CORPO E VIOLÊNCIA EM ABRIL DESPEDAÇADO

Autores

Palavras-chave:

Discurso, Corpo, Tradição, Materialidade

Resumo

O presente artigo discorre as diferentes materialidades discursivas (som, imagem, escrita, etc.) sobre a significação do corpo e violência em Abril Despedaçado (2002), de Walter Salles. A pesquisa objetiva os estudos sobre linguagens, compreensão e funcionamento em relação a violência materializada por meio de uma tradição que é repassada de geração a geração, relacionando tempo, corpo e espaço, na leitura da linguagem fílmica e das obras cinematográficas, em que, o sujeito e sua identidade estão inseridos. Assim sendo, a análise se deu por meio de leituras na Análise de Discurso (ORLANDI, 2007; FOUCAULT, 1999, 2008), sob uma perspectiva de violência materializada no filme Abril Despedaçado, embasado também em Milanez (2011) e Baecque (2011), tomando o corpo como materialidade discursiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glória Lima dos Santos, UEG

Acadêmica do curso de Licenciatura em Letras - Português/Inglês da Universidade Estadual de Goiás - UEG/Unidade de Iporá.

Fernanda Surubi Fernandes, Universidade Estadual de Goiás

Docente da Universidade Estadual de Goiás UEG. Doutora em Linguística pela Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT.

Referências

ABRIL DESPEDAÇADO. Direção: Walter Salles. Atores: Rodrigo Santoro, José Dumont, Rita Assemany, Ravi Ramos Lacerda, Luiz Carlos Vasconcelos e Flávia Marco Antônio. Roteiro: Karim Ainouz, Sérgio Machado e Walter Salles. Estúdio: Videofilmes. Distribuição: Lumière Picture e Lusomundo Audiovisuais. Ano: 2002.

ABRANTES, Ana Cristina. Discurso, cinema e educação - Metáforas visuais em Abril despedaçado. 1 ed. Curitiba-PR: Appris, 2017.

BAECQUE, Antoine de. O corpo no cinema. In: COURTINE, Jean-Jacques (Org.) História do corpo: as mutações do olhar. O século XX. Trad. e rev. Ephraim Ferreira Alves. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. p. 481-507.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de Dezembro de 1970. 5. ed. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 1999.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão; tradução de Raquel Ramalhete. 35. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

FERREIRA, Maria Cristina Leandro. O corpo como materialidade discursiva.Redisco. Vitória da Conquista, V.2, n.1. p. 77-82, 2013.

MILANEZ, Nilton. Discurso e imagem em movimento: o corpo horrífico do vampiro no trailer- São Carlos: Claraluz. 2011.

MICHAUD, Yves. A violência. Editora Ática, 1989.

ORLANDI, Eni P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. 7. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2007.

GIRARD, René. A violência e o sagrado. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 1990.

Downloads

Publicado

2022-02-01

Como Citar

Lima dos Santos, G., & Fernandes, F. S. (2022). CORPO E VIOLÊNCIA EM ABRIL DESPEDAÇADO. Entheoria: Cadernos De Letras E Humanas ISSN 2446-6115, 8(2), 35–46. Recuperado de http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/entheoria/article/view/4139