Educação Básica do Estado de Pernambuco. Parâmetros Curriculares. Recife: SSE.

Pernambuco. (2020). Secretaria de Educação e Esportes. Reorganização Curricular. Recife: SSE/UNDIME.

Pinheiro, J. I., Lima, U. M. & Dantas Júnior, P. C. (2005). A Educação Sanitária e Ambiental como instrumento de participação popular, conscientização e controle social na regulação dos serviços de saneamento ambiental. In VI Congresso Brasileiro de Regulação, Manaus-AM. Anais... p. 127-133.

Reigota, M. (2010). Meio Ambiente e Representação Social. São Paulo: Cortez.

Richardson, R. J. (2017). Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Ricklefs, R. E. (2003). A Economia da Natureza. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan.

Santos, S. & Maciel, M. D. (2013). As interações CTSA no ensino de Ecologia: um estudo sobre cadeia alimentar. Revista Enseñansa de las Ciencias. Girona, v. (extra), p. 1096-1100. Acesso em: https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/306761/396757

Seniciato, T. & Cavassan, O. (2009). O ensino de Ecologia e a experiência estética no ambiente natural: considerações preliminares. Ciência & Educação (Bauru), 15(2), 393-412. Acesso em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151673132009000-200010&lng=en&nrm=iso

Severo, T. E. A. (2009). A influência das representações dos estudantes na construção do conceito de ambiente: um estudo sobre a formação de professores de Biologia. In XI Congresso de Ecologia do Brasil, São Lourenço-MG. Anais... São Lourenço-MG.

Silva, M. C. (2012). Ensino de ecologia: dificuldades encontradas e uma proposta de trabalho para professores dos ensinos fundamental e médio de João Pessoa, PB. (Monografia de Graduação). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa-PB.

Sousa, P. S. & Gehlen, S. T. (2017). Questões Sociocientíficas no Ensino de Ciências: algumas características das pesquisas brasileiras. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 19. Acesso em: https://www.scielo.br/pdf/epec/v19/1983-2117-epec-19-e2569.pdf

Townsend, C. R., Begon, M. & Harper, J. L. (2010). Fundamentos da Ecologia. 3 ed. Porto Alegre: Artmed.

Trombulak, S. C., Omland, K. S., Robinson, J. A., Lusk, J. J., Fleischner, T. L., Brown, G. & Domroese, M. (2004). Principles of Conservation Biology: Recommended Guidelines for Conservation Literacy from the Education Committee of the Society for Conservation Biology. Conservation Biology, 18(5), 1180-1190. Acesso em: https://conbio.org/images/-content_prof_dev/conservation_literacy_english.pdf

Weigand Júnior, R., Silva, D. C. & Silva, D. O. (2011). Metas de Aichi: Situação atual no Brasil. Brasília, DF: UICN, WWF-Brasil e IPÊ.

Downloads

Publicado

2021-12-03

Como Citar

Carvalho, M. E. A. de ., Lins e Silva, A. C. B., & Beserra de Farias, G. (2021). Conhecimentos de Ecologia Utilizados por Alunos do Ensino Médio na Compreensão das Questões Ambientais. Mandacaru: Revista De Ensino De Ciências E Matemática, 1(1), 40–55. Recuperado de http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/mandacaru/article/view/4135

Edição

Seção

Processos de construção de significados