UM AUTISTA EM CENA

ALICE NO SERTÃO DAS MARAVILHAS E OUTRAS HISTÓRIAS

Autores

  • ANDERSON GOMES DOS SANTOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

Palavras-chave:

Arte. Teatro. Autismo. Ensino Médio.

Resumo

O Ensino de Arte na Educação Básica deve compor para o aluno uma prática em quatro linguagens artísticas: dança, artes visuais, música e teatro. Deve ser preservado todo tipo de vivência artística dos estudantes em seus espaços comunitários e familiares. Na prática do Ensino de Arte a perspectiva precisa ter um contexto sensível e crítico vivenciando espaços para criações e produções espontâneas promovendo a criatividade dos estudantes. A prática aconteceu na Escola Estadual Graciliano Ramos, em Palmeira dos Índios-AL. A pergunta a ser respondida ao final do trabalho foi a seguinte: as práticas teatrais podem contribuir no desenvolvimento das habilidades em flexibilidade, imaginação, interação social e comunicação diante das dificuldades apresentadas por pessoas com Transtornos de Espectro Autista? O objetivo da pesquisa foi consolidar as contribuições da prática teatral em um estudo de caso, a pesquisa é de caráter qualitativo, no desenvolvimento de aprendizagens artísticas para um estudante com autismo no ensino médio integral. Foram duas experiências teatrais, através das peças teatrais, Alice no Sertão das maravilhas e Menina lê o mundo, olha o céu e risca o chão. A prática contribuiu de forma essencial principalmente no ensino e aprendizagem dos estudantes do ensino médio envolvidos. A proposta propôs um repertório cultural teatral e científico, de forma qualitativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOCHNIAK, Regina. Questionar o conhecimento: interdisciplinaridade na escola. 2 Edição. Editora Loyola. Soa Paulo, 1998

BOAL, Augusto. Teatro do Oprimido. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

BOAL, Augusto. Jogos para atores e não-atores. 11a Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

BOAL, Augusto. Teatro do oprimido e outras poéticas políticas. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

BRASIL Congresso Nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, 23 de dezembro de 1996.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Decreto n. 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre o atendimento educacional especializado, regulamenta o parágrafo único do art. 60 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e acrescenta dispositivo ao Decreto no 6.253, de 13 de novembro de 2007. Brasília, 2008.

CAMPBELL, Joseph. O Herói de Mil Faces. 11ª. Ed. São Paulo: Pensamento, 1995.

CARROLL, L. Alice no País das Maravilhas. São Paulo: Editora Martin Claret, 2006.

CARMINATTI, Luciane.GOULARTI, Juliano Giassi. Centenário de Paulo Freire: o mestre de todos nós educadores, Santa Catarina, 2021.

CORSO, M.; CORSO L. D. A Psicanálise na Terra do Nunca : Ensaios sobre a Fantasia.

Porto Alegre: Penso, 2011.

EAGLETON, Terry. Ideia de cultura. São Paulo: Edunesp, 2005.

FONSECA, Vitor da. Educação especial: Programas de Estimulação Precoce – Uma Introdução às Idéias de Fuertein. 2 ed. rev.aum. Porto Alegre: artes Médicas, 1995.

LINS, O. O mundo recusado, o mundo aceito e o mundo enfrentado. (Posfácio). In. RAMOS, G. Alexandre e outros heróis. Ilustrações Moraes. Rio, São Paulo: Record, 1982.

MONZON, Ana Carolina. Dramaturgia em processo. Revista Aspas, v. 5, n. 2, p. 29- 40, 31 dez 2015.

OMAR,Amanda Caline da Silva. TEATRO E DEFICIÊNCIA: em busca de uma metodologia inclusiva. XIII congresso internacional de tecnologia na educação. Recife, 2015.

PARANÁ, Secretária de Estado da Educação do. Diretrizes Curriculares da Educação Básica ARTE. Curitiba: SEED, 2008.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão, construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SEFFNER, Fernando. A Universidade e a Formação Continuada. In: MARCHI, Diana Maria;

SCHÄFFER, Neiva Otero (orgs.). Educação de Jovens e Adultos- Propostas para Ações. Porto Alegre: Evangraf, 2000.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. 6 ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

SPOLIN, Viola. Jogos Teatrais na sala de aula: um manual para professor. São Paulo: Perspectiva, 2008.

VASCONCELOS, Francisco Fábio Pinheiro. O reino dos homens-narrativas nos contos de Alexandre e outros heróis de Graciliano Ramos. Revista Digital do Programa de Pós- raduação em Estudos Literários da Universidade Estadual de Feira de Santana. Feira de Santana, v. 12, n. 1, 2020.

VIEIRA, C. T. M. O atendimento nas salas de recursos multifuncionais aos alunos com deficiência intelectual na rede municipal de Macapá. 2012. 76 p. Dissertação (mestrado em Desenvolvimento Regional) – Fundação Universidade Federal do Amapá. Macapá, 2012.

Downloads

Publicado

2022-06-18

Como Citar

DOS SANTOS, A. G. (2022). UM AUTISTA EM CENA : ALICE NO SERTÃO DAS MARAVILHAS E OUTRAS HISTÓRIAS. Educação E (Trans)formação, 7(1), 27–39. Recuperado de http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/educacaoetransformacao/article/view/4912

Edição

Seção

Artigos