CONHECIMENTOS PRÉVIOS DOS ESTUDANTES DO 8º ANO SOBRE O CONCEITO DE FRUTO: PONTO REFERENCIAL PARA O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

Josabete Salgueiro Bezerra de carvalho, Luís Fernando M. da Silva, Conceição Aparecida Soares Mendonça

Resumo


Para um apropriado planejamento didático encontra-se a indispensabilidade de considerar os conhecimentos acumulados pelo estudante em vivencias anteriores. O presente artigo aborda o levantamento dos conhecimentos prévios em uma turma do oitavo ano do ensino fundamental. Para a avaliação dos conhecimentos prévios dos alunos sobre o tema frutos foi feita a aplicação de um pré-teste com 10 questões sobre o tema. Os dados demostraram que os estudantes apresentam conhecimentos gerais sobre as flores e frutos. Percebe-se que os estudantes utilizaram conhecimentos construídos no cotidiano, nas interações sociais, havendo necessidade da adequação da linguagem cotidiana com a realidade científica. Vamos inserir no processo de ensino-aprendizagem mais de uma estratégia didática, haja vista que cada aluno possui um estilo próprio de aprendizagem.

 


Palavras-chave


Aprendizagem significativa. Ensino de botânica. Ensino fundamental. Estratégia didática.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, D. S.; MONTAGNINI, D. L.; CORREA, R. J. et al. Diversidade biológica e evolução: uma nova concepção para o ensino de Zoologia e Botânica no 2º grau. IN: CARVALHO, C. P. de. A construção do conhecimento do professor: uma experiência de parceria entre professores do ensino fundamental e médio da rede pública e a universidade. Ribeirão Preto: Holos, 2001.

ARRAIS, M. G. M.; SOUSA, G. M.; MASRUA, M. L. A. O ensino de botânica: investigando dificuldades na prática docente. REVISTA DA SBEnBIO, n.7, p. 5409-5418, OUTUBRO, 2014.

AUSUBEL, D. P. (2002). Adquisición y retención del conocimiento: una perspectiva cognitiva (G. S. Barberán, Trad.). Barcelona: Paidós. (Obra original publicada em 2000).

AUSUBEL, D. P., NOVAK, J.D., & HANESIAN, H. (1980). Psicologia educacional (2 ed., E. Nick, H. B. C. Rodrigues, L. Peotta, M.A. Fontes, & M. G. R. Maron, Trad.). Rio de Janeiro: Interamericana. (Obra original publicada em 1978).

GARCIA, M. F. F. REPENSANDO A BOTÂNICA. IN: COLETÂNEA DO 7º ENCONTRO PERSPECTIVAS DO ENSINO DE BIOLOGIA, SÃO PAULO, 2000.

MACHADO, J. C. E. Os Conhecimentos prévios dos alunos no ensino de geografia: apontamentos para a organização das aulas. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, v. 5, n. 10, p. 114-125, jul./dez., 2015.

MELO, E. A. et al. A aprendizagem de botânica no ensino fundamental: dificuldades e desafios. Scientia Plena, v. 8, n. 10. out. 2012.

MOREIRA, M. A. (2006). A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

MENDONÇA, C. A. S. O uso do mapa conceitual progressivo como recurso facilitador da aprendizagem significativa em Ciências Naturais e Biologia. Burgos, 2012. 384f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências). Universidade de Burgos, Espanha, 2012.

OLIVEIRA, T; et al. Compreendendo a aprendizagem da linguagem científica na formação de professores de ciências. Educar, Curitiba, n. 34, p. 19-33, 2009.

TEXEIRA, F. M. & SOBRAL, A. C. M. B. Como novos conhecimentos podem ser construídos a partir dos conhecimentos prévios: um estudo de caso. Ciência & Educação, v. 16, n. 3, p. 667-677, 2010.

VINHOLI JÚNIOR, Airton José Contribuições da teoria da aprendizagem significativa para a aprendizagem de conceitos em Botânica. Acta Scientiarum. Educationm, Maringá, v. 33, n. 2, p. 281-288, 2011.

.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Josabete Salgueiro Bezerra de carvalho, Luís Fernando M. da Silva, Conceição Aparecida Soares Mendonça

Licença Creative Commons