DIFICULDADES NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E ESTRATÉGIAS PARA VENCÊ-LAS: RELATOS DE EXPERIÊNCIA

Érica Raiane de Santana Galvão

Resumo


Este artigo objetiva apresentar experiências vivenciadas em uma turma de 3º ano do Ensino Fundamental. Discorre-se sobre as dificuldades, desafios e os avanços obtidos. O contato com a turma foi viabilizado através de um estágio proporcionado pela Prefeitura de Garanhuns-PE. Acredita-se que o contato e vivência na sala de aula proporcionam diversos olhares e perspectivas sobre o ensinar, sobre a mediação e construção do saber. O aprendizado na graduação associado ao estágio, muito contribui para o crescimento na área do ensino e possibilita novas significações a atuação docente, além de reflexões sobre o fazer pedagógico. As contribuições referentes aos avanços no processo de aquisição do Sistema de Escrita Alfabética de um grupo de alunos da escola são elencadas no decorrer do artigo. Consideram-se as dificuldades encontradas no processo de alfabetização e o papel fundamental do educador no processo de aquisição do Sistema de Escrita Alfabética de seus alunos. A coleta de dados foi feita através da observação participante, conversas com estudantes e professora regente. Os dados permitem concluir que o uso de diferentes estratégias para a alfabetização trazem resultados benéficos e o uso do lúdico desperta a motivação dos estudantes.


Palavras-chave


Ensino-aprendizagem; ludicidade; desafios

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Mairce Teresa. Alfabetização tem conteúdos? Em GARCIA, Regina Leite (org.) A formação da professora-alfabetizadora: reflexões sobre a prática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1998.

BERNARDIN, Jacques. As crianças e a cultura escrita. Trad. Patrícia C. R. Reuillard. Porto Alegre: ArtMed, 2003.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017. Disponível em acesso em 03 de julho de 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Básica: Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996. São Paulo: Ed. Esplanada. BRASIL. Ministério da Educação MEC/SEESP; 2001.

BROTTO, I. J. O. Alfabetização: um tema, muitos sentidos. 2008. 238 f. (Tese de Doutorado em Educação) - Programa de Pós Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Paraná.

COSTA, J. Palavras para ler, entender e sentir Paulo Freire. Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 29, n. 2, 2013.

COSSON, Rildo. Letramento Literário. São Paulo: Contexto, 2006.

CRAIDY, Carmem Maria; KAERCHER, Gládis Elise P. da Silva. Educação infantil: pra que te quero? organizado por Carmem Maria Craidy e Gládis Elise P. da Silva Kaercher. Porto Alegre: Artmed, 2001.

FERREIRO, Emilia & TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre, Artes Médicas, 1984.

FRADE, I. C. A. da S. Métodos de alfabetização, métodos de ensino e conteúdos da alfabetização: perspectivas históricas e desafios atuais. Educação. Santa Maria. Vol. 32. n.1. 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 46 ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 2005.

_______. Educação como Prática de Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

GADOTTI, M. Prólogo: el proyecto utópico de Freire. In. LENS, J. L. Paulo Freire: su práxis pedagógica como sistema. Buenos Aires, Argentina: Yagüe Ediciones, 2001.

GALVÃO, Andréa; LEAL, Telma. Há lugar ainda para métodos de alfabetização? Conversa com professores(as). In: MORAIS, Artur Gomes de. et al. (Orgs.). Alfabetização apropriação do sistema de escrita alfabética. Belo Horizonte: Autêntica, 2003, p. 13.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. – São Paulo: Atlas, 2008.

KLEIMAN, Angela (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, S.P.: Mercado de Letras, Coleção Letramento, Educação e Sociedade, 1995.

KRAMER, Sônia. Privação do cultural e educação compensatória: uma análise crítica. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 41, p. 54-62, ago. 1982.

LIMA, Francisco Assis de Sousa. Conto popular e comunidade narrativa. 2 ed. São Paulo: Massangana, 2005.

LOPES. V. G. Linguagem do Corpo e Movimento. Curitiba, PR: FAEL, 2006.

MORAIS, Artur Gomes de. Consciência fonológica e alfabetização: superando preconceitos teóricos e mantendo a coerência, ajudamos nossos alfabetizandos. In: ____. Sistema de escrita alfabética. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2012. cap. 3, p. 82-109.

NETO, Antonio Gil. A produção de textos na escola: uma trajetória da palavra. São Paulo: Edições Loyola, 1988.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. Roxane Rojo e Glais S. Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

______. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Universidade Federal de Minas Gerais, Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita, 2003.

______. Alfabetização e letramento. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

______. Alfabetização e letramento: caminhos e descaminhos. São Paulo: Artmed, 2004.

TAPIA, Alonso Jesús; FITA, Enrique Caturla. A motivação em sala de aula: o que é, como se faz. 7 ed. São Paulo: edições Loyola, 2006.

TEBEROSKY, Ana; COLOMBER, Teresa. Aprender a ler e a escrever. Trad. Ana Maria Neto Machado. Porto Alegre: Artmed, 2003.

VIGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente: O desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 5 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Érica Raiane de Santana Galvão

Licença Creative Commons