AS PROBLEMÁTICAS IMPACTANTES NA GESTÃO DE PROCESSOS ORÇAMENTÁRIOS: UMA LEITURA DE CAMPO

Francisco Isidro Pereira, Felipe Santos de Oliveira Neto

Resumo


O orçamento é um dos arsenais de gestão disponível que antecipa os cenários operacionais e financeiros das unidades empresariais e portanto, de significativo efeito na monitoração de desempenho. Devido a sua aparente complexidade, se torna a maioria da vezes difícil a implementação e a prática dessa ferramenta. A literatura reconhece as dificuldades e limitações e discorre a respeito. O presente estudo tem como objetivo contrastar a teoria com a realidade empírica quantos aos problemas de gestão no sistema orçamentário implementado. Entender e aferir empiricamente as problemáticas decorrentes do modelo instalado se constituiu a linha mestre da investigação ora relatada principalmente levando em conta a peculiaridade brasileira cujo clichê é o do “jeitinho”. Para isso, recorreu ao estudo de caso para alcançar o objetivo delineado. Todo um protocolo foi desenhado de forma a se adentrar no campo empírico. A entrevista do tipo semiestruturada e a observação direta intensiva foram os principais instrumentos de coleta de dados. Por fazer parte do cenário de pesquisa o investigador buscou não interferir na rotina da empresa e proceder a captura de forma natural sempre contornando as interferências indevidas. As anotações variaram de registros em papel avulso, caderno, tablete e aplicativo de celular. O conteúdo capturado era contrastado com os arcabouços teóricos e discussões com especialistas. Em caso de dúvidas e entendimentos não esclarecidos se retornava as fontes. Haja vista o pouco tempo de prática do modelo de orçamento implantado a influência humana na gestão orçamentária se despontou como variável impactante na utilização do ferramental.

Palavras-chave


Gestão Orçamentária; Orçamento; Dificuldades.

Texto completo:

PDF

Referências


Blumentritt, T. (2006). Integrating strategic management and budgeting. Journal of Business Strategy, n. 27 (6), 73-79.

Carreras Jr., A., Mujtaba, B. G., & Cavico, F. J. (2011). Don’t blame the budget process: an exploration of efficiency, effectiveness and ethics. Business and Management Review, 1 (3), 5-13.

Cassell, M. (2003). Can we budge it? If budgeting is flawed in the private sector, it's hopeless in the public sector, writes Merrill Cassell. But there is an approach that, if adopted, could negate many of the problems that beset the current process and destroy value. Financial Management.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Método de pesquisa em administração. (7a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Danna, M. F., & MATOS, M. A. (2011). Aprendendo a observar. (2a ed.). São Paulo: Edicon.

Deloitte. (2014). Integrated performance management: plan, budget, forecast. Disponível em: https://www2.deloitte.com/content/dam/Deloitte/au/Documents/technology/deloitte-au-tech-integrated-performance-management-plan-budget-forecast-0614.pdf.

Dryburgh, A. (2014). Tudo o que você sabe sobre negócios está errado. Rio de Janeiro: Best Business.

Duarte, F. (2006). Exploring the interpersonal transaction of the Brazilian jeitinho in bureaucratic contexts. Organization, 13 (4), 509-527.

Duhigg, C. (2016). Mais rápido e melhor: os segredos da produtividade na via e nos negócios. Rio de Janeiro: Objetiva.

Edmondson, A. C., & Cannon, M. D. (2005). Failing to learn and learning to fail (intelligently): how great organizations put failure to work to improve and innovative. Lang Range Planning Journal, 38 (3), 299-319, 2005.

Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes-FECOMBUSTÍVEIS. (2015). Relatório anual da revenda de combustíveis. Rio de Janeiro: Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes.

Fernandez, A. F., & Rivero, E. J. R. (2011). Um análisis de las limitaciones de la filosofía presupuestaria tradicional. RIGC, 9 (18), 1-25.

Flach, L. (2012). O jeitinho brasileiro: analisando suas características e influenciais nas práticas organizacionais. Revista Gestão e Planejamento, 13 (3), 499-514 .

Frezatti, F. (2015). Orçamento empresarial: planejamento e controle empresarial. (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Garret, K. (2010). Behavorial aspects of budgeting. Student Accountant, 9, 1-6.

Gary, L. (2003). Breaking the budget impasse. Harvard Management Update.

Hansen, S. C., Otley, D. T., & Van Der Stede, W. A. (2003). Practice development in budgeting: an overview and research perspective. Journal of Management Accounting Research, 15, 95-116.

Hoji, M., & Silva, H. A. da. (2010) Planejamento e controle financeiro. São Paulo: Atlas.

Jensen, M. C. (2003). Paying people to lie: the truth about budgeting process. European Financial Management, 14 (2), 375-376 .

Libby, T., & Murray, L. R. (2010). Beyond budgeting or budgeting reconsidered? A survey of north-american budgeting practice. Managament Accounting Research, 21 (1), 56-75.

Lidia, T. G. (2014). Difficulties of the budgeting process and factors leading to the decision to implement this management tool. Procedia Economics and Finance, 15, 466-473.

Likert, R. A. (1932). Technique for the Measurement of Attitudes, Archives of Psychology, 140, 1-55.

Lunkes, R. J. (2007). Contabilidade gerencial: um enfoque na tomada de decisão. Florianópolis:Visual Books.

Lunkes, R. J. (2003). Manual de Orçamento. São Paulo: Atlas.

Maher, M. (2001). Contabilidade de custos: criando valor para a administração. São Paulo: Atlas.

Neely, A., Bourne, M., & Adams, C. (2003). Better budgeting or beyond budgeting. Measuring Business Excellence, 7 (3), 22-28 .

Oliveira, F. (2016). Jeitinho brasileiro é promovido a estratégia no mundo dos negócios. Folha de S. Paulo, 20.08.2016.

Orlando, J. (2009). Turning budgeting pain into budgeting gain. Strategic Finance, 90 (9), 47-51.

Padoveze, C.L. (2015). Planejamento orçamentário. (3a ed.). São Paulo: Cengage.

Passarelli, J., & Bomfim, E. de A. (2003). Orçamento empresarial: como elaborar e analisar. São Paulo: IOB Thomsom.

Plaeging, N. (2009). Liderando com metas flexíveis. Porto Alegre: Bookman.

Player, S. (2009). Managing through change: the power of rolling forecasts. Cognos- Inovation Center. Disponível em: http://dybvig.com/roi/wp-content/uploads/2013/06/ibm_cognos_managing_through_change_rolling_forecasts1.pdf

Radu, M. (2011). The budgetary process – reason for dissatisfaction. Annals of the University of Petrosani, Economics, 11 (4), 255-262.

Roberto, M. A. (2009). Problemas ocultos, soluções a vista: como os grandes líderes identificam e eliminam os problemas antes que eles apareçam. Rio de Janeiro: Elsevier.

Rodrigues, J., & Reis, H. (2015). Gestão orçamental. (2a ed.). Lisboa: Escolar.

Rosa, M. V. de F. P. do C., & Arnoldi, M. A. G. C. (2008). A entrevista na pesquisa qualitativa: mecanismos para validação dos resultados. Belo Horizonte: Autêntica.

Sá, C. A. (2014). Orçamento empresarial: novas técnicas de elaboração e de acompanhamento. São Paulo: Atlas.

Sanvicente, A. Z., & Santos, C. da C. (2000). Orçamento na administração de empresas: planejamento e controle de resultados. São Paulo: Atlas.

Schubert, P. (2005). Orçamento empresarial integrado: metodologia, elaboração, controle e acompanhamento. (3a ed.). Rio de Janeiro: Freitas Bastos.

Silva, A. P. (2015). Nors case study: traditional budgeting process transformation into beyond budgeting model. (Dissertation for Master of Finance). Universidade do Porto, Porto.

Sunday-ekwu, N., & Akpomiemie, A. O. (2016). Corporate budgeting and its impact on organizational success: a consideration for selected manufacturing companies in Delta State, Nigeria. European Journal of Business, Economics and Accountancy, 4 (1), 79-90 .

Tetlock, P. E., & Gardner, D. (2016). Superprevisões: a arte e a ciência de antecipar o futuro. Rio de Janeiro: Objetiva.

Uyar, A. (2009). An evaluation of budgetary approaches: traditional budgeting, better budgeting and beyond budgeting. Journal of Academic Studies, 11 (42), 113-130.

Valente, P. G. (2012). O gerente e seus radars: monitorando os sinais para garantir o future. Rio de Janeiro: LTC.

Van Doorsselaere, J. (2015). Strategic budgeting and planning: how to turn mandatory finance and risk disclosures into strategic tools. Disponível em: https://www.texasbankers.com/docs/WoltersKluwer_Strategic%20Planning_WP_LoRes_Feb2015.pdf.

Vaznoniene, M. (2012). Corporate budgets and their limitations: a case study of meat and pouty producers. Economics and Rural Developments, 8 (2), 37-49.

Vaznoniene, M., & Stonciuviene, N. (2012). The formation of company budgeting system: importance, problems and solutions. Management Theory and Studies for Rural Business and Infrastructure Development, 30 (1), 157-170 .

Walliman, N. (2015). Métodos de pesquisa. São Paulo: Saraiva.

Wienhold, M. (2015). Better budgeting methods – a comparative effect analysis on traditional budgeting problems. (Dissertation for MSc in Management). Católica - Lisbon School of Business & Economics, Lisboa.

Wyatt, N. (2014). Orçamentos e previsões: como executar, gerencial e avaliar com segurança e precisão. São Paulo: M. Books.

Yin, R. K. (2012). Applications of case research. (3a ed.). Thousand Oaks: Sage.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. (4a ed.). Porto Alegre: Bookman.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Management Control Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.