O efeito do método de desagregação de chuva no hidrograma de projeto para uma bacia hidrográfica rural no semiárido nordestino

Artur Paiva Coutinho, Lucas Ravellys Pyrrho de Alcântara, Ialy Rayane de Aguiar Costa, Vitor Hugo de Oliveira Barros, Larissa Fernandes Costa, Larissa Virgínia da Silva Ribas, Edevaldo Miguel Alves, Antonio Celso Dantas Antonino

Resumo


A determinação da vazão de projeto é de extrema importância para o dimensionamento de diversas obras de infraestrutura hidráulica. Nesse contexto, esse trabalho tem como objetivo avaliar a influência da metodologia de Bell e das relações entre durações na desagregação de precipitações máximas diárias para a obtenção de hidrogramas de projeto. A bacia de estudo utilizada foi a do Riacho da Cachoeira, localizada no estado da Bahia, e as séries históricas utilizadas foram obtidas na Agência Nacional de Águas. Para a construção dos hietogramas de projeto foram utilizados os métodos do Bureau of Reclamation e dos Blocos Alternados. Para a construção do hidrograma foi utilizada a metodologia do hidrograma unitário sintético do Soil Conservation Service. A distribuição Gumbel foi capaz de representar as precipitações extremas na região ao nível de significância de 5%. O método das relações entre durações apresentou um coeficiente de determinação de 99,79% enquanto que o método de Bell obteve um coeficiente de 99,64%. O método do Bureau of Reclamation gerou um pico de vazão maior que o método dos Blocos Alternados. O método de Bell gerou vazões e intensidades de precipitação maiores que o método das relações entre durações. O método de Bell com o Bureau of Reclamation apresentou as maiores vazões e o método das relações entre durações com o método dos Blocos Alternados apresentou as menores vazões.


Palavras-chave


Bureau of Reclamation, blocos alternados, Gumbel, Bell, relações entre durações, hidrologia estatística.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ANA – Agência nacional de Águas e Climas, Hidroweb. Disponível em: http://hidroweb.ana.gov.br. Acesso em: 01/03/2012.

BACK, A. J. Seleção de distribuição de probabilidade para chuvas diárias extremas do Estado de Santa Catarina. 2001. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 14, n. 1. P 59-72.

BELL, F. C. Generalized rainfall-duration-frequency relationships, Journal of the Hydraulics, Division –ASCE, v,95, p311-327, 95: 311-327, 1969.

BEMFICA, D. C.; GOLDENFUM, J. A.; SILVEIRA, A. L. L. 2000. Análise da Aplicabilidade de padrões de chuva de projeto a Porto Alegre. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 5, n.5, p. 5-16.

CALDEIRA, L. T.; BESKOW, S.; MELLO, C. R., FARIAS, L. C.; SOUZA, M. R.; GUEDES, H. A. S. 2015. Modelagem probabilística de eventos de precipitação extrema no estado do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. v.19, n.3, p.197-203.

CARVALHO, M. A.; CHAUDRHY, F. H. 2001. Aplicação de Hidrograma Unitário Geomorfológico na Previsão de Respostas Hidrológicas. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 6, n.4, p. 5-17.

CETESB (1980). Drenagem urbana: Manual de projeto. São Paulo, 466p.

COUTINHO, A. P.; RIBAS, L. V.; LEITE, L. L. L.; ANTONINO, A. C. D.; CABRAL, J. J. S. P.; MONTENEGRO, S. M. G. L.; MELO, T. A. T. 2013. Determinação de equações de chuvas intensas para municípios das mesorregiões do estado de Pernambuco através do método de Bell. XX Simpósio brasileiro de Recursos Hídricos, Bento Gonçalves/RS, p. 1-8.

CUNHA, S. F. C.; OLIVEIRA E SILVA; F. E. MOTA; TAINÁ, ULHPA; PINHEIRO, M. C. 2015. Avaliação da acurácia dos métodos do SCS para cálculo da precipitação efetiva e hidrogramas de cheia. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v.20, n.4, p. 837 – 848.

DAMÉ, R. C. F.; TEIXEIRA, C. F. A.; TERRA, V. S. S.; ROSSOKOFF, J. L. C. 2010. Hidrograma de projeto em função da metodologia utilizada na obtenção da precipitação. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.14, n.1, p.46–54.

Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes, Manual de hidrologia básica para estrutura de drenagem, 2, ed, - Rio de Janeiro, 2005, 133p.

DRUMOND, P. P.; MOURA, P. M.; COELHO, M. M. L. P. 2018. Comparison the monitoring data of an on-site stormwater detention (OSD) and the results in the use of theoretical methods for its design. RBRH, v. 23, n. 18, p. 1-12.

GARCIA, S. S.; AMORIM, R. S. S.; COUTO, E. G.; STOPA, W. H. 2011. Determinação da equação intensidade-duração-frequência para três estações meteorológicas do Estado de Mato Grosso. Revista Brasileira de Engenharia Agricola e Ambiental, v. 15, n.6, p. 575+.

MATA-LIMA, H.; VARGAS, H.; CARVALHO, J.; GONÇALVES, M.; CAETANO, H.; MARQUES, A.; RAMINHOS, C. 2007. Comportamento hidrológico de bacias hidrográficas: integração de métodos e aplicação a um estudo de caso Rem: Revista Escola de Minas, v. 60, n. 3, p. 525-536.

NAGHETTINI, M.; PINTO, E. J. DE A. 2007. Hidrologia Estatística. CPRM.

NUNES, F. G.; FIORI, A. P. 2007. A utilização do método de Ven Te Chow –Soil Conservation Service (SCS) na estimativa da vazão máxima da bacia hidrográfica do rio Atuba. Revista Eletrônica Geografar, v.2, n.2, p.139-155.

PORTELA, M. M.; MARQUES, P.; CARVALHO, F. F. 2000. Hietogramas de projecto para a análise de cheias baseada no modelo do hidrograma unitário do Soil Conservation Service (SCS). 5º Congresso da Água - A ÁGUA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DESAFIOS PARA O NOVO SÉCULO. p. 1-17.

RIGHETTO, A. M. (1998). Hidrologia e Recursos Hídricos. EESC / USP, São Carlos- SP, 840 p.

SILVA, C. B; OLIVEIRA, L. F. C. 2017. Relação intensidade-duração-frequência de chuvas extremas na região nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, v. 20, p. 267-283.

TUCCI, C. E. M. (1995) Inundações urbanas. In: TUCCI, C. E. M; PORTO, R. L. L.; BARROS, M. T. Drenagem urbana: Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS/ABRH. 1 ed. Cap. 1, p. 15-36.

TUCCI, C. E. M. (2009). Hidrologia Ciência e Aplicação. Editora da UFRGS, Porto Alegre, 943p.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.4.2.2019.2376.146-156

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista e Autor

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.