Entropia pluviométrica na grande metrópolis Recife-PE, Brasil

Raimundo Mainar Medeiros

Resumo


Objetiva-se analisar as oscilações dos padrões diários, mensais e anuais de ocorrência pluviais e debater acerca da sua disponibilidade hídrica, ressaltando o procedimento da entropia, da precipitação no período seco e chuvoso e dos seus respectivos desvios padrão da entropia e da precipitação no período 1962-2015 possibilitando compreender as características das chuvas na área estudada. Efetuaram-se preenchimentos de falhas, homogeneização e consistência com base no critério de analisar para aquelas séries contínuas após seus preenchimentos. Os dados diários de precipitação utilizados foram fornecidos pelo Instituto Nacional de Meteorologia. Na Grande Metrópole de Recife nos períodos de La Niña(o) não causa influencia nos seus índices precipitados. O desvio-padrão da entropia anual varia uniformemente aos valores de entropia, mostrando com isso pequena oscilação de seus dados em torno dos valores médios.  A técnica da entropia se constitui em ferramenta apropriada para expressar as flutuações de dados em torno da média do que a técnica convencional do desvio.


Palavras-chave


Estatísticas básicas, desordem energética, variabilidade diária e anual da precipitação

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ALMEIDA, H.A., 2001. Probabilidade de ocorrência de chuva no Sudeste da Bahia. Ilhéus, CEPLAC/CEPEC. Boletim Técnico n. 182, 32p.

ASSIS, J.M.O.; SILVA, R.F.; SOUSA, W.S.; IRMÃO, R.A.; CORREIA, A.M., 2013 Tendências Climáticas Observadasno Período Chuvosono Sertãode Pernambuco. Revista Brasileira de Geografia Física. V. 06, N. 02. Pag. 211-222.

DRAGOMIR, S.S.; SCHOLZ, M.L.; SUNDE, J., 2000. Some upper bounds for relative entropy an applications. An International Journal Computers and Mathematics with Applications, v. 39, p. 9-100.

HALLAL, M.O.C., 2007. Análise da variabilidade de indicadores climáticos para a precipitação pluvial no Rio Grande do Sul. Pelotas: UFPEL, 2007. 122 f. Dissertação (Mestrado em Meteorologia) - Curso de Pós-graduação em Meteorologia, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas,

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia., 2016. Normal climatológica (1962 - 2015). Brasília, DF.

KABERGER, T.; MANSSON, B., 2001. Entropy and economic processes – physics perspectives. Ecological Economics, v. 36, p. 65-179.

KAWACHI, T.; MARUYAMA, T.; SINGH, V.P., 2001.Rainfall entropy delineation of water resources zones in Japan. Journal of Hydrology, v. 246, p. 36-44.

LACERDA, F.F.; NOBRE, P.; SOBRAL, M.C.M.; LOPES, G.M.B; ASSAD, E.D., 2016. Tendência do Clima do Semiárido Frente as Perspectivas das Mudanças Climáticas Globais; O Caso de Araripina, Pernambuco. Revista do Departamento de Geografia, V. 31. Pag. 132-141.

MEDEIROS, R.M.; SILVA, V.P.R.; GOMES FILHO, M.F., 2015. Aplicação da teoria da entropia no estudo da precipitação pluvial em Teresina-PI. Revista de Geografia (UFPE) V. 32, No. 2, p.206-218.

MELO, V.S.; MEDEIROS, R.M., 2016.Entropia da precipitação pluvial no município de Cabaceiras – PB, Brasil. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.10, nº.5, p. 952 - 964, ISSN 1982-7679 (On-line) Fortaleza, CE, INOVAGRI – http://www.inovagri.org.br DOI: 10.7127/rbai.v10n500474 Protocolo 474.16 – 18/08/2016 Aprovado em 14/10/2016

MONTAÑO, M.A.J.; EBELING, W.; POHL, T.; RAPP, P.E., 2001. Entropy and complexity of finite sequences as fluctuating quantities. BioSystems, n. 64, p. 23-32.

MOULIN, G.D., 2005. Técnicas de entropia e de geoestatística no dimensionamento de redes pluviométricas. Dissertação (Mestre em Engenharia Ambiental) – Universidade Federal do Espírito Santo.

RICOTTA, C., 2001. Bridging the gap between ecological diversity indices and measures of biodiversity with Shannon’s entropy: comment to Izák and Papp. Ecological Modeling, n. 46, 1-3.

SHANNON, C.E., 1948.The mathematical theory of communications. I and II Bell System Tech. Journal,

SINGH, V.P.; RAJAGOPAL, A.K., 1987. Some recent advances in application of the principle of maximum entropy (POME) in hydrology. IAHS 194, 353-364.

SILVA,V.P.R.; CAVALCANTI, E.P.; NASCIMENTO, M.G.; CAMPOS, J.H.B.C., 2003. Análises da precipitação pluvial no Estado da Paraíba com base na teoria da entropia. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 7, n. 2, p. 269-274.

SOUSA, E.P.; SILVA, V.P.R.; CAMPOS, J.H.B.C.; OLIVEIRA, S.D., 2012. A Teoria da Entropia na Análise da Precipitação no Estado da Paraíba. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 5, n. 2, p. 386-399.

SOUSA, R.F.; MOTTA, J.D; GONZAGA, E.N; FERNANDES, M.F; SANTOS, M.J., 2013. Aptidão agrícola do Assentamento Venâncio Tomé de Araújo para a Cultura do Sorgo (Sorghum bicolor - L. Moench). Revista de Biologia e Ciências da Terra, v.3, n.2.

SUDENE., 1990 Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste. Dados pluviométricos mensais do nordeste – Série pluviometria 5. Estado da Paraíba. Recife.

TUNDISI, J. G., 2003. Recursos Hídricos. Multiciência: Revista Interdisciplinar dos Centros e Núcleos da Unicamp. Instituto Internacional de Ecologia, São Carlos, 2003. Disponível em: http://www.multiciencia.unicamp.br. Acesso em: 05 mar.

VIANA, P.C., 2010. Estimativa e espacialização das temperaturas do ar mínimas, médias e máximas com base em um modelo digital de elevação para o Estado do Ceará. Trabalho de Conclusão de Curso – Curso de Graduação em Tecnologia em Irrigação e Drenagem, Instituto Federal de Educação e Ciência Tecnologia, Campus Iguatu - CE.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.4.1.2019.2147.031-047

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista e Autor

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.