Plínio Salgado para presidente do Brasil

a propaganda eleitoral da ação integralista brasileira em Garanhuns (1936-1937)

Autores

  • Márcio André Martins de Moraes Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE

Palavras-chave:

Ação Integralista Brasileira, Campanha presidencial, Garanhuns

Resumo

A confecção deste texto – resultado de uma caminhada de pesquisas, leituras, interpretações, reinterpretações, escritas e reescritas – busca compreender a produção discursiva da Ação Integralista Brasileira (AIB) durante a campanha presidencial e as suas consequências no cotidiano político de Garanhuns, município do agreste pernambucano, e cidades vizinhas entre os anos de 1936 e 1937. Com a aprovação de uma nova Constituição em 10 de novembro de 1937 e com Decreto Federal nº 37, de 02 de dezembro deste mesmo ano, para o qual todos os partidos e agremiações políticas foram considerados ilegais, inclusive o integralismo, teve início uma fase de tendências autoritárias na política brasileira, conhecida como Estado Novo, que se estendeu até 1945. Ao construirmos essa temática, levamos em consideração o lugar onde nossas fontes documentais foram produzidas, determinando, assim, o nosso corpus documental. Dentre as fontes pesquisadas, destacamos o acervo documental da Delegacia de Ordem Política e Social de Pernambuco (DOPS-PE) e os periódicos que circulavam neste município durante este recorte temporal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio André Martins de Moraes, Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE

Graduado em Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal Rural de Pernambuco e membro do grupo de pesquisa Política, Poder e Discursos.

Referências

ALMEIDA, Maria das Graças Andrade Ataíde de. A construção da verdade autoritária. São Paulo: Humanitas / FFLCH / USP, 2001.

CARONE, Edgard. A Terceira República (1937-1945). São Paulo: DIFEL, 1982.

CAVALARI, Rosa Maria Feiteiro. Integralismo. Ideologia e organização de um partido de massa no Brasil (1932-1937). Bauru: Editora do Sagrado Coração, 1999. p.146

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2002.

_______. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 11ª edição. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

LEÃO, Karl Schurster. V. A guerra como metáfora: aspectos da propaganda do Estado Novo em Pernambuco (1942-1945). Dissertação (Mestrado em História) UFRPE/DLCH, 2008.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em Análise do Discurso. Campinas, SP: Pontes: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1997.

OLIVEIRA, Rodrigo Santos de. “Perante o Tribunal da História”: o anticomunismo da Ação Integralista Brasileira (1932-1937). Rio Grande do Sul: 2004. Dissertação (Mestrado em História) PUCRS/FFCH, 2004.

RÉMOND, René. Por uma História Política. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

SALGADO, Plínio. Manifesto de outubro de 1932. São Paulo: Editora Voz do Oeste, 1982.

SILVA, Giselda Brito. A Ação Integralista Brasileira em Pernambuco (1932-1937). Dissertação (Mestrado em História). UFPE/CFCH, 1996.

_______. A Lógica da suspeição contra a força do Sigma: discursos e policia na repressão aos integralistas em Pernambuco. Tese (Doutorado em História) UFPE/CFCH, 2002.

SILVA, Marcília Gama da. O DOPS e o Estado Novo: os bastidores da repressão em Pernambuco (1935-1945). Dissertação (Mestrado em História) UFPE/CFCH, 1996.

Downloads

Publicado

2021-05-06

Edição

Seção

Artigos