TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CEBOLA

Regina Ceres Torres da Rosa, Juliana Ferreira de Moura, Ana Patrícia dos Santos Gonçalves, Luciana Melo Sartori Gurgel, Tereza Cristina de Assis, Domingos Eduardo Guimarães Tavares de Andrade, Alice Maria Gonçalves Santos

Resumo


O trabalho teve por objetivo adequar o teste de condutividade elétrica para avaliar o vigor de sementes de diferentes cultivares de cebola, considerando os efeitos da temperatura, volume e período de imersão de água. As sementes de cebola de cinco cultivares, foram submetidos à determinação de umidade, germinação, primeira contagem , emergência de plântulas em solo, envelhecimento acelerado e condutividade elétrica. O teste de condutividade elétrica foi realizado com 50 sementes foram imersas em 50 e 75 mL de água destilada, nas temperaturas de 20°, 25 ° e 30°C, por 2, 4, 6, 8, 24, 48, 72 e 96 horas de imersão. O uso do teste de condutividade elétrica utilizando 50 sementes imersas em 50 mL de água destilada, a 20ºC, a partir de 48 horas de imersão, constituiu um opção promissora para avaliação da qualidade de sementes de cebola.

Palavras-chave


Allium cepa; Teste vigor; Lixivação; Temperatura; Período de imersão

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, C.Z. & SÁ, M. E. Teste de condutividade elétrica na avaliação do vigor de sementes de rúcula. Revista Brasileira de Sementes, 31: 203-215. 2009.

ASSOCIATION OF OFFlCIAL SEED ANALYSTS - AOSA. Seed vigor testing handbook. East Lansing: AOSA, 1983. 93p. (Contribution, 32).

BRASIL, Ministério da Agricultura. Regras para análise de sementes. Brasília: Departamento Nacional de Produção Vegetal, 2009. 365p.

CALERO,E.; WEST, S.H.& HINSON,K. Water absorsion of seed and associated causal factors. Crop. Science, 2 (6): p. 926-933. 1982.

CARVALHO, M. V. Determinação do fator de correção para condutividade elétrica em função do teor de água de sementes de soja [Glycinemax (L.) Merrill]. Jaboticabal: Unesp, 1994. 36 p.

CARVALHO, N.M. & NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4 ed. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 424p.

COSTA,C.J.; VAHL, L.C. & VILLELA, F.A. Teste de lixiviação de íons inorgânicos e condutividade elétrica para avaliação do potencial fisiológico de sementes de cebola. Revista Brasileira Agrociência, 13 (4): 449-453. 2007.

DESWAL, D. P. & SHEORAN, I. S. A simple method for seed leakage measurement: applicable to single seeds of any size. Seed Science and Technology, 21(1): 179-185. 1993.

DELOUCHE, J.C. &BASKIN, C.C. Accelerated aging techniques for predicting the relative storability of seed lots. Seed Science and Technology, 1(2): 427-452. 1973.

DIAS, D.C.F.S.; BHERING, M.cC.; TOKUHISA, D. &HILST, P.C. Teste de condutividade elétrica para avaliação do vigor de sementes de cebola. Revista Brasileira de Sementes, 28(1): 154-162. 2006.

GIVELBERG, A.; HOROWITZ, M. & POLJAKOFF-MAYBER, A. Solute leakage from Solanumnigrum L. seeds exposed to high temperatures during imbibition. Journal of Experimental Botany, 35(161): 1754-1763, 1984.

HAMPTON, J.G.; JOHNSTONE, K.A. & EUA-UMPON, V. Bulk conductivity test variables for mungbean, soybean and french bean seed lots. Seed Science and Technology, 20:677-86. 1992.

HAMPTON, J.G.& TEKRONY, D.M. Controlled deterioration test. In: HAMPTON AND TEKRONY (ed). Handbook of vigour test methods. Zurich: ISTA.1995. p.70-78.

LEOPOLD, A.C. Temperature effects on soybean imbibition and leakage. Plant Physiology, 65 (4): 1096-1098. 1980.

LOEFFLER, T.M.; TEKRONY, D.M. & EGLI, B.D. The bulk conductivity test as on indicator of soybean seed quality. Journal of Seed Technology, 12 (1): 37-53, 1988.

MAGUIRE, J.D. Seeds of germination-aid in selection and evaluation for seeding emergence and vigor. Crop Science, 2: 176-177. 1962.

MURPHY, J.B. & NOLAND, T.L. Temperature effects on seed imbibition and leakage mediated by viscosity and membranes. Plant Physiology, 69(2): 428-431. 1982.

RODO, A.B. Avaliação do potencial fisiológico de sementes de cebola e sua relação com o desempenho das plântulas em campo. 2002. 123f. Tese de doutorado em Fitotecnia – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2002.

TAO, J.K. Factors causing variations in the conductivity test for soybean seeds. Journal of seeds technology, 3(1): 10-18. 1978.

THORNTHON, J.M.; POWELL, A.A. & MATTEWS, S. Investigation of the relationship between seed leachate conductivity and the germination of brassica seeds. Annals applied Biology, 17: 129-135. 1990.

TORRES, S. B.; PAIVA, E. P.; ALMEIDA, J. P. N.; BENEDITO, C. P. & CARVALHO, S. M. C. Teste de condutividade elétrica na avaliação da qualidade fisiológica de sementes de coentro. Revista Ciência Agronômica, 46 (3): 622-629. 2015.

VIEIRA, R. D. & KRZYZANOWSKI, F. C. Teste de condutividade elétrica. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D. & FRANÇA NETO, J. B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. cap.4, p.4.1-4.26.

VIEIRA, R. D.; PENARIOL, A.L.; PERECIN, D.& PANOBIANCO, M. Condutividade elétrica e teor de água inicial das sementes de soja. Pesq. agropec. bras.,37(9): 1333-1338.2002.

WANG, Y. R.; HAMPTON, J. G.& HILL, M. J. Red clover vigour testing: effects of three test variables. Seed Science and Technology, 22(1): 99-105. 1994.

ZHANG, T. & HAMPTON, J.G. Does fungicide seed treatment affect bulk conductivity test results? Seed Science and Technology, 27(3): 1041-1045. 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

 

Correspondência Editorial
Academia Pernambucana de Ciência Agronômica
Biblioteca Central - UFRPE
Núcleo do Conhecimento Prof. João Batista Oliveira dos Santos
Romero Marinho de Moura
Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos - CEP: 52171-900 - Recife/PE
Telefone: 3320-6189
Emails: anaisapca@gmail.com
Site: www.apcagronomica.org.br