Curva de secagem solar e avaliação físico-química da manga "Espada"

Bruno Emanuel Souza Coelho, Mayane Mendes do Nascimento, Itamara Rayanny Bessa de Carvalho, Karla dos Santos Melo de Sousa, Neiton Silva Machado, Acácio Figueiredo Neto

Resumo


O Brasil foi o primeiro país da américa a cultivar a mangueira, e dentre as variedades mais cultivadas no nordeste têm-se a espada, esta é uma fruta que possui uma grande aceitação no mercado. A secagem de produtos agropecuários destaca-se como um dos meios de conservação mais promissores quando feita utilizando energia solar por ser um recurso barato, limpo, gratuito e abundante no Brasil. Diante do exposto, o objetivo deste estudo foi, avaliar a eficiência de um secador solar de baixo custo, para a secagem da manga cv. ‘Espada’ e os atributos do produto final obtido, visando levar esta tecnologia de baixo custo para o pequeno produtor, gerando mais uma fonte de renda. Para isso, as mangas foram submetidas à secagem solar e o fruto desidratado foi analisado quanto aos parâmetros físico-químicos: acidez, pH, sólidos solúveis, umidade, sólidos totais, vitamina C e de cor (L*, a* e b*). Os resultados demostram que a secagem solar na obtenção de manga-passa é uma alternativa viável, que proporciona um incremento nutricional e uma coloração mais atrativa ao produto, minimiza as percas pós-colheita, além de ser uma tecnologia com alto potencial para melhorar a renda dos agricultores familiares.


Palavras-chave


Mangifera indica L., family agriculture, post-harvest, vitamin C.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Anuário Brasileiro de Fruticultura. 2016. Santa Cruz do Sul: Gazeta Santa Cruz, 92p.

AOAC - Association of Official Analytical Chemists. 1995. Official Methods of Analysis, 16th ed. Washington.

Barbosa, K. S.; Souza, G. M.; Carvalho, I. R. B.; Coelho, B. E. S.; Sousa, K. S. M.; Machado, N. S. 2016. Secagem solar de Mangas das variedades Palmer e Tommy Atkins. In: Gastronomia: da tradição à inovação / II Congresso Internacional de Gastronomia e Ciência de Alimentos. 2ed. Fortaleza - CE: Monferrer, v. 1, p. 272-273.

Belessiotis, V.; Delyannis, E. 2001. Solar drying. Solar Energy, v. 85, p. 1665-1691.

Benassi, M. T.; Antunes, A. J. A. 1988 Comparison of meta-phosphoric and oxalic acids as extractant solutions for the determination of vitamin C in selected vegetables. Arquivos de Biologia e Tecnologia, v. 31, n. 4, p. 507-513.

Brasil - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução CNNPA nº 12, de 1978. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/12_78.pdf. Acesso em: 15 nov 2010.

Brasil. Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005. Aprovar o "Regulamento técnico sobre a ingestão diária recomendada (IDR) de proteína, vitaminas e minerais". Diário Oficial da União, Brasília, 23 set. 2005.

Busatto, L. A.; Trevisan, R.; Martins, N.L.; Pilger, A. H. 2013. Uso de Secador Solar para Secagem de Pinus sp. Ciência da Madeira, v. 4, p. 176-190.

Camargo, W. P. F.; Alves, H. S.; Mazzei, A. R. 2004. Mercado de manga no Brasil: contexto mundial, variedades e estacionalidade. Informações Econômicas, v. 34, n. 5.

Caneppele, C.; Priante Filho, N.; CANEPPELE, M. A. B.; Pereira, L. C.; Santos, P. 2001. Avaliação da eficiência de secagem em secadores de frutas por convecção natural. Revista Brasileira de Armazenamento, v. 26, n. 1, p. 46-52.

Celestino, S. M. C. 2010. Princípios de Secagem de Alimentos. Documentos 276. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Cerrados. Ministério de Agricultura, Pesca e Abastecimento. ISSN 2176 5081. Planaltina-DF. 36p.

Cordeiro, M. H. M.; Mizobutsi, P. G.; Silva, N. M.; Oliveira, M. B.; Mota,W.F.; Sobral, R. R. S. 2014. Conservação pós-colheita de manga var. Palmer com uso de 1-metilciclopropeno. Revista Magistra, v. 26, p. 102-113.

Desrosier, N. W. 1981. Conservacion de Alimentos. 11a ed. México, Editora C.E.C.S.A. 446p.

Elias, N. de F.; Berbert, P. A.; Molina, M. A. B. de.; Viana, A. P.; Dionello, R. G.; Queiroz, V. A. V. 2008. Avaliação nutricional e sensorial de caqui cv Fuyu submetido à desidratação osmótica e secagem por convecção. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 28, p. 322-328.

Feiden, A.; Fidelys, Z.; Basualdo, L.; Pererira, R. S. B.; Galvani, F.; Campolin, I. A.; Feiden, A. 2008. Avaliação da temperatura de dois secadores solares para a produção de doces cristalizados na comunidade de Antônio Maria Coelho, Corumbá-MS. Revista Brasileira de Agroecologia, v.3, edição especial, pp. 31-34.

Galle, N. B. C.; Alves, N. M. C.; Castro, R. L. O.; Vilela, A. O.; Silva, M. I. P. 2016. Secador solar para secagem de frutas reutilizando materiais descartados da construção civil. A Barriguda: Revista Científica, v. 6, p. 593-602.

Genú, P. J.; Pinto, A. C. Q. 2002. A cultura da mangueira. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 454p.

Goularte, V. D. S.; Antunes, E. C.; Antunes, P. L. 2000. Qualidade de maçã Fuji osmoticamente concentrada e desidratada. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 20, n. 2, p. 160-163.

IAL. Instituto Adolfo Lutz. 2008. Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 4. ed. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. São Paulo. v. 1, 1020p.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017. Produção Agrícola Municipal, 2016. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/estadosat. Acesso em: 10 Nov. 2017.

Machado, A. V. 2011. Avaliação de um secador solar sob convecção forçada para a secagem do pedúnculo de caju. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 6, n. 1, p. 1-7.

Melo, E. A.; Araújo, C. R. 2011. Mangas das variedades espada, rosa e Tommy Atkins: compostos bioativos e potencial antioxidante. Seminário: Ciências Agrárias, v. 32, n. 4, p. 1451-1460.

Miguel, A. C. A.; Durigan, J. F.; Barbosa, J. C.; Morgado, C. M. A. 2013. Qualidade de mangas cv. Palmer após armazenamento sob baixas temperaturas. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 35, n. 2, p. 398- 408.

Nunes, A. G.; Pellegrino, N. S. L. 2017. Desenvolvimento de um Secador Solar para Secagem de Frutas. Espacios, v. 38, n. 53, p. 9-16.

Silva, D. F. P. da; Siqueira, D. L. de; Pereira, C. S.; Salomão, L. C. C.; Struiving, T. B. 2009 Caracterização de frutos de 15 cultivares de mangueira na Zona da Mata mineira. Revista Ceres, v. 56, p. 783-789.

Silva, F. de A. S.; Azevedo, C. A. V. de. 2016. The Assistat Software Version 7.7 and its use in the analysis of experimental data. African Journal of Agricultural Research, v. 11, n. 39, p. 3733-3740.

Singh, Z.; Singh, R. K.; Sane, V. A.; Nath, P. 2013. Mango-postharvest biology and biotechnology. Critical Review in Plant Sciences, v. 32, p. 217-236.

Souza, S. F.; Mariano, J. L.; Guedes, J. P. M.; Lima, J. R. F. 2016. Competitividade e parcela de mercado das exportações brasileiras de manga: Uma análise do modelo Constant Market Share. Revista Econômica do Nordeste, v. 47, p. 39-48.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.4.3.2019.2548.187-194

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista e Autor

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.