USO DO MÉTODO ABC PARA O LEVANTAMENTO E ANÁLISE DOS CUSTOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM UMA EMPRESA DE TECNOLOGIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51720/mcr.v6i1.4183

Palavras-chave:

Gestão de custos, Desenvolvimento de software, Método ABC.

Resumo

Devido ao grande destaque dado a internet nos últimos anos, e consequentemente, o aumento do uso de softwares para realização de atividades diversas, empresas de desenvolvimento destes produtos vêm ganhado evidência e mostrando a necessidade de um posicionamento de destaque no mercado competitivo. Para isso, tais empresas precisam otimizar seus processos, diminuir seus custos e planejar suas atividades frente ao desafio de encontrar métodos de gestão para isso, dada a complexidade de seus processos. Sendo assim, o objetivo principal deste trabalho foi aplicar o método ABC (Activity Based Costing) como ferramenta de auxílio para o levantamento e análise dos custos de desenvolvimento de softwares em uma empresa de tecnologia. Para isso, foi utilizado o método de custeio ABC, que consegue traduzir a complexidade de processos e ainda gerar informações relevantes a tomada de decisões. Assim, foi possível identificar etapas mais e menos relevantes em termos dos custos e obter oportunidades para otimização das atividades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abbas, K., Gonçalves, M. N. & Leoncine, M. (2012). Os métodos de custeio: vantagens, desvantagens e sua aplicabilidade nos diversos tipos de organizações apresentadas pela literatura. Contexto, 12 (22), 145-159.

Bornia, A. C. (2010). Análise gerencial de custos: aplicação em empresas modernas (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Braga, D. P. G., Braga, A. X. V. & Souza, M. A. (2010). Gestão de custos, preços e resultados: um estudo em indústrias conserveiras do Rio Grande do Sul. Contabilidade, Gestão e Governança, 13 (2), 20-35.

Calderón, J. G. M. (2012). Contabilidad de Costos I. Teoría y Práctica (4a ed.). Lima: Jcm Editores.

Coelho, A. M. M. S. (2011). Os Sistemas de Custeio e a Competitividade da Empresa. Dissertação de mestrado, Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, Porto, Portugal.

Costa, A. P. (2019). Gestão de custos em uma instituição federal de ensino: proposta de modelo de apuração com base no custeio ABC. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, Brasil.

Souza, E. X., Santos, M. L., Lima, A. B., Silva, D. B. S. & Victor, R. N. (2011). Implantação de um Sistema de Custos no Setor Público: um Estudo de Caso em um Hospital de Ensino do Nordeste Brasileiro. Anais do Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia- SEGeT, Rezende, RJ, Brasil, 8.

Dyba, T. & Dingsoyr, T. (2008). Empirical studies of agile software development: A systematic review. Information and Software Technology, 50 (9-10), 833-859.

Eberle, V. & Colauto, R. D. (2015). Pressões institucionais e adoção do Balanced Scorecard: o caso de uma organização do setor elétrico do sul do Brasil. Contabilidade Vista & Revista, 25 (3), 95-120.

Fornaciari, G., Newman, D. T. C., Carolino, J., Fernandez, J. A. N., Elias, H. R. & Oliveira, V. A. S. (2018). Análise custo/volume/lucro aplicada no processo de tratamento do mineral quartzo hialino: irradiação e tratamento térmico. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Vitória, ES, Brasil, 25.

Garcia, F. W. S., Oliveira, S. R. B. & Salviano, C. F. (2016). Uma abordagem metodológica para a implementação multimodelos de qualidade de software adotando a CERTICS e o CMMI-DEV. Revista Eletrônica de Sistemas de Informação, 15 (2), 1-28.

Horngren, C. T., Sundem, G. L. & Stratton, W.O. (2004). Contabilidade Gerencial (12a ed.). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Kaplan, R. S. & Cooper, R. (1998). Custo e desempenho: administre seus custos para ser mais competitivo. São Paulo: Futura.

Kim, Y. W., Han, S. H., Yi, J. S. & Chang, S. (2016). Supply chain cost model for prefabricated building material based on time-driven activity-based costing. Canadian Journal of Civil Engineering, 43 (4), 287-293.

Krishnan, A. (2007). An application of activity based costing in higher learning institution: a local case study. Disponível em: http://academic-journals.org/CMR/cmr%20papers/(Vol.%2002,%20No.%2002)1.%20Pages%2075-90.pdf. Acesso em: 15 agosto 2020.

Lauschner, M. A. & Beuren, I. M. (2004). Gestão estratégica de custos. Contabilidade Vista & Revista, 15 (2), 53-84.

Magalhães, R., Alves, L. N. & Sacilotti, A. C. (2019). A importância da comunicação na construção de softwares. Revista eletrônica de tecnologia e cultura, 24.

Martins, E. A. (2019). A importância do software de gerenciamento de projetos do exército na gestão dos custos em projetos do comando logístico. Trabalho de Conclusão de curso, Escola de Formação Complementar do Exército / Centro Universitário do Sul de Minas, Salvador, BA, Brasil.

Martins, E. & Rocha, W. (2010). Métodos de custeio comparados: custos e margens analisados sob diferentes perspectivas. São Paulo: Atlas.

Morais, G. M., Santos, V. F. & Neto, M. T. R. (2019). Gestão de custos no setor público: um estudo em um restaurante universitário. Brazilian Journal os Development. Curitiba, 5 (3), 1913-1933.

Neto, J. G. (2019). Metodologias ágeis em uma microempresa de desenvolvimento de softwares: um estudo de caso com o uso do SCRUM. Monografia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Oliveira, L. M. e Perez Jr., J. H. (2012). Contabilidade de custos para não contadores (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Peixoto, A. B., Souza, E. F., Souza, F. E., Nishi, L., Veras, M. F. P., Pereira, N. S., Silva, S. D., Pocivi, V. C. B. & Marins, W. F. (2020). Desenvolvimento de Softwares e Sistemas Institucionais. Anais do Seminário de atualização de práticas docentes, Anápolis, GO, Brasil, 38.

Petersen, K. & Wohlin, C. (2010). The effect of moving from a plan-driven to an incremental software development approach with agile practices: an industrial case study. Empirical Software Engineering, 15 (6), 654-693.

Pressman, R. (2011). Engenharia de Software: Uma Abordagem Profissional (7a ed.). Porto Alegre. McGrawHill.

Prodanov, C. C. & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico (2a. ed.). Novo Hamburgo: Feevale, 2013. Disponível em: < www.feevale.br/editora> acesso em 05 de junho de 2020.

Rossi, K. C. T. B. & Eggert, N. S. V. (2019). As mudanças nos controles e na gestão de custos decorrentes da implementação de um sistema de custeio – um estudo de caso em uma empresa gráfica. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Curitiba, PR, Brasil, 26.

Rovai, R. L. (2013). Metodologias inovadoras para gestão de projetos: modelo referencial para implantação da ITILV3 através da metodologia PRINCE2: estudo de caso. Revista de Gestão de Projetos – GeP, 4 (2), 252-270.

Schmidt, P., Santos, J. L. & Leal, R. (2009). Time Driven Activity Based Costing (TDABC): uma ferramenta evolutiva na gestão de atividades. Revista Iberoamericana de Contabilidade de Gestión, 7 (14), 1-11.

Silva, E. R. S., Gonçalves, V. M., Cruz, D. B. & Reis, B. M. C. (2019). Gestão dos custos universitários: Uma abordagem do custeio baseado em atividades. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Curitiba, PR, Brasil, 26.

Souza, A. A., Santo, D. E., Aquino, J. A. L., Silva, R. & Menezes, M. B. C. (2011). A importância da ética para o profissional contábil. Cadernos de Graduação Ciências Humanas e Sociais, 13 (14), 11-27.

Wernke, R., Faccenda, L. S. & Junges, I. (2018). Gestão de Custos em Escola de Idiomas: Estudo de Caso com aplicação da Análise Custo/Volume/Lucro. ABCustos, 13 (1), 77-108.

Zanin, A.; Magro, C. B. D.; Mazzioni, S. (2019). Características organizacionais e a utilização da gestão de custos no processo decisório. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 18, 1-19.

Downloads

Publicado

2021-07-14

Edição

Seção

Artigos