Avaliação da rotulagem de flocos de milho pré-cozidos do tipo “Flocão”

Maria Clara Leopoldino Santos, Ayla Fernanda Tavares de Lima Furtado, Neide Kazue Sakugawa Shinohara

Resumo


O milho (Zea mays L.) é cereal nativo das Américas, pode ser consumido minimamente processado ou na forma de muitos derivados e coprodutos que compõe a mesa nas diferentes regiões do Brasil. Presente nas raízes da cultura antropológica do Nordeste, observa-se na dieta o consumo frequente de farinha floculada de milho, obrigando a observância nos cuidados e aspectos informativos no rótulo sobre a produção, embalagem, rotulagem e armazenamento. O objetivo foi analisar o cumprimento das resoluções e normas referentes à rotulagem de flocos de milho pré-cozidos do tipo “flocão”. Foram empregadas: elaboração e aplicação do checklist e coleta dos rótulos. Os resultados das inconformidades se apresentam: Portaria nº 157 (28,5%): Medidas dos algarismos e letras em milímetros, correspondentes as terminologias de “500g”, “PESO LÍQUIDO”,“CONTÉM LÍQUIDO” e  “CONTEÚDO  LÍQUIDO”, informando o quantitativo do produto na embalagem; RDC nº 259 (38%): denominações ou informações insuficientes, induzindo o consumidor a equívoco sobre composição do produto como marketing ou propaganda; Lei nº 10.674 (28,5%): enunciado de “CONTÉM GLÚTEM” ou “NÃO CONTÉM GLÚTEN”, para prevenir celíacos; Portaria nº 2.658 (14%): ausência do símbolo de produto transgênico; RDC nº 359 (9,5%): expressar medida padrão de 50g (gramas) e nº de xícaras (medida caseira), como base da tabela nutricional; RDC nº 360 (19%): tabela nutricional contendo a ordem obrigatória de nutrientes; Lei nº 1 (52%): informação sobre OGM em ingredientes alimentares; RDC nº 263 (9,5%): nomenclatura referente ao cereal originário e NBR 13230 (71,5%): ausência de simbologia de reciclabilidade associado ao código do polímero plástico.


Palavras-chave


Cereal; Zea mays; rótulo; cuscuz.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Araújo, H. M. C.; Araújo, W. M. C.; Botelho, R. B. A.; Zandonadi, R. P. 2010. Doença celíaca, hábitos e práticas alimentares e qualidade de vida. Revista de Nutricao, 23, (3), 467-474. https://doi.org/10.1590/S1415-52732010000300014

Brasil. 2008. ABNT NBR 13230, de 17 de novembro de 2008. Trata dos polímeros recicláveis utilizados em embalagens plásticas. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior: Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial.

Brasil. 2002a. Portaria Inmetro no 157, de 19 de agosto de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico Metrológico. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior: Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial.

Brasil. 2002b. Resolução Anvisa no 259, de 20 de setembro de 2002. Aprova o Regulamento técnico sobre rotulagem de alimentos embalados. Ministério da Saúde.

Brasil. 2003a. Lei no 10.674, de 16 de maio de 2003.Obriga que os produtos alimentícios comercializados informem sobre a presença de glúten, como medida preventiva e de controle da doença celíaca. Ministério da Saúde.

Brasil. 2003b. Portaria no 2.658, de 22 de dezembro de 2003. Dispõe sobre o Regulamento para o Emprego do Símbolo Transgênico. Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Brasil. 2003c. Resolução Anvisa no 359, de 23 de dezembro de 2003. Aprova o Regulamento técnico de porções de alimentos embalados para fins de rotulagem nutricional.

Brasil. 2003d. Resolução Anvisa no 360, de 23 de dezembro de 2003. Aprova o Regulamento técnico sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados. Ministério da Saúde.

Brasil. 2004. Instrução Normativa Interministerial no1, de 01 de abril de 2004. Dispõe sobre o direito à informação quanto aos alimentos e ingredientes alimentares, destinados ao consumo humano ou animal que contenham ou sejam produzidos a partir de Organismos Genetica.

Brasil. 2005. Resolução Anvisa no 263, de 22 de setembro de 2005. Dispõe sobre o Regulamento técnico para produtos de cereais, amidos, farinhas e farelos. Diário Oficial da União. 184. Ministério da Saúde. Brasil, Seção 1, pp. 368- 369.

Brasil. 2010. Portaria Inmetro no 453, de 1 de dezembro de 2010. Copos Plásticos Descartáveis. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior: Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial.

Brasil. 2014. Guia Alimentar para População Brasileira. 2nd ed.; M. Saúde.

Campanhol, E. M.; Andrade, P.; Alves, M. C. M. 2003. Rotulagem ambiental: Barreira ou oportunidade estratégica? Revista Eletrônica de Administração, 2, (2), 13p.

Carvalho, J. L. G. 2016. Shopper e Experiências de Consumo no Varejo: Imagem da Marca e Embalagem Enganosa. CLAV.

Castro, J. 1984. Geografia da fome: o dilema brasileiro: pão ou aço. Rio de Janeiro.

Cavada, G. da S.; Paiva, F. F.; Helbig, E.; Borges, L. R. 2012. Rotulagem nutricional: você sabe o que está comendo?. Brazilian Journal Food Technology, 84-88. https://doi.org/10.1590/S1981-67232012005000043

Clementino, T. O.; Silva, I. F. 2016. Embalagens sustentáveis: análise da exposição de embalagens do setor alimentício em gôndolas de supermercado. Design e Tecnologia, 6, (12), 78. https://doi.org/10.23972/det2016iss12pp78-88

Duarte, J. de O.; Mattoso, M. J.; Garcia, J. C. 2007. Árvore do conhecimento: Milho. Agência Embrapa de Informação Tecnológica (Org.).

Freixa, D.; Chaves, G. 2009. Gastronomia no Brasil e no Mundo. Rio de Janeiro; Senac, Ed.

IBGE. 2018. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - abril 2018.

IBGE. 2017. Soja, milho e arroz representam mais de 90% da safra 2017.

Mallet, A. C. T.; Oliveira, R. V. de A.; Oliveira, Cyntia F.; Saron, M. L. G.; Costa, L. M. A. S. 2017. Adequação das rotulagens alimentícias frente à legislação vigente. Cadernos UniFOA, 12, (35), 101-110.

Oliveira, L. L.; Bocchini, M. O. 2015. Legibilidade visual para informação nutricional em rótulos de alimentos. Proceedings of the 7th Information Design International Conference, 1-10. https://doi.org/10.5151/designpro-CIDI2015-cidi_11

Paes, M. C. D. 2006. Aspectos Físicos, Químicos e Tecnológicos do Grão de Milho. Ministério da Agricultura, Abastecimento e Pecuária. Circular Técnica, dezembro de 2006.

Paula, C. V. 2017. A competitividade do Brasil, dos Estados Unidos da América e da Argentina nas exportações de milho no período 2000-2015.

Ribeiro, I. G.; Marin, V. A. 2012. A falta de informação sobre os Organismos Geneticamente Modificados no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 17, 359-368.

Santos, M. C. L.; Shinohara, N. K. S.; Mendonça, R. M.; Padilha, M. do R. D. F. 2018. Rotulagem da goma de tapioca. Journal of Environmental Analysis and Progress, 3, (3), 330. https://doi.org/10.24221/jeap.3.3.2018.2085.330-338

Santos, T. D. S. 2017. Benefícios e riscos do consumo de alimentos transgênicos: revisão crítica da literatura.

Silva, J. A. da. 2017. Rotulagem de alimentos: análise da adequação de produtos infantis frente às legislações.

Silva, S. M. C. 2014. A rotulagem de alimentos transgênicos e o Direito a Informação: a tutela jurisdicional.

Silveira Neto, W. D. 2001. Avaliação visual de rótulos de embalagens.

Souza, L. B. G. 2017. Rotulagem de produtos transgênicos: o “T” da questão: considerações sobre o PLC no 34, de 2015. Pub. L. No. Boletim Legislativo.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.4.4.2019.2739.257-265

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Maria Clara Leopoldino Santos, Ayla Fernanda Tavares de Lima Furtado, Neide Kazue Sakugawa Shinohara

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Obra licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.