Aptidões climáticas: caju, palma forrageira e milho no município de São Bento do Una-PE, Brasil

Raimundo Mainar Medeiros, Jaqueline Campos Nunes, Romildo Morant de Holanda, Manoel Vieira de França

Resumo


A aptidão climática propõe caracterizar os elementos meteorológicos que mais atuam no comportamento das culturas e, que em suas condições extremas, venham interferir sensivelmente o crescimento e desenvolvimento da planta. O estudo objetivou determinar a aptidão climática, visando identificar o potencial produtivo das culturas do cajueiro, palma forrageira e milho, com base em indicadores de clima, considerando a variabilidade natural do regime pluviométrico, estabelecida de acordo com a exigência da cultura, utilizou-se do método adotado para obtenção do balanço hídrico climático foi o proposto por Thornthwaite & Mather (1948, 1955), com elaboração de planilhas eletrônicas realizadas por Medeiros (2016) que contabiliza a água do solo, em que a precipitação representa ganho e a evapotranspiração perda de umidade do solo, podendo-se estimar os valores correspondentes ao Excedente Hídrico (EXC) e Deficiência Hídrica (DEF). Com base nesta metodologia foi estimada a capacidade de armazenamento de água disponível no solo (CAD) de 100 mm Os dados pluviométricos foram adquiridos da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste e da Agencia Pernambucana de Água e Clima para o período entre de 1920 e 2016. Para o plantio de larga escala é necessário um planejamento adequado para a utilização de cultivares mais resistentes as temperaturas e os índices de umidade, visto a escasseeis de água no município, assim como as chuvas são de distribuição temporal irregular, fazendo que o solo fique com saldo negativo de água durante seis a sete meses do ano. Recomenda-se que a cultura do milho seja utilizada como cultura de cerqueiro e sua adaptação esta condicionadas ao plantio dentro da quadra chuvosa.


Palavras-chave


Evapopluviograma, regime pluvial, deficiência e excedente hídrico.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ALDRICH, S. R.; SCOTT, W. O.; LENG, E. R. 1982. Modern corn production. 2 ed. Champaign: A&L Publication. 371p.

ALVES. W. S. 2014.As interações espaciais e o clima urbano de Iporá-GO. 122 p. Dissertação (Mestrado em Geografia) UFG/CAJ, Jataí-GO.

AGUIAR, M. J. N.; SOUSA NETO, N. C.; BRAGA, C. C.; BRITO, J. I. B.; SILVA, E. D. V.; SILVA, F. B. R.; BURGOS, N.; VAREJÃO-SILVA, M. A.; COSTA, C. A. R. 2000. Zoneamento pedoclimático para a cultura do cajueiro (Anacardium occidentale L.) no Nordeste do Brasil e Norte de Minas Gerais. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical/ Recife: Embrapa-CNPS-ERP-NE, 30p. (Embrapa Agroindústria Tropical. Boletim de Pesquisa, 27).

ALVARES, C. A.; STAPE, J. L.; SENTELHAS, P. C.; GONÇALVES, J. L. M.; SPAROVEK, G. 2014. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, p. 711–728.

APAC. 2016. Agência Pernambucana de Água e Clima.

BERGAMASCHI, H. 2004. Distribuição hídrica no período crítico do milho e produção de grãos. Pesq. agropec. bras., v. 39, p. 831-839.

EMBRAPA. 2012. Aptidão climática do Estado de Alagoas para culturas agrícolas. Relatório Técnico. Convênios SEAGRI-AL/Embrapa Solos n. 10200.04/0126-6 e 10200.09/0134-5. Recife: Embrapa Solos. 86p.

KÖPPEN, W.; GEIGER, R. 1928. “Klimate der Erde. Gotha: Verlag Justus Perthes”. Wall-map 150cmx200cm.

LAMEPE. 2005. Laboratório de Meteorologia do Estado de Pernambuco.

MENDONÇA, J. C.; SOUSA, E. F.; BERNARDO, S.; DIAS, G. P.; GRIPPA, S. 2003. Comparação entre métodos de estimativa da evapotranspiração de referência (ETo) na região Norte Fluminense, RJ. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 7, n. 2, p. 275-279.

MARENGO, J. A.; SOARES, W. R.; SAULO, C.; NICOLINI, M. 2004. Climatology of the low-level Jet East of the Andes as Derived from NCEP-NCAR Reanalyses: Characteristics and Temporal Variability. Journal of Climate, v. 17, n. 12, p. 2261-2280.

MEDEIROS, R. M. 2016. Planilhas do Balanço Hídrico Normal segundo Thornthwaite e Mather (1955). s.n.

MEDEIROS, R. M. 2016. Fatores provocadores e/ou inibidores de precipitações no estado do Pernambuco.

MEDEIROS, R. M.; SILVA, J. A. S.; SILVA, O.; SILVA, A.; MATOS, R. M.; BALBINO, D. P. 2013. Balanço hídrico climatológico e classificação climática para a área produtora da banana do município de Barbalha, CE Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, v. 7, n. 4, p. 258-268.

MEDEIROS, R. M.; MATOS, R. M.; SILVA, P. F.; SILVA, J. A. 2015. Caracterização climática e diagnóstico da aptidão Agroclimática de culturas para Barbalha-CE. Enciclopédia Biosfera, , v. 11, n. 21, p. 461-476.

OLIVEIRA, V. H.; MONTENEGRO, A. A. T.; CARBAJAL, A. C. R.; MESQUITA, A. L. M.; AQUINO, A. R. L.; FREIRE, F. C. O.; OLIVEIRA, F. N. S.; ARAÚJO FILHO, G. C.; PAIVA, J. R.; PAZ, J. S.; PARENTE, J. I. G.; MOSCA, J. L.; BARROS, L. M.; CRISÓSTOMO, L. A.; PESSOA, P. F. A. P.; SILVEIRA, S. S. 2003. Cultivo do cajueiro. Fortaleza-CE. EMBRAPA Agroindústria Tropical. Fortaleza-CE.

OMETTO, J. C. 1981. Bioclimatologia vegetal. São Paulo: Ceres.

PEREIRA, A. R.; ANGELOCCI, L. R.; SENTELHAS, P. C. 2007. Meteorologia Agrícola. Departamento de Ciências Exatas, p. 173, Piracicaba, SP.

ROLIM, G. S. 2007. Classificação climática de Köppen e de Thornthwaite e sua aplicabilidade na determinação de zonas agroclimáticas para o estado de São Paulo. Revista Bragantina, v. 66, n. 4, p. 711-720,

SANTOS, G. O.; HERNANDEZ, F. B. T.; ROSSETTI, J. C. 2010. Balanço hídrico como ferramenta ao planejamento agropecuário para a região de Marinópolis, noroeste do estado de São Paulo. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, v. 4, n. 3, p. 142-149.

SEVERINO, R. P. 2008. Busca de produtos naturais como inibidores específicos de enzimas. Tese (Doutorado em Ciências – Química Inorgânica), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

SUDENE. 1990. Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste - Dados pluviométricos mensais do Nordeste – Série pluviometria 5. Estado do Pernambuco. Recife, 239p.

SOUSA, I. F.; SILVA, V. P. R.; SABINO, F. G.; NETTO, A. O.; SILVA, B. K. N.; AZEVEDO, P. V. 2008. Evapotranspiração de referência nos perímetros irrigados do estado de Sergipe. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 14, n. 6, p. 633-644.

SOUSA, N. M. N.; DANTAS, R. T.; LIMEIRA, R. C. 2015. Influência de variáveis meteorológicas sobre a incidência do dengue, meningite e pneumonia em João Pessoa-PB. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 22, n. 2, p. 183-192.

THORNTHWAITE, C. W. 1948. An approach towards a rational classification of climate. Geographical Review, v. 38, p. 55-94.

THORNTHWAITE, C. W.; MATHER, J. R. 1955. The water balance. Publication in Climatology N° 8, Laboratory of Climatology, Centerton, N. J. 1955.

TOLEDO, J. V.; MARTINS, L. D.; KLIPPEL, V. H.; PEZZOPANE, J. E. M.; TOMAZ, M. A.; AMARAL, J. F. T. 2009. Zoneamento agroclimático para a cultura do pinhão manso (Jatropha curcas L.) e da mamona (Ricinus communis L.) no estado do Espírito Santo. Agropecuária Científica no Semi-Árido, v. 5, p. 41-51.

VAREJÃO-SILVA, M. A.; BARROS, A. H. C. 1984. Zoneamento de aptidão climática do Estado de Pernambuco para três distintos cenários pluviométricos. Recife: COTEC/DATA AGROS/SPRRA-PE, (Relatório Técnico).38p.

VIEIRA, J. P. G.; SOUZA, M. J. H.; TEIXEIRA, J. M.; CARVALHO, F. P. 2010. Estudo da precipitação mensal durante a estação chuvosa em Diamantina, Minas Gerais. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 14, p. 762-767.

WOLLMANN, C. A.; GALVANI, E. 2013. Zoneamento agroclimático: linhas de pesquisa e caracterização teórica-conceitual. Sociedade e Natureza, v. 25, p. 179-190.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.3.3.2018.1996.310-318

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista e Autor

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.