Amostragem de solo sob mata atlântica em regeneração para fins de fertilidade

Autores

  • Patrick Silva Vieira Universidade Federal de Pernambuco, Sede, Av. Prof. Moraes Rego, s/n, Cidade Universitária, CEP: 50.670-901,Recife-PE, Brasil http://orcid.org/0000-0003-2871-186X
  • Renato Lemos dos Santos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Campus Vitória de Santo Antão, Propriedade Terra Preta, s/n, Zona Rural, CEP:55600-000, Vitória de Santo Antão-PE, Brasil. http://orcid.org/0000-0001-7396-1759
  • Eugênia Cristina Gonçalves Pereira Universidade Federal de Pernambuco, Sede, Av. Prof. Moraes Rego, s/n, Cidade Universitária, CEP: 50.670-901,Recife-PE, Brasil http://orcid.org/0000-0002-5821-0938
  • Monalisa Barbosa da Costa Santos Universidade Federal de Pernambuco, Sede, Av. Prof. Moraes Rego, s/n, Cidade Universitária, CEP: 50.670-901,Recife-PE, Brasil http://orcid.org/0000-0001-8544-8522
  • Victor Hugo Farias Guedes Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal, Jaboticabal – SP, Brasil http://orcid.org/0000-0002-9185-7039

Palavras-chave:

Applied statistics, Spatial variability, Nutrient cycling

Resumo

Estudos sobre a fertilidade de solos sob Floresta Atlântica tem sido realizados, por meio de amostragem de solo, sem conhecimento prévio da variabilidade espacial de seus atributos. Neste trabalho, objetivou-se determinar o número de amostras simples necessárias para estimar a fertilidade do solo sob Floresta Atlântica em regeneração, bem como avaliar seus atributos químicos e granulométricos. Para isso, foram coletadas 60 amostras de solo, sob Floresta Atlântica, na cidade de Moreno-PE, no Brasil, divididas em três áreas homogêneas com diferentes declives e em quatro camadas (0-0,5, 0,05-0,10, 0,10-0, 15 e 0,15-0,20 m). O K foi o nutriente com maior variação na área, sendo indicado como variável de referência para estimar o número de amostras simples para compor uma amostra composta. Os teores de nutrientes no solo pertenciam à classe média ou alta, indicando a recuperação da fertilidade do solo pelo ciclo de nutrientes.

Biografia do Autor

Eugênia Cristina Gonçalves Pereira, Universidade Federal de Pernambuco, Sede, Av. Prof. Moraes Rego, s/n, Cidade Universitária, CEP: 50.670-901,Recife-PE, Brasil

Laboratório de Produtos Naturais (Depto. Bioquímica) e Laboratório de Geografia Ambiental (Depto. Geografia)

Monalisa Barbosa da Costa Santos, Universidade Federal de Pernambuco, Sede, Av. Prof. Moraes Rego, s/n, Cidade Universitária, CEP: 50.670-901,Recife-PE, Brasil

Departamento de Tecnologias Energéticas e Nucleares

Victor Hugo Farias Guedes, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal, Jaboticabal – SP, Brasil

Departamento de Solos e Adubos

Referências

ALVAREZ V. H. V.; DIAS, L. E.; RIBEIRO JÚNIOR, E. S.; SOUZA, R. B in: RIBEIRO, A. C.; GUIMARÃ E. S. P. T. G.; ALVAREZ V. H. V,. Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais, 5ª aproximação. Viçosa: Brasil, 1999a. p.67-78.

ALVAREZ V. H. V.; NOVAIS, R. F.; BARROS, N. F.; CANTARUTTI, R. B.; LOPES, A. S. Interpretação dos resultados das análises de solos. En: RIBEIRO, A. C.; GUIMARÃ E. S P. T. G.; ALVAREZ, V. H. V, eds. Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais, 5ª aproximação. Viçosa: Brasil, 1999b. p.25-32.

BARRETO, A. C.; LIMA, F. H. S.; SANTOS, F. M. B. G.; ARAÚJO, Q. R.; FREIRE, F. J. Características químicas e físicas de um solo sob floresta, sistema agroflorestal e pastagem no sul da Bahia. Revista Caatinga, v.19, n.4, p.415-125, 2006.

BARRETO, A. C.; SANTOS F. M. B. G.; NACIF, P. G. S.; ARAÚJO, Q. R.; FREIRE, F. J.; INÁCIO, E. D. S. B. Fracionamento químico e físico do carbono orgânico total em um solo de mata submetido a diferentes usos. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.32, n.4, p.1471-1478, 2008.

CANTARUTTI, R. B.; BARROS, N. F.; MARTINEZ, H. E. P.; NOVAIS, R. F. Avaliação da fertilidade do solo e recomendação de fertilizantes. Fertilidade do solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. p.769-850, 2007.

CAVALCANTI, F. J. A. Recomendações de adubação para o Estado de Pernambuco: 2ª aproximação. 3.ed. Recife: IPA. p.212, 2008.

ESPIG, S. A.; FREIRE, F. J.; MARANGON, L. C.; FERREIRA, R. L.; FREIRE, M. B. D. S.; ESPIG, D. B. Distribuição de nutrientes entre a vegetação florestal e o solo em fragmento de mata Atlântica. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.3, n.2, p.132-137, 2008.

LINDNER, A.; SATTLER, D. Biomass estimations in forests of different disturbance history in the Atlantic Forest of Rio de Janeiro, Brazil. New Forests, v.43, n.3, p.287-301, 2012.

FALLEIRO, R. M.; SOUZA, C. M.; SILVA, C. S. W.; SEDIYAMA, C. S.; SILVA, A. A.; FAGUNDES, J. L. Influência dos sistemas de preparo nas propriedades químicas e físicas do solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.27, n.6, p.1097-1104, 2003.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE DO BRASIL. Avaliação e Identifcação de Áreas e Ações Prioritárias Para a Conservação, Utilização Sustentável e Repartição dos Benefícios da Biodiversidade nos Biomas Brasileiros. Brasília: MMA/SBA, 2002, p.404.

VAN RAIJ, B. Fertilidade do solo e manejo de nutrientes. International Plant Nutrition Institute, 2011, p.420.

VIERA, M.; CALDATO, S. L.; ROSA, S. F. D.; KANIESKI, M. R.; ARALDI, D. B.; SANTOS, S. R. D.; SCHUMACHER, M. V. Nutrientes na serapilheira em um fragmento de floresta estacional decidual, Itaara, RS. Ciência Florestal, v.20, n.4, p.611-619, 2010.

RIBEIRO, M. C.; METZGER, J. P.; MARTENSEN, A. C.; PONZONI, F. J.; HIROTA, M. M. The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological conservation, v.142, n.6, p.1141-1153, 2009.

ROCHA, A. T.; OLIVEIRA, A. C.; RODRIGUES, Á. N.; JÚNIOR, M. A. L.; FREIRE, F. J. Emprego do gesso do Araripe na melhoria do ambiente radicular da cana-de-açúcar. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.3, n.4, p.307-312, 2008.

RUIZ, H. A. Incremento da exatidão da análise granulométrica do solo por meio da coleta da suspensão (silte + argila). Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.29, n.2, p.297-300, 2005.

SALDANHA, E. C. M.; ROCHA, A. T.; OLIVEIRA, E. C. A.; NASCIMENTO, C. W. A.; FREIRE, F. J. Uso do gesso mineral em Latosssolo cultivado com cana de açúcar. Revista Caatinga, v. 20, n. 1, p. 36-42, 2007.

SANTOS, R. L.; AZEVEDO, V. M.; FREIRE, F. J.; ROCHA, A. T.; TAVARES, J. A.; SANTOS F. M. B. G. (Extração e eficiência de uso de nutrientes em capim-elefante na presença de gesso. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.36, n.2, p.497-505, 2012.

SILVA, F. C. Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. 2.ed. Brasília, Embrapa Informação Tecnológica/Rio de Janeiro, Embrapa Solos, Brasil. 2009, p. 627.

TEIXEIRA, I. R.; SOUZA, C. D.; BORÉM, A.; SILVA, G. D. Variação dos valores de pH e dos teores de carbono orgânico, cobre, manganês, zinco e ferro em profundidade em Argissolo Vermelho-Amarelo, sob diferentes sistemas de preparo do solo. Bragantia, v.62, n.1, p.119-126, 2003.

PORTUGAL, A. F.; COSTA, O. D. A. V.; COSTA, L. M. Propriedades físicas e químicas do solo em áreas com sistemas produtivos e mata na região da Zona da Mata mineira. Revista Brasileira de ciência do solo, v.34, n.2, p.575-585, 2010.

CAMPOS, S. A; SOUZA, C. M.; GALVÃO, J. C. C.; NEVES, J. C. L. Atributos químicos e físicos de um Argissolo Vermelho-Amarelo sob plantio direto diferentemente manejado. Agrarian, v.11, n.41, p.230-240, 2018.

LEAL, L.; BIONDI, D.; BATISTA, A. C. Influência das florestas urbanas na variação termo-higrométrica da área intraurbana de Curitiba – PR. Ciência Florestal, Santa Maria, v.24, n.4, p.807-820, 2014.

LIMA, M. S.; FREIRE, F. J.; MARANGON, L. C.; GOMES DE ALMEIDA, B.; PESSOA RIBEIRO, E., SANTOS, R. L. Solos florestais em fragmento de floresta urbana na mata de dois irmãos, Recife, Pernambuco, Brasil. Ciência Florestal, v.28, n.2, 2018.

Downloads

Publicado

2020-04-29

Edição

Seção

ARTIGOS