As Antropologias” no curso de Ciências Sociais - DECISO/ UFRPE – Fragmentos de uma memória

Autores

  • Maria Auxiliadora Gonçalves da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Maria Grazia Cribari Cardoso UFRPE

Palavras-chave:

Antropologia, Memória, Campo de Atuação

Resumo

Dentro das comemorações dos trinta anos do Curso de Bacharelado em Ciências Sociais, buscou-se resgatar a memória da área de Antropologia, em cada período por ela vivida na Universidade. Para tanto foram usados documentos, informações – orais e escritas dos docentes - e um levantamento bibliográfico. O estudo revelou a luta e a resistência da área, superadas pela atuação dos docentes em busca do reconhecimento e afirmação na Instituição.    

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Auxiliadora Gonçalves da Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco

o aporte dado ao Curso de Ciências Sociais é decorrente das especialidades desenvolvidas no mestrado e doutorado voltados para Movimentos Sociais Negros, Memória e Identidade, Patrimônio e Cultura, Populações Afrobrasileiras e Cultura e Identidade. Ao inserir-se nestas temáticas, abriu um campo de perspectivas inovadoras e acompanhamento das ações e estratégias dos Movimentos Sociais Negros, Ong’s e outras Instituições, bem como desenvolvimento de atividades voltadas para as referidas temáticas, trazendo contribuições significativas para a Área.   Entre elas está a criação do Grupo de Estudo de Cultura Afrobrasileira-GECAB –DLCH, depois GECAB-DECISO; a Quinta Cultural na UFRPE, organizada e  coordenada em conjunto com outros professores das áreas de Letras e Educação, aberto para todas as áreas do conhecimento da Universidade e de outras instituições de Recife, cujo objetivo foi dar visibilidade a potencialidade artística dos respectivos discentes. Neste sentido, abriram-se espaços para todos os tipos de arte, bem como palestras e debates com pessoas do campo artístico.  Na pesquisa e extensão desenvolveu pesquisa com Comunidades Quilombolas, Sítio Guaribas – Bezerros-PE, envolvendo alunos de Curso de Ciências Sociais e História, resultando em trabalhos para congressos e monografias; Projeto sobre Memória e Patrimônio com os artesãos e alunos das Escolas Estadual e Municipal de Tracunhaém-PE, com um bolsista e alunos colaboradores; Projeto Açudes, atuando no Semi- Árido de Pernambuco, junto aos pescadores e Associações de Pesca, em Convênio ORSTOM- França/ CNPq- Brasil, envolvendo o Departamento de Pesca e Departamento de Letras e Ciências Humanas-UFRPE, também com bolsistas, gerando participações em eventos técnico-científicos, dentro e fora do Estado e elaboração de monografias; Projeto com Jovens dos Grupos de Afoxés, com financiamento da Fundação São João Del Rei, da Universidade Federal de São João Del Rei UFSJ – MG  com uma bolsa de Extensão da UFRPE e para os alunos. O resultado da atuação desse Grupo foi a participação e apresentação de trabalhos em eventos técnico-científicos, dentro e fora do Estado.  O fortalecimento da temática e do GECAB se deu com a parceria feita ao Núcleo de Estudos Afrobrasileiros – NEAB UFRPE, envolvendo os Departamentos de Letras e Ciências Humanas, Educação e Ciências Domésticas, desta Instituição. Como maior atividade implantou e implementou a Lei nº10936/2003, segundo os princípios e objetivos  do Programa UNIAFRO/MEC, mediante palestras, debates, seminários e principalmente Cursos de Especialização para Professores das Escolas das Redes Municipais e Estaduais de Pernambuco, ministrados na Universidade Federal Rural de Pernambuco,  e no município de Moreno-PE.  Além desses eventos houve a participação como representante do NEAB-UFRPE, em conjunto com o Programa UNIAFRO/MEC e os representantes das Comunidades Quilombolas, em discussões em Brasília-DF, sobre a criação de Escolas Quilombolas. No que se refere ao ensino, as disciplinas Obrigatórias: Etnografia e Antropologia das Comunidades; e a Optativa: Cultura e Identidade, em consonância com as especialidades, nortearam outros propósitos como aulas práticas – em comunidades quilombolas, indígenas e extrativistas  - monitorias e Bolsas BIA; orientações de artigos para eventos de monografias, como também, bancas de qualificação e defesa de dissertações e teses na Universidade Federal de Pernambuco-UFPE. Evidencia-se também participações em eventos, resumos em anais, artigo, capítulos de livros, parecerista ad hoc de revista científica, entre outras. Tais atividades e ações permitiram o reconhecimento e a importância da Área e do Curso como um todo.

Maria Grazia Cribari Cardoso, UFRPE

com  formação em Ciências Sociais e mestrado e doutorado em antropologia, conduz pesquisas para o campo do trabalho feminino e da família em populações de baixa renda, em diferentes setores de atividades econômicas do setor urbano: serviços, comércio e indústria. Enquanto professora da UFRPE ampliou seu campo de pesquisa para o trabalho das mulheres em atividades tradicionais. Desenvolveu pesquisa sobre cozinheiras de terreiro nas religiões afro-brasileiras e com este foco está desenvolvendo hoje o projeto de pós-doutorado na Universidade Federal da Paraíba – UFPB, onde discute o trabalho feminino, a divisão sexual do trabalho e a as lutas políticas nas associações das tapioqueiras de Recife e Olinda. No mesmo caminho, seguem as atividades docentes desenvolvidas no curso de Ciências Sociais com as disciplinas obrigatórias de Introdução à Antropologia e Família e Parentesco e a disciplina Optativa Antropologia do Corpo e da Saúde. A partir das disciplinas e dos temas principais de estudos e pesquisas surgem as orientações de monografias na área de estudos do gênero relacionado a uma gama de subtemas: sexualidade, saberes, geração, saúde, etc., bem como co - orientação na dissertação intitulado Vestuário Infantil: a influência dos marcadores de gênero nas decisões de compra dos pais da zona norte recifense da programa de pós graduação em design. Pela bagagem acadêmica adquirida participou da Comissão Julgadora do Prêmio Naíde Teodósio de Gênero e enfretamento contra a violência à mulher, nas modalidades de redação e artigos de graduação e pós graduação; ministrou em 2019, as palestras sobre Trabalho Doméstico Feminino não remunerado nas religiões afro – brasileiras no Encontro Protagonismo Feminino nas Religiões, promovido pelo programa de pós graduação em Ciências da Religião na Universidade Católica de Pernambuco – UNICAP e, a outra sobre Gênero e Autonomia: uma perspectiva de liberdade para as mulheres, evento realizado pela Secretaria da Mulher de Pernambuco; apresentou e publicou em Anais, no Congresso da Associação Nacional de Estudos sobre Trabalho – ABET, o artigo Divisão Sexual do Trabalho nos Terreiros de Matriz Africana: Desigualdade e Trabalho Voluntário; organizou o livro Feminismo, Diferença e Desigualdades nas Políticas Públicas e Desenvolvimento, junto com os professores Russel Scott e Dayse Santos.  Desenvolve também projetos de extensão como o Cinema, Gênero e Escola e O Observatório da Mulher e é coordenadora do grupo de pesquisa Antropologia, Gênero , Saúde e Trabalho – AGEST. Como coordenadora do curso de Ciências Sociais entre 2012 a 2014 instituiu a aula inaugural do curso de Ciências Sociais a partir de 2012 e idealizou e coordenou o Laboratório de Ciências Sociais - Professor Ronaldo Maia. Este Laboratório é considerado como o primeiro passo para o crescimento do curso de graduação em Ciências Sociais, que veio a potencializar o Departamento para um Curso de Pós-Graduação, cujo projeto de Mestrado Profissional em Antropologia – MPA que foi submetido  a CAPES em 2018. Mesmo não tendo sido aprovado, a construção da proposta fortaleceu a área e mostrou as potencialidades dos docentes.

Referências

DURHAM, Eunice. Ensino da Antropologia. In:Grossi, Mirian Pillar, Tassinari, Antonella, Rial, Carmem. (orgs). Ensino de Antropologia no Brasil:formação, práticas disciplinares e além fronteiras. Blumenau: Nova Letra, 2006.

CORRÊA, Mariza. A História que me Orienta. In: Scott, Parry, Campos, Roberta Bivar C., Pereira, Fabiana.Rumos da Antropologia no Mundo: geopolíticas disciplinares. Recife: Ed. UFPE, 2014.

FONSECA, Cláudia. O Exercício da Antropologia: Enfrentando os Desafios da Atualidade. In:Grossi, Mirian Pillar, Tassinari,Antonella, Rial, Carmem. (orgs). Ensino de Antropologia no Brasil:formação, práticas disciplinares e além fronteiras. Blumenau: Nova Letra, 2006.

PEIRANO, Mariza. Um Ponto de Vista sobre o Ensino da Antropologia. In:Grossi, Mirian Pillar, Tassinari, Antonella, Rial, Carmem. (orgs). Ensino de Antropologia no Brasil: formação, práticas disciplinares e além fronteiras. Blumenau: Nova Letra, 2006.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Vértice/Revista Tribunais Ltda, 1990.

NORA, Pierre. Entre Memória e História. Projeto História, n.10,dez.1993.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, silêncio. Estudos Históricos. V.2,n.3, p.3-15, 1989.

VÁSQUEZ SIXTO, Félix. Construyendo el Pasado: la memória como práctica social. ECA. Estudios Centroamericanos, a. LVII, noviembre-diciembre, p. 1050-1065. 2002.

Downloads

Publicado

2021-04-13