DESEMPENHO, GESTÃO DAS PERDAS TÉCNICAS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO SETOR DE SANEAMENTO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51720/mcr.v6i1.4168

Palavras-chave:

Desempenho, Indicadores de Qualidade, Perdas Técnicas, Eficiência Energética.

Resumo

Este estudo tem como objetivo investigar as relações do desempenho com a gestão das perdas técnicas e eficiência energética da companhia de saneamento da Paraíba. para tanto, abordou-se um referencial teórico acerca de desempenho, perdas técnicas e eficiência energética. Como metodologia, foram selecionados indicadores de qualidade com intuito de representar o desempenho (atendimento da portaria sobre qualidade da água e reclamações e serviços executados). Ainda, as variáveis de gestão de perdas técnicas e eficiência energética são subdivididas em seis categorias: fatores administrativos, gerenciais, ambientais, sociais, técnicos e operacionais. O tratamento foi pela matriz de correlação de Spearman, havendo como justificativa o fato de as variáveis correlacionadas apresentarem natureza ordinal. Isso posto, constatou-se que há correlação de determinadas variáveis de gestão de perdas técnicas e eficiência energética com indicadores de qualidade, sobretudo no que tange ao desempenho com as estratégias aplicadas para haver redução do número de reclamações ou solicitações de serviços por parte dos clientes, bem como pela otimização do tempo para soluções de serviços solicitados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Anderson, M.C., Asdemir, O., & Tripathy, A. (2013). Use of precedent and antecedent information in strategic cost management. Journal of Business Research, 66 (5), 643-650.

Banco Mundial (2017). De Volta ao Planejamento: Como Preencher a Lacuna de Infraestrutura no Brasil em Tempos de Austeridade, 49p. Disponível em: < https://www.worldbank.org/pt/country/brazil > Acesso em: 28/06/2019.

Berg, S. V. (2016). Seven elements affecting governance and performance in the water sector. Utilities Policy, 43 (1), 4-13.

Carvalho, P., & Marques, R. (2011). The influence of the operational environment on the efficiency of water utilities. Journal of Environmental Management, 92 (10), 2698–2707.

Christ, K. L., & Burritt, R. L. (2014). Material flow cost accounting: a review and agenda for future research. Journal of Cleaner Production, 108, 1378-1389.

Confederação Nacional da Indústria (2018). Saneamento Básico: uma agenda regulatória e institucional, 25, 28p. Disponível em: < http://www.portaldaindustria.com.br/cni/ > Acesso em: 28/06/2019.

Fernandes, F. C.; & Mazzioni, S. (2015). A correlação entre a remuneração dos executivos e o desempenho de empresas brasileiras do setor financeiro. Revista Contabilidade Vista & Revista, 26 (2), 41-64.

Hernández-Sancho, F., Molinos-Senante, M., & Sala-Garrido. R. (2011). Energy efficiency in Spanish wastewater treatment plants: A non-radialDEA approach. Science of the Total Environment, 409, 2693–2699.

Hilorme T., Karpenko, L. M., Olesia, F. V., Yu, S. I., & Svetlana, D. (2018). Innovative Methods of Performance Evaluation of Energy Efficiency Projects. Academy of Strategic Management Journal, 17 (2).

International Water Association. Estatísticas Internacionais de Serviços de Água. . Disponível em: <https://iwa-network.org/> Acesso em: 17/05/2020.

Malmi, T., & Brown, D. A. (2008). Management control systems as a package - Opportunities, challenges and research directions. Management Accounting Research, 19 (4), 287-300.

Molinos-Senante, M., Sala-Garrido, R., & Lafuente, M. (2015). The role of environmental variables on the efficiency of water and sewerage companies: a case study of Chile. Environmental Science and Pollution Research, 22(13), 10242–10253.

Nikolay Makisha, N., & Kazimirova, T. (2018). Principles of energy saving in water supply and sewage systems. International Conference on Research in Mechanical Engineering Sciences, 144.

Otley, D. (1980). The contingency theory of managerial accounting: achievement and prognosis. Accounting, Organizations and Society, 5, 413-428.

Pinheiro, F. A. P., Savoia, J. R. F., & Angelo, C. F. (2016). A Comparative Analysis of the Public and Private Water Supply and Sanitation Service Providers’ Work in Brazil. Brazilian Business Review, 13(1), 115-136.

Pinto, F. S., Simões, P., & Marques, R. C. (2016). Water services performance: do operational environment and quality factors count? Urban Water Journal, 14 (8), 773–781.

Kaminsky, J. & Kumpel, E. (2018). Dry Pipes: Associations between Utility Performance and Intermittent Piped Water Supply in Low and Middle Income Countries. Water, 10 (8), 1032.

Knight, G., & Kim, D. (2009). International business competence and the contemporary firm. Journal of International Business Studies, 40, 255-273.

Ribeiro, L. C. L. J., Andrade, J. G. P., & Zambon, A. G. (2017). Gestão de sistema de abastecimento de água através de ações para redução de perdas. Revista Ibero Americana de Ciências Ambientais, 8 (2), 156-166.

Saleth, R. M., & Sastry, G. S. (2004). Water supply and sanitation sector of Karnataka, India: status, performance and change. Water Policy, 6 (3), 161–183.

Shields, M. D. (1995). An empirical analysis of firms’ implementation experiences with activity-based costing. Journal of Management Accounting Research, 7(4), 148-166.

Shields, M., & Young S. M. (1989). A behavioral model for implementing cost management systems. Journal of Cost Management, 17-27.

Schutte, C. F. (2001). Managing water supply and sanitation services to developing communities: key success factors. Water Sci Technol, 44 (6), 155–162.

Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (2018). Diagnóstico Anual de água e esgotos. Disponível em: < http://www.snis.gov.br/diagnostico-anual-agua-e-esgotos> Acesso em: 17/05/2020.

Sobrinho, R. A., & Borja, P. C. (2016). Gestão das perdas de água e energia em sistema de abastecimento de água da Embasa: um estudo dos fatores intervenientes na RMS. Engenharia Sanitária Ambiental, 21(4), 783-795.

Souza, G. E., Anzilago, M., & Beuren, I. M. (2017). Efeito da Percepção Habilitante dos Sistemas de Custeio pelos Gestores no Desempenho de suas Tarefas. Contabilidade, Gestão e Governança, 20(3), 416-441.

Willetts, J., Carrard, N., Retamal, M., & Mitchell, C. A. (2010). Cost effectiveness analysis as a methodology to compare sanitation options in peri-urban Can Tho, Vietnam. IRC Symposium, 16p.

Downloads

Publicado

2021-07-14

Edição

Seção

Artigos