CUSTOS E PRODUÇÃO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: O CASO DE UMA EMPRESA DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

Mara Juliana Ferrari, Altair Borgert

Resumo


Por meio de uma pesquisa exploratória e descritiva, caracterizada como estudo de caso, o presente artigo verifica o grau de correlação entre “custos” e “produção” de equipes prestadoras de serviços em uma empresa do setor de telecomunicações. A coleta de dados se deu por meio de relatórios gerenciais, considerando-se a produção mensal em Unidades de Rede – UR e os custos das equipes de classe L, para um período de 24 meses, com uma abordagem predominantemente quantitativa do problema. Após inferências estatísticas, a variável “custos” e a variável “produção” apresentaram uma distribuição normal, com relativa variação em torno na média, conforme comprovam os coeficientes de variação. Para 154 observações, após a eliminação de extremos, verifica-se correlação de 54%. Contudo, para uma amostra reduzida de 66 observações, com base na formação padrão das equipes, evidencia-se um grau de correlação de 61,12%. Individualmente, a equipe L006 apresenta correlação positiva e forte de 80,61% entre as variáveis “custos” e “produção”. Quanto à formação padrão, identificam-se as equipes L004 com correlação de 98,60% e L005 com 92,76%. Assim, conclui-se que, para os meses em que as equipes se mantiveram constantes, os resultados sugerem uma boa representação numérica para o uso da UR como unidade de medida de produção.


Palavras-chave


Custeio de serviços; Unidade de medida de produção; Telecomunicações

Texto completo:

PDF

Referências


Allora, V.; Oliveira, S. E. (2010). Gestão de custos: metodologia para a melhoria da performance empresarial. Curitiba: Juruá.

Barbetta, A. P.; Reis, M. M.; Bornia, C. A. (2004). Estatística para cursos de engenharia e informática. São Paulo: Atlas.

Borgert, A.; Bagatini, F. M.; Wiggers, A. C.; Bornia, A. C. (2006, novembro). Análise estatística dos valores das atividades de prestação de serviços em obras de telecomunicações. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Belo Horizonte, MG, Brasil, 13.

Borgert, A.; Silva, M. Z. (2005, novembro). Método de custeio híbrido para gestão de custos em uma empresa prestadora de serviços. Anais do Congresso Internacional de Custos, Florianópolis, SC, Brasil, 9.

Bornia, A. C. (2002). Análise gerencial de custos: aplicação em empresas modernas. Porto Alegre: Bookmann.

Bornia, A. C. (1988). Análise dos Princípios do Método das Unidades de Esforço de Produção. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Bruni, A. L. (2011). Estatística aplicada à gestão empresarial. São Paulo: Atlas.

Cooper, R. (1989) You need a new cost system when. Harvard Business Review, 67 (1), 77-82.

Cooper, R.; Kaplan, R. (1988). How Cost Accounting Distorts Product Costs. Management Accounting, 69 (10), 20-27.

Fitzsimmons, J. A.; Fitzsimmons, M. J. (2005). Administração de serviços: operações, estratégia e tecnologia da informação (4 ed.). Porto Alegre: Bookman.

Fonseca, J. S.; Martins, G. A. (1984). Curso de estatística (3. ed.). São Paulo: Atlas.

Freitas, M. M.; Borgert, A.; Flach, L. (2016). Análise do custo médio por um método híbrido do ABC e UEP em uma empresa australiana que opera em modalidade de home office. Revista de Contabilidade da UFBA, 10 (1), 5-19.

Gervais, M. (2006). Les conditions de la fiabilité des coûts dans l’utilisation de la méthode UVA (méthode des unités de valeur ajoutée), Revue Finance Contrôle Stratégie, 9 (2), 225-258.

Gervais, M.; Levant, Y. (2007). Comment garantir l’homogénéité globale dans la méthode UVA? Deux études de cas. Revue Finance Contrôle Stratégie, 10 (3), 43-73.

Gil, A. C. (1994). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Gruttner, V.; Varvakis, G.; Gomez, L.A. (2007, june). Identification of knowledge intensive activities in financial institutions using ABC systems. Proceddings of Manufacturing Accounting Research, Trento, Italy, 8.

Hansen, D. R.; Mowen, M. M. (2001). Gestão de custos: contabilidade e controle. São Paulo: Pioneira.

Hidaka, K. (2006). Trends in services science in Japan and abroad. Quarterly Review, 19, 35- 47.

Horngren, C. (1985). Introdução à contabilidade gerencial (5 ed.). Rio de Janeiro: Prentice- Hall.

Kliemann Neto, F. J. (1995, novembro). Gerenciamento e controle da produção pelo método das Unidades de Esforço de Produção. Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Estratégica de Custos, São Leopoldo, RS, Brasil, 1.

Levant, Y.; De La Villarmois, O. (2004). Georges Perrin and the GP cost calculation method: the story of a failure. Accounting, Business and Financial History, 14 (2), 151-181.

Levant, Y.; Zimnovitch, H. (2013). Contemporary evolutions in costing methods: Understanding these trends through the use of equivalence methods in France. Accounting History, 18 (1), 51-75.

Maher, M. (2001). Contabilidade de custos: criando valor para a administração (2001). São Paulo: Atlas.

Mévellec, P. (2003). Les parametres de conception des systemes de couts etude comparative. In: Technologie et management de l'information: enjeux et impacts dans la comptabilité; Le Contrôle et L'audit. France.

Meyssonnier, F. (2003). L'approche des coûts complets par les équivalents de production, voie d'avenir ou impasse? (Une analyse de la méthode GP-UVA). Comptabilité- Contrôle- Audit, 9 (1), 111-124.

Resende Junior, P. C.; Guimarães, T. A. (2012). Inovação em serviços: o estado da arte e uma proposta de agenda de pesquisa. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 14 (44), p. 293-313.

Richardson, R. J. (2009). Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Richartz, F.; Borgert, A.; Silva, R. (2011). Estruturação de um modelo de custeio híbrido para uma fundação de apoio universitária. Revista Gestão Universitária na América Latina - GUAL, 4 (3), 21-43.

Rudio, F. V.(2002). Introdução ao projeto de pesquisa científica (30 ed.). Petrópolis: Vozes.

Santos, L. S. (2004). Gestão estratégica de custos em empresas de terceirização de serviços de instalação e manutenção de redes de telecomunicações. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Sardinha, J. C.; Souza, Á. C.; Souza, J. C. A. (2001, julho). Contabilidade de custos nas empresas prestadoras de serviços: um estudo de caso. Anais do Congreso Del Instituto Internacional de Costos, Leon, España,7.

Schultz, C. A.; Silva, M. Z.; Borgert, A.; Laffin, M. (2006, julho). Produção científica na área de custos no setor de serviços no período de 2000 a 2004. Anais do Congresso USP Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 6.

Silva, M. Z.; Borgert, A.; Schultz, C. A. (2009). Sistematização de um método de custeio híbrido para o custeamento de procedimentos médicos: uma aplicação conjunta das metodologias ABC e UEP. Revista de Ciências da Administração, 11 (23), 217-244.

Souza, M. A.; Diehl, C. A. (2009). Gestão de custos: uma abordagem integrada entre contabilidade, engenharia e administração. São Paulo: Atlas.

Sveiby, K. E. (1997). The intangible assets monitor. Journal of Human Resource Costing & Accounting, 2 (1), 73-97.

Villarmois, O. De La; Levant, Y. (2007). Le Time-Driven ABC: la simplification de l’évaluation des coûts par le recours aux équivalents – un essai de positionnement. Revue Finance Contrôle Stratégie, 10 (1), 149-182.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos (3. Ed). Porto Alegre: Bookman.

Zeithaml, V. A.; Berry, L. L.; Parasuraman, A. (1991). Understanding customer expectations of service. Sloan Management Review, 32 (3), 39-48.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Management Control Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.