SOBRE PROCESSOS E ELEMENTOS PRESENTES NAS RECONFIGURAÇÕES IDENTITÁRIAS DE PROFESSORES HOMENS NOS ANOS INICIAIS

Maria da Conceicao Silva Lima

Resumo


O presente artigo traz um estudo horizontal acerca da construção identitária profissional de professores homens atuantes nos Anos Iniciais. Como pressuposto, o desafio de retomar uma pesquisa realizada em 2009 com dois professores acerca da opção pela sala de aula, oito anos após sua formação inicial. Ao revisitá-los, observamos que a dinâmica identitária profissional foi sendo processada na experiência com o campo de trabalho, o que atribuiu novos contornos as suas falas, reconfiguradando-as. Os dados foram analisador a partir da perspectiva da Análise Temática de Bardin (1999). Evidenciamos, que as representações docentes cujo  universo ainda envolve uma série de esteriótipos ligados à maternagem e a forte presença feminina impactam diretamente na reconfiguração da identidade profissional  desses sujeitos, ocasionando uma fuga e abandono da identificação inicial com o magistério.

 

 


Palavras-chave


Identidade profissional. Magistério. Homens

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Jânio Jorge Vieira. O Masculino Nos Caminhos da Docência Primária em Teresina (Pi) – (1970-2000). 2002. Disponível em www.ufpi.br/mesteduc/eventos/enconctros/ GT-02-06.htm acesso em 10/03/2018.

ARCE, A. Jardineira, Tia e Professorinha: a realidade dos mitos. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, 1997. 128 p.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1979.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

CANCLINI, Nestor García. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2008.

CARDOSO, Frederico Assis. Homens fora de lugar? A identidade de professores homens na docência com crianças. In: ANPEd: 30 anos de pesquisa e compromisso social. Caxambu. Anais. Rio de Janeiro, 2007.

DUBAR, Claude A crise das identidades: a interpretação de uma mutação Lisboa: Porto Editora, 1991.

_____. A socialização: Construção das identidades sociais e profissionais. Lisboa: Porto Editora, 2005.

___ ____. A construção de si pela atividade do trabalho: a socialização profissional In Cadernos de Pesquisa vol 42, n.146, p 351-357, 2012.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo In Educação e Realidade. Jul-dez. 1997 disponível em http://www.seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71361/40514 acesso 01/04/2018.

HALL, Stuart. A identidade cultural na Pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação.São Paulo: Cortez, 2004

LOPES, Amélia. Da formação à profissão – choque da realidade ou realidade chocante? In: ALONSO, M. L.; ROLDÃO, M. C. Ser professor do 1º ciclo – construindo a profissão. Coimbra, 2006. p. 85-92.

LOURO, Guacira L. Gênero, sexualidade e educação - uma perspectiva pós-estruturalista. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

RABELO, Amanda.Professores discriminados: um estudo sobre os docentes do sexo masculino nas séries do ensino fundamental Educação e. Pesquisa., São Paulo, v. 39, n. 4, p. 907-925 out./dez. 2013

SAYÃO, Debora T. Relações de gênero e trabalho docente na educação infantil: um estudo de professores em creche. 2005. Tese (Doutorado em Educação) - UFSC, Florianópolis, 2005..

SILVA, Thomas T. da (org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

TARDIF, Maurice. Saberesdocentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença:uma introdução teórica e conceitual In: SILVA, Thomas T. (org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Maria da Conceicao Silva Lima

Licença Creative Commons