Banco de sementes em áreas de caatinga com diferentes graus de antropização no Sertão de Itaparica-PE

Gyslainne Vanderley da Paz, Kleber Andrade da Silva, Jarcilene Silva de Almeida-Cortez

Resumo


A caatinga é caracterizada por regiões áridas e semi-áridas devido a sua irregularidade de precipitação e caracterizada por longos períodos de estiagem. A investigação do banco de semente presente nessas regiões, além de nos dar informações sobre a flora atual, possibilita predizer um cenário futuro das comunidades vegetais diante de pressões antrópicas. Este trabalho tem por objetivo analisar comparativamente a densidade e a composição florística do banco de sementes acumuladas da estação seca provenientes de diferentes áreas de caatinga. Foram selecionadas 14 áreas de caatinga de acordo com grau de antropização, gradiente hídrico e diferentes intensidades de herbivoria nos munincípios de Floresta e Itacuruba, Pernambuco. Foram coletadas 5 amostras de serrapilheira, em 14 parcelas. O material foi levado para casa de vegetação da UFPE, dispostos diretamente em bandejas de isopor, com regas diárias e observado por 3 meses. Foi observado um pico de germinação nas primeiras 4 semanas para o material oriundo de todas as parcelas. Foram identificadas 44 morfoespécies de plântulas de gramíneas, herbáceas e arbóreas. A maior riquezade espécies germinadas foi de herbáceas, bem como as mais abundantes. Não houve diferença signifcativa entre riqueza de espécies e pressão de herbivoria segundo a análise de GLM, mas houve diferença significativa entre a densidade e pressão de herbivoria para todas as distâncias de cursos de água e a partir da análise de NMDL foi observado que só houve diferença significativa entre áreas com curso permanente de água e áreas sem um curso de água próximo (Rglobal = 0.155; p= 0,014).

Palavras-chave


Comunidade Vegetal; Historico de uso da Terra; Floresta Tropical Seca.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ALMEIDA-CORTEZ, J.S. 2004. Dispersão e banco de sementes. In: FERREIRA, A.G.; BORGHETTI, F. (Orgs.). Germinação: do básico ao aplicado, Recife. pp. 225-235.

ANDRADE-LIMA, D. 1981. The Caatingas Dominium. Revista Brasileira de Botânica 4: 149-153.

ARAÚJO, E.E.; CASTRO, C.C; ALBUQUERQUE, U.P. 2007. Dynamics of Brazilian caatinga – A review concerning the plants, environment and people. Functional Ecosystems and Communities, v. 1, p. 15-28.

ARAÚJO, M.M.; LONGHI, S.J.; BARROS, P.L.C.; BRENA, D.A. 2004. Caracterização da chuva de sementes, banco de sementes do solo e banco de plântulas em Floresta Estacional Decidual ripária Cachoeira do Sul, RS, Brasil. Scientia Forestalis, n. 66, p. 128-141.

BAKER, H.G. 1989. Some aspects of the natural history of seed banks. Pp. 9-21. In:

LECK, M.A.; PARKER, T.V.; SIMPSON, R.L.A.F. (Eds.). Ecology of soil seed banks, New York.

CLARKE, K.R., GORLEY, R.N., 2006. Primer v6: User Manual/tutorial. Plymouth Marine Laboratory, Plymouth.

COSTA, R.C.D., & ARAÚJO, F.S.D. (2003). Densidade, germinação e flora do banco de sementes no solo, no final da estação seca, em uma área de caatinga, Quixadá, CE. Acta Botanica Brasilica.

COSTALONGA, S.R. Banco de sementes em áreas contíguas de pastagem degradada, plantio de eucalipto e floresta natural, em Paula Cândido – MG. 2006. 126f. Tese (Doutorado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2006.

IBGE. 1985. Atlas Nacional do Brasil. Região Nordeste. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Rio de Janeiro.

LOBO, P.C.A 2008 Análise do banco de sementes de uma área de caatinga-PE após simulação de seca. Monografia (Bacharelado em Ciências Biológicas) Universidade de Pernambuco, Recife. 34p.

MURPHY, P.G.; LUGO, A.E. 1986. Ecology of Tropical Dry Forest. Annual Review of Ecology and Systematics, Vol. 17, p. 67-88.

MAMEDE, M.A.; ARAÚJO F.S. 2008. Effects of slash and burn practices on a soil seed bank of caatinga vegetation in Northeastern Brazil. Journal of Arid Environments, v. 72, p. 458–470.

PESSOA, L.M. 2007. Variação espacial e sazonal do banco de sementes do solo em uma área de caatinga, Serra Talhada, PE. Dissertação (Mestrado em Botânica), Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife. 45p.

PIÑA-RODRIGUES, F.C.M.; COSTA, L.G.S.; REIS, A. Estratégias de estabelecimento de espécies arbóreas e o manejo de florestas tropicais. In: CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO, 6, 1992, Campos do Jordão. Anais... São Paulo, 1992. p.676-684.

PORTILLO-QUINTERO, C.A.; SÁNCHEZ-AZOFEIFA, G.A. 2010. Extent and conservation of tropical dry forests in the Americas. Biological Conservation 143, p. 144–155.

POWERS, J.S., CORRE, M.D., TWINE, T.E., VELDKAMP, E., 2011. Geographic bias of field observations of soil carbon stocks with tropical land-use changes precludes spatial extrapolation. Proceedings of the National Academy of Science of the United States of America, v. 108, p. 6318–6322.

HERBÀRIO VIRTUAL - REFLORA. Disponível em: http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/herbarioVirtual/ Acesso em20/9/2016

ROBERTS, H.A. Seed Banks in Soils. Advances in Applied Biology, 6: 1-55, 1981.

SABOGAL, C. Regeneration of tropical dry forest in Central America, with examples from Nicaragua. Jounal of Vegetation Science, v. 3, p. 407–416, 1992.

SANTOS, S.L. Influência da serrapilheira na germinação e desenvolvimento de plântulas da Mata de Santa Genebra. 2000. 71p. Tese (Mestrado em Biologia Vegetal). Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP.

SANTOS, J.C.; LEAL, I.R.; ALMEIDA-CORTEZ, J.S.; FERNANDES, G.W.; TABARELLI, M. 2011. Caatinga: the scientific negligence experienced by a dry tropical forest.Tropical Conservation Science Vol.4 (3), p. 276-286.

STATSOFT, Inc, 2003. Statistica for Windows (Data Analysis Software System), Version7.0. StatSoft, Inc, USA.

SCHULZ, Katharina et al. Grazing deteriorates the soil carbon stocks of Caatinga forest ecosystems in Brazil. Forest Ecology and Management, v. 367, p. 62-70, 2016.

SIMPSON, R.L; LECK, M.A.; PARKER, V.T. Ecology of Soil Seed Banks. California: Academic Press, 1989. 385p.

SOUZA, P.A.; VENTURIN, N. ; GRIFFITH, J.J.; MARTINS, S.V. Avaliação do banco de sementes contido na serrapilheira de um fragmento florestal visando recuperação de áreas degradadas. Revista Cerne, Lavras, v.2, n.1, p.56-67, 2006.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.1.1.2016.987.61-69

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Journal of Environmental Analysis and Progress

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.