TOTALITARISMO, DISTOPIA E PODER EM 1984 DE GEORGE ORWEL

Autores

  • Andryelle Silva dos Santos UAST/UFRPE

Palavras-chave:

1984; Distopia; Totalitarismo; Poder; Discurso.

Resumo

Este artigo objetiva discorrer sobre as relações de poder estabelecidas no romance 1984 (1949) de George Orwell. Estas relações de poder não se estabelecem apenas na oposição, dominação, escravidão e sujeição, mas também emergem e podem mobilizar forças para se contrapor, por meio de resistência e subversão. Do ponto de vista teórico, a análise se apoia em Arendt (1948), a fim de entender as características de regimes totalitários, além do gênero distopia e seu funcionamento com base no corpus de Pavloski (2005) e Fromm (2010). Já em Foucault (1979), observamos o conceito de poder e sujeição. Ao final da pesquisa, com base na análise e as discussões teóricas, evidencia-se que as relações de poder estabelecidas se apresentam a partir do discurso, que vai se moldando dentro de sociedades totalitárias. A propaganda e o discurso são os mecanismos que levamos aos indivíduos a se tornarem sujeitos com pouca capacidade de expressão, concluindo que a linguagem segue sendo a principal ferramenta de poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARENDT, Hannah. As origens do totalitarismo. Anti-semitismo, imperialismo, totalitarismo. Cia das Letras, São Paulo, 2012.

CASSINO, João F. Modulação deleuziana, modulação algorítmica e manipulação midiática. In A sociedade de controle: manipulação e modulação nas redes digitais. São Paulo: hedra, 2018.

CHICO SCIENCE & NAÇÃO ZUMBI. Da lama ao caos.. Rio de Janeiro: Sony Music; Chaos, 1994.

FONSECA, Ricardo Marcelo. Modernidade e contrato de trabalho: do sujeito de direito à sujeição jurídica. São Paulo: LTr, 2002.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 27°. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

FROMM, Erich. «Posfácios – Erich Fromm (1961)», in ORWELL, George. 1984. Trad. Alexandre Hubner; Heloisa Jahn, São Paulo: Companhia das Letras, 2010, pp. 365-37.

HILÁRIO, L. C. Teoria Crítica e Literatura: a distopia como ferramenta de análise radical da modernidade. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 18, n. 2, p. 201-215, 2013. DOI: 10.5007/2175-7917.2013v18n2p201. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2013v18n2p201. Acesso em: 29 nov. 2021.

JACOBY, Russell. O fim da utopia. Rio de Janeiro: Record, 2001;

MATOS, A. S. de M. C. Utopias, distopias e o jogo da criação de mundos. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 24, n. 1 e 2, p. 40–59, 2018. DOI: 10.35699/2316-770X.2017.12600.

Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/12600. Acesso em: 7 nov. 2021.

ORWELL, George. 1984. Trad. Antônio Xerxenesky, Rio de Janeiro: Antofágica, 2020.

PAVLOSKI, Evanir. 1984: A distopia do indivíduo sob controle. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014 [e-book].

PARRA F. Alpha 60: A Ditadura da Lógica. Revista Diálogos Interdisciplinares, v. 3, p. 151-161, 2013.

VAN DIJK, Teun A. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2008, p. 113-123.

Downloads

Publicado

2022-02-01

Como Citar

Silva dos Santos, A. (2022). TOTALITARISMO, DISTOPIA E PODER EM 1984 DE GEORGE ORWEL. Entheoria: Cadernos De Letras E Humanas ISSN 2446-6115, 8(2), 115–128. Recuperado de http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/entheoria/article/view/4832