FORMAÇÃO DOCENTE E SUAS IMPLICAÇÕES NOS BACHARELADOS EM GASTRONOMIA DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR

Gabriela Brito de Lima Silva, Thuanne Souza Dourado, Túlio Martins de Oliveira

Resumo


Este artigo teve como objetivo realizar um levantamento sobre a formação acadêmica dos docentes dos bacharelados em Gastronomia das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) e refletir sobre suas implicações no desenvolvimento dos cursos. Desta maneira, investigou-se o número de docentes e seus respectivos currículos vitae, na Plataforma Lattes, com o intuito de obter informações acerca dos níveis e áreas de formação acadêmica. Os dados foram dispostos e apresentados em forma de gráficos descritivos. Percebemos que a maioria dos docentes são doutores e mestres, havendo um grande número ainda em processo de formação a nível stricto sensu. É grande o número de graduados em Gastronomia que se tornaram professores nesses cursos, contudo, observou-se que o corpo docente ainda é constituído em sua maioria por formados nas áreas da saúde, ciências sociais aplicadas e ciências agrárias, em especial no campo da Nutrição, Turismo, Administração e Tecnologia de Alimentos. Apesar do domínio das ciências da saúde, no doutoramento observou-se o direcionamento para uma formação em humanidades, presumindo a compreensão docente da alimentação como fenômeno sociocultural, para além de seus aspectos técnicos, mercadológicos e biológicos. Conclui-se que a pulverização da formação docente tem uma de suas origens no fato na recente expansão dos cursos de Gastronomia e da inexistência uma área científica e acadêmica estabelecida.


Palavras-chave


Gastronomia; Bacharelado; Formação Docente; Educação

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, Beatriz. Saber Gastronômico: itinerários curriculares na Universidade Federal do Ceará. Editora UFC. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Reestruturação e Expansão das Universidades Públicas Federais – REUNI. Diretrizes Gerais. Documento Elaborado pelo Grupo Assessor nomeado pela Portaria no 552 SESu/MEC, de 25 de junho de 2007, em complemento ao art. 1o §2o do Decreto Presidencial no 6.096, de 24 de abril de 2007. Brasília, 2007.

CABRAL, Silvia Regina; DOS ANJOS, Francisco Antônio; HOSTINS, Regina Celia Linhares. O CENÁRIO DA FORMAÇÃO SUPERIOR EM GASTRONOMIA NO BRASIL. Revista Hospitalidade, v. 14, n. 1, p. 01-21, 2017.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. Editora Atlas AS, 6 ed. 2008.

MACIEL, Maria Eunice. Cultura e alimentação ou o que têm a ver os macaquinhos de Koshima com Brillat-Savarin?. Horizontes antropológicos, v. 7, n. 16, p. 145-156, 2001.

MAGALHÃES, Amanda Oliveira. A formação docente de cursos de Gastronomia: reflexões transdisciplinares. II Simpósio de Educação Ambiental e Transdiciplinaridade, p. 1-9, 2011.

MAZZILLI, Sueli. Docência no ensino superior: a formação do professor universitário para o ensino, a pesquisa e a extensão. Cadernos de Direito. Piracicaba, n. 6, p. 232-237, 2004.

PACHANE, Graziela Giusti; DE AGUIAR PEREIRA, Elisabete Monteiro. A importância da formação didático-pedagógica e a construção de um novo perfil para docentes universitários. Revista Iberoamericana de Educación, v. 35, n. 1, p. 1-13, 2004.

ROCHA, Keli Araújo. A evolução dos cursos de gastronomia no Brasil. Contextos da Alimentação. n. 4, p. 11-27, 2016.

RODRIGUES, Heloísa; NERI, Marcelo; JHUN, Susana. Tecnologia em Gastronomia em São Paulo: docentes práticos em atuação na Universidade Anhembi Morumbi. VI Seminário Anptur, 2009.

RUBIM, Rebeca Elster; REJOWSKI, Mirian. O ensino superior da gastronomia no brasil: análise da regulamentação, da distribuição e do perfil geral de formação (2010-2012). Turismo, Visão e Ação, v. 15, n. 2, p. 166-184, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Gabriela Brito de Lima Silva, Thuanne Souza Dourado, Túlio Martins de Oliveira

Licença Creative Commons