Gêneros orais na aula de língua portuguesa

repensando a prática docente na formação inicial de professores em estágio supervisionado

Autores

  • Mirelle da Silva Monteiro Araujo Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Brasil
  • Linduarte Pereira Rodrigues Universidade Estadual da Paraíba, João Pessoa, Brasil

Palavras-chave:

Ensino de língua portuguesa, Gêneros orais, Formação de professores

Resumo

Neste artigo, consta o resultado de uma pesquisa que reflete sobre aspectos teóricos e metodológicos do trabalho com gêneros orais formais durante o estágio supervisionado da formação inicial de professores. Leva-se em consideração que o ensino dos gêneros orais é uma diretriz dos Parâmetros Curriculares Nacionais e da Base Nacional Comum Curricular, como também é uma modalidade que quando estudada permite o conhecimento de uma língua dinâmica e contextualizada. O estudo foi realizado numa universidade pública da região Nordeste do Brasil, tendo como agentes de pesquisa alunos da formação inicial da Licenciatura em Letras com habilitação em Língua Portuguesa, que já haviam cursado o Estágio Supervisionado de intervenção. Os resultados obtidos permitiram observar como o conhecimento teórico adquirido durante a graduação reflete na atuação dos futuros professores, revelando a ausência do ensino dos gêneros orais, nas aulas de língua materna, através de um discurso de desconhecimento, descontentamento e fragilidade frente a um agir docente que sugere equívocos e frustração profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirelle da Silva Monteiro Araujo, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Brasil

Mestre em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba. Participa como membro do grupo depesquisa Teorias do sentido: discursos e significações (TEOSSENO-CNPq-UEPB).

Linduarte Pereira Rodrigues, Universidade Estadual da Paraíba, João Pessoa, Brasil

 Doutor em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba. Professor do Departamento de Letras e Artes e dos Programas de Pós-Graduação em Formação de Professores e Literatura e Interculturalidade da Universidade Estadual da Paraíba. Líder do grupo de pesquisa Teorias do sentido: discursos e significações (TEOSSENO-CNPq-UEPB). E-mail: linduartepr@gmail.com. 

Referências

BRASIL. Secretaria de educação fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental/língua portuguesa/Secretaria de EducaçãoFundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

CRESCITELLI, M. C.; REIS. A. S. O ingresso do texto oral na sala de aula. In: ELIAS. V. M. (Org.) Ensino de Língua Portuguesa. São Paulo: Contexto, 2011. p. 29-39

FÁVERO, L. L.; ANDRADE. L. C. V. O.; AQUINO. Z. G. O. Oralidade e escrita: perspectivas para o ensino de língua materna. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

FÁVERO, L. L.; ANDRADE. L. C. V. O.; AQUINO. Z. G. O. Reflexões sobre oralidade e escrita no ensino de língua portuguesa. In: ELIAS. V. M. (Org.) Ensino de Língua Portuguesa. São Paulo: Contexto, 2011. p. 13-27.

HJLMSLEV, L. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2009.

MARCUSCHI, L. A.; SIGNORINI. I. Investigando a relação oral/escrito. São Paulo: Mercado das letras, 2001.

MARCUSCHI, L. A. Oralidade e ensino de língua: uma questão pouco “falada”. In: DIONISIO. A. P.; BEZERRA, M. A. (Org.) O livro didático de Português: múltiplos olhares. 3.ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005. p. 21-34.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2008.

MARCUSCHI, L. A. DIONISIO A. P. Fala e escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

PIMENTA. S. G.; LIMA. M. S. L. Estágio e docência. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

RODRIGUES, L. P.; DANTAS, M. A. C. de O. Gêneros orais e ensino: entre o dito e prescrito. Linha D’Água (Online), São Paulo, v. 28, n. 2, dez 2015.

RODRIGUES, L. P. O oral e o escrito em práticas e eventos de letramento. In: NORONHA, Claudianny Amorim; SÁ JÚNIOR, Lucrécio Araújo de. Escola, ensino e linguagens Natal: EDUFRN, 2017.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. 2. ed. São Paulo: Mercado de letras, 2004.

SILVA, J. M. Gêneros orais na escola: é proibido fazer silêncio! In: Pereira. R. C. M. (Org.) Ações de linguagem da formação continuada à sala de aula. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2010. p. 117-147.

ZABALA, Antoni. A prática educativa. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Downloads

Publicado

2022-04-29

Como Citar

da Silva Monteiro Araujo, M. ., & Pereira Rodrigues, L. . (2022). Gêneros orais na aula de língua portuguesa: repensando a prática docente na formação inicial de professores em estágio supervisionado. Encontros De Vista, 27(1), 3–18. Recuperado de http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/encontrosdevista/article/view/4925

Edição

Seção

Artigos