O DISCURSO CONSUMISTA E SUAS IMPLICAÇÕES EM AS COISAS (1965), DE GEORGES PEREC

Autores

  • CRISTIANE CARVALHO UFU

Palavras-chave:

Discurso; Consumismo; Modernidade; Literatura.

Resumo

RESUMO: Este artigo propõe uma breve análise do discurso consumista na narrativa As coisas: uma história dos anos sessenta, escrita por Georges Perec em 1965. Busca-se verificar a formação de tal discurso, nos anos 60, o qual aparece consolidado na obra, bem como suas implicações na constituição das personagens como sujeitos. Para isso, será realizada uma investigação ancorada nas teorias da Análise do Discurso francesa, articulando teóricos como Michel Pêcheux (1969) e Michel Foucault (2019 [1969]), para que seja possível mobilizar os conceitos de discurso, enunciado, sujeito, história, língua, entre outros, para a reflexão exposta na narrativa. Dentro disso, considera-se relevante: i) descrever a constituição do discurso consumista; ii) analisar a obra sob a perspectiva desse mesmo discurso; iii) observar como no interior de uma formação discursiva de valorização do consumo inscreve-se a ilusão de que consumo é felicidade; iv) compreender como os dispositivos históricos possibilitaram a emergência desse discurso em meados do século XX; e v) constatar a importância dos meios de comunicação para a circulação do discurso consumista. Vale ainda ressaltar que este estudo pretende contribuir para a compreensão e conscientização de efeitos do sistema capitalista sobre os sujeitos, uma vez que acredita-se que o consumo interfere e influencia na constituição das subjetividades.    

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUTHIER-REVUZ, J. et al. Heterogeneidade(s) enunciativa(s). Cadernos de estudos linguísticos, 2012.

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Portugal: Edições 70, 2018.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. 11. ed. São Paulo: Loyola, 2004.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2019.

GREGOLIN, M. R. Discurso e mídia: a cultura do espetáculo (org. Maria do Rosário Gregolin)- São Paulo: Claraluz, 2003.

GREGOLIN, M. R. Foucault e Pêcheux na construção da análise do discurso - diálogos e duelos. São Carlos: Claraluz, 2004.

MANCEBO, D. et al.. Consumo e subjetividade: trajetórias teóricas. In: Estudos de Psicologia. Natal, 2002, vol.7, n.2, pp. 325-332. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/epsic/v7n2/a13v07n2.pdf. Acesso em: 05 jan. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-294X2002000200013.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos, ed. 10.ª. Campinas, SP: Pontes, 2012.

PÊCHEUX, M. Análise Automática do Discurso. In: Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1969, p. 61-161.

PEREC, G. As coisas: uma história dos anos sessenta. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

ROCHA, E. Culpa e Prazer: imagens do consumo na cultura de massa. Comunicação, Mídia e Consumo, v.2, n.3, p.123-138, 2005.

SOARES, P. Sociedade de consumo: a busca pela felicidade. Trabalho de conclusão de curso. Faculdade de Psicologia, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - Unijuí, Santa Rosa, 2016.

SPERANZINI, M. de M. A pesquisa (in) finita das coisas-Georges Perec e a arte do desimportante. Tese de Doutorado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2011.

Downloads

Publicado

2022-02-01

Como Citar

CARVALHO, C. (2022). O DISCURSO CONSUMISTA E SUAS IMPLICAÇÕES EM AS COISAS (1965), DE GEORGES PEREC. Entheoria: Cadernos De Letras E Humanas ISSN 2446-6115, 8(2), 47–62. Recuperado de http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/entheoria/article/view/4331