A questão da polifonia no discurso Vieriano

uma análise do Sermão da Sexagésima

Autores

  • Cláudia Roberta Tavares Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE

Palavras-chave:

Polifonia, Ideologia, Discurso, Sermão

Resumo

Neste artigo discuto a polifonia apresentada no Sermão da Sexagésima, escrito pelo padre Antônio Vieira, tomando por base a proposta de Bakhtin. Para tanto, os objetivos são: identificar as condições de produção em que o sermão foi elaborado; b) analisar o sermão em relação aos aspectos linguístico, sócio-econômico e político-religioso; e c) analisar os conceitos que se referem ao dialogismo entre textos. Os resultados revelam que o discurso de Vieira é um reflexo de diversas “vozes” presentes no interior do sermão, mostrando assim um aspecto dialético e dinâmico. Nessa acepção, o sermão é um texto polifônico. Ademais, Vieira pretende adequar seu discurso ao contexto sócio-histórico, a fim de convencer seus interlocutores. Ao longo do sermão, há muitos conflitos ideológicos. Vieira utiliza-se da palavra e impõe um sentido de onipotência ao seu discurso, em virtude de essa palavra ser ideológica em sua essência e baseada em significações construídas a partir das relações sociais que ocorrem durante a interação verbal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Roberta Tavares Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE

Doutora em Linguística e docente da Unidade Acadêmica de Serra Talhada da Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Referências

AJZERBERG, B. A violência dos deuses. Folha de S. Paulo, 25 out., 1998.

AZEVEDO, J. L. Introdução. In: _____. Os jesuítas no Grão-Pará: suas missões e colonização. Belém: SECULT, 1999. p. 7-14; 35-82; 309-319.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. Trad. Michel Lahud & Yara Frateschi Vieira. 5. ed. São Paulo: HUCITEC, 1992. p. 9-196.

BARTHES, R. O texto fechado. In: _____ et al. Lingüística e literatura. Trad. Isabel Gonçalves e Margarida Barahona. São Paulo: Martins Fontes, 1980.

BRANDÃO, H N. Introdução à Análise do Discurso. 2. ed. São Paulo: UNICAMP, 1993.

CASTIM, F. Vieira: a retórica do barroco. Revista Symposium, Recife, v. 37, n. 3, p. 5-14, jan./jun., 1998.

CHAUÍ, M. O que é ideologia. 36. ed. São Paulo: Brasiliense, 1993. p. 7-125. CUSATI, M. L. (Org.). II Portogallo e I Mari: Un Incontro tra culture. Napoli: Liguori Editore, 1994. p. 622-635.

HADDAD, A. Os sermões. São Paulo: Melhoramentos, 1963. p. 9-70; 333 - 355.

MAINGUENEAU, D. O discurso citado. In: _____. Elementos de lingüística para o texto literário. São Paulo: Martins Fontes, 1996. p. 103-131.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. São Paulo: Editora da UNICAMP, 1997.

PERRONE MOISÉS, L. Crítica e escritura. In: _____. Texto, crítica e escritura. São Paulo: Ática, 1978. p. 35-57.

SALOMÃO, S. Sermão da sexagésima. Brasília: Senado Federal, 1997. p. 7-52.

SANT’ANNA, A. R. Paródia, paráfrase e CIA. 3. ed. São Paulo: Ática, 1988. p. 5-96.

SOUZA, P. Uma saga de fé. Revista Eclésia, São Paulo, n. 53, abr. 2000. p. 18-48.

VIEIRA, A. Sermão da sexagésima. In: _____. Sermões. v. 1. pref. e rev. Padre Gonçalo Alves. Porto: Lello e Irmão, 1951. p. 1-36.

WEFFORT, F. Igreja evangélica, ilustre desconhecida. Revista Eclésia, São Paulo, n. 53, abr. 2000. p. 12-16.

Downloads

Publicado

2021-05-06

Edição

Seção

Artigos