A Linguagem dos caranguejos

Autores

  • Tânia Lima Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN

Palavras-chave:

Linguagem, Lama, Mangue, Modernismo, Chico Science

Resumo

Atravessar a linguagem dos mangues não é uma coisa tão simples. O vocábulo lama nem é terra, nem é água. A palavra está no “entre-lugar” de um idioma salobro. O estuário nem é sal, nem é doce. Mistura de rio e mar. A semântica do mangue nasce híbrida. Território de índios. Quilombos de negros. O mar do mangue exigiu ao longo do percurso da vida humana vários discursos, infinitos lugares. A descoberta do mangue não é contemporânea, a fase modernista já havia descoberto os manguezais no campo e no tempo da palavra dos anos 30. Observaremos neste recorte como os escritores da segunda fase modernista perceberam o mangue e como Chico Science ampliou diálogos com a memória africana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN

Escritora e Professora Adjunta do Departamento de Letras da UFRN.

Referências

ARAÚJO, Helder Farias de. Mais de 100 tipos de aves habitam áreas de mangues. Recife: Jornal do Commercio, pág. 5-6. Caderno Ciência Meio / Ambiente, 27 de janeiro de 2007.

BARROSO, Gustavo. Praias e várzeas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar – aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

BOPP, Raul. Vida e morte da antropofagia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

______. Poesia completa. São Paulo: Edusp, 1998.

CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação. São Paulo: Cultrix, 1982.

______. Pertencendo ao universo. São Paulo: Cultrix, 1991.

______. A teia da vida. São Paulo: Cultrix, 2001.

CARDOZO, Joaquim. Poesia completa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.

CASTRO, Josué de. Documentário do Nordeste. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1968.

______. Geografia da fome. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001a.

______. Homens e caranguejos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001b.

CHICO SCIENCE & NAÇÃO ZUMBI. Da lama ao caos. Rio de Janeiro: Chaos, 1994. Compact Disc. Digital Áudio, 1 CD. Resmaterizado em Digital.

______. Afrociberdelia. Rio de Janeiro: Chaos, 1996. Compact Disc. Digital Áudio, 1 CD. Resmaterizado em Digital.

GARRARD, Greg. Ecocrítica. Trad. Vera Ribeiro. Brasília. Editora UNB, 2006.

GIL, Gilberto. Quanta. Rio de Janeiro: WEA, 1997. Compact Disc. Digital Áudio. CD duplo. Resmaterizado em Digital.

LIMA, Tânia. Brenhas – um poema dos mangues. Fortaleza: Mangue & Letras, 2003.

MARANHÃO, Salgado. Sol sangüíneo. Rio de Janeiro: Imago, 2002.

MELO NETO, João Cabral de. Obra completa: volume único. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

MORIN, Edgar. A cabeça bem feita. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004a.

______ Religação de saberes. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2004b.

______. Terra-pátria. Porto Alegre: Sulina, 2005.

SANTIAGO, Silviano. Nas malhas da letra. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

SCHAEFFER-NOVELLI, Yara et al. Manguezal – ecossistema entre a terra e o mar. Yara Schaeffer-Novelli (org.) São Paulo: Caribbean Ecological Research, 1995.

SCHAEFFER-NOVELLI, Yara; COELHO JÚNIOR, Clemente; TOGNELLA-DEROSA, Mônica. Manguezais. São Paulo: Ática, 2004, p. 24.

Downloads

Publicado

2021-05-06

Edição

Seção

Artigos