A MÉDICA TRÓTULA DE RUGGIERO (1050-1097): A PRIMEIRA COM SEU LEGADO ATINGIDO PELA MISOGINIA NA HISTÓRIA DA MEDICINA

Autores

  • Argus Vasconcelos de Almeida Universidade Federal Rural de Pernambuco

Palavras-chave:

Trótula de Ruggiero, Escola Médica de Salerno, saúde feminina, misoginia

Resumo

Resumo: É objetivo do presente trabalho, expor e analisar a contribuição de Trótula para a saúde feminina, sua formação teórica e suas práticas terapêuticas no contexto da Escola Médica de Salerno. Através de uma revisão da literatura, podemos concluir que apesar das sua relevante contribuição ao conhecimento da saúde feminina, especialmente aos relacionados à ginecologia, obstetrícia, sexualidade e estética, o seu legado foi atingido pela misoginia que tentou apagá-la da história da medicina, sendo depois finalmente reconhecida pela história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Argus Vasconcelos de Almeida, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Professor Titular do Departamento de Biologia da UFRPE, Área de Ensino das Ciências Biológicas

Referências

ALMEIDA, Argus Vasconcelos de. A menstruação e a misoginia ocidental. In: Historiae

Rerum Naturalium: ensaios histórico-culturais sobre as ciências biológicas. V.II, Recife:

EDUFRPE, 2016, pp.264-274.

ARISTOTLE. Generation of Animals. Trad. A. L. Peck. Cambridge, Mass.: Harvard University

Press, 1963.

BETETA MARTÍN, Yolanda. Mujeres. Representaciones de la sexualidade feminina y

educación de las mujeres. Arenal: 16(2): pp.213-232, 2009.

DELUMEAU, Jean. História do medo no Ocidente, 1300-1800: uma cidade sitiada. São

Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FONSECA, Pedro Carlos Louzada. Duas noc?o?es fundadoras da construc?a?o da inferioridade

feminina: o fisiologismo deAristo?teles e o etimologismo de Santo Isidoro de Sevilha. Fazendo

Ge?nero 9, Dia?sporas, Diversidades, Deslocamentos 23 a 26 de agosto de 2010.

CANET VALLÉS, José Luís. La mujer venenosa en la época medieval. Valencia: LEMIR:

Revista de Literatura Española Medieval y del Renacimiento, n. 1, 1996.

GALEN. On the Usefulness of the Parts of the Body. Trad. Margaret Tallmadge May. Ithaca,

NY: Cornell University Press, 1968.

GREEN, Monica H. The ‘Trotula’: A Medieval Compendium of Women’s Medicine.

Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2001.

ISIDORE OF SEVILLE. St. Isidore Hispalensis Episcopi, Etymologiarum sive Originum livri

xx. Ed. W. M. Lindsay. Madrid: PAC, v. II, 1962, XI. ii. pp. 17-19, 23-24.

KRAMER, Heinrich; SPRENGER, Jacob. O martelo das feiticeiras: Malleus maleficarum

, Rosa dos Tempos, 2011.

MAGNUS, Albertus. De secretis mulierum. Amstelodami: apud Iodocum Ianssonium,

MASIERO, Luciana Maria. Escola Medica Salernitana, procedimentos cirúrgicos estéticos

e Trotula de Ruggiero: um trabalho de campo em Salerno (itália). TRIM, 11: pp. 27-44,

OLIVEIRA E PINHO, Lúcia Regina; BROCHADO, Cláudia Costa. A cultura médica disponível

na Escola Médica Salernitana e sua presença nos tratados de Tro?tula. Seminário de Estudos

Medievais na Paraíba (5.: 2019: Joao Pessoa, PB). Anais do V Seminário de Estudos da

Paraíba, 27 a 29 de novembro de 2019. Idade Me?dia: perspectivas multidimensionais.

João Pessoa: Editora do CCTA/UFPB, pp. 77-87, 2020.

PINTO-CORREIA, Clara. O ovário de Eva: a origem da vida. Rio de Janeiro: Campus,

SIMONI, Karine. De dama da Escola de Salerno a? figura legendária: Trotula De Ruggiero

entre a notoriedade e o esquecimento. Fazendo Gênero: Diásporas, Diversidades,

Deslocamentos, 2010.

SMAILI, Soraya. Os a?rabes e suas contribuic?o?es para a cie?ncia e medicina. Instituto da

Cultura A?rabe, 23.10.2009.

TERRIZZANO, Agustina. Mujeres Me?dicas: Tro?tula de Salerno: el mito que fue realidade.

ALMA Cultura y Medicina – v.4, n. 3, 2018

Downloads

Publicado

2022-02-07

Como Citar

Almeida, A. V. de. (2022). A MÉDICA TRÓTULA DE RUGGIERO (1050-1097): A PRIMEIRA COM SEU LEGADO ATINGIDO PELA MISOGINIA NA HISTÓRIA DA MEDICINA. Revista Cadernos De Ciências Sociais Da UFRPE, 1(18), 15–30. Recuperado de http://ead.codai.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/4177