Ecodinâmica e vulnerabilidade ambiental de uma sub-bacia inserida em uma Área de Proteção Ambiental

Nadjacleia Vilar Almeida, Iara dos Santos Medeiros, Jerferson de Lima Freires, Mayara de Sousa Dantas

Resumo


O uso da bacia hidrográfica enquanto unidade de análise aliada ao estudo ecodinâmico permite identificar as vulnerabilidades e interações dos componentes ambientais de forma sistêmica. A teoria da ecodinâmica baseia-se na dinâmica dos ecótopos e procura estabelecer uma relação entre as atividades socioeconômicas e os processos morfogenéticos e pedogenéticos atuantes definindo os meios estáveis, intermediários e instáveis. A sub-bacia hidrográfica dos rios Velho e Açu inserida parcialmente na Área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape (APA-BRM), litoral norte do estado da Paraíba sofre com constantes alterações nos ambientes naturais decorrentes do uso e ocupação desordenada da terra. Assim, o objetivo da pesquisa é determinar a vulnerabilidade ambiental da sub-bacia dos rios Velho e Açu. A pesquisa foi dividida em três etapas: diagnóstico ambiental de todos os componentes (geologia, geomorfologia, pedologia, pluviosidade e uso e cobertura da terra); diagnóstico econdinâmico para determinar a vulnerabilidade de cada componente, avaliando a estabilidade do ambiente de acordo com a relação pedogênese/morfogênese; e, a análise integrada para identificar o grau de estabilidade e instabilidade da sub-bacia. Os resultados indicam que o plantio da cana-de-açúcar ocupa 60% da sub-bacia. A vulnerabilidade ambiental indica que 80% da sub-bacia é caracterizando como de Média Estabilidade e, 12% com moderada instabilidade. Conclui-se que na sub-bacia existe a interferência concorrente dos processos morfogenéticos e pedogenéticos e que a continuidade do uso inadequado da terra, sem nenhum manejo, pode desequilibrar essa relação.


Palavras-chave


Unidade de conservação, fragilidade ambiental, geotecnologias.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ALMEIDA, N. V. 2012. Ordenamento territorial geoambiental da bacia hidrográfica do rio Taperoá, semiárido paraibano. Tese de doutorado em Geografia. Universidade Federal Fluminense. Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. 238p.

ALMEIDA, N. V. 2008. Proposta de zoneamento ecológico econômico para a Área de Proteção Ambiental (APA) Estadual de Tambaba-Paraíba. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente - Prodema, Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, Paraíba, Brasil. 186p.

BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. 2010. Conservação do solo. 7. ed. São Paulo: Ícone.

BRASIL. 1993. Decreto N° 924, de 10 de setembro de 1993 cria a Área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape, no estado da Paraíba e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF.

BOTELHO, R. G. M. 1999. Planejamento ambiental em microbacias hidrográficas. In: GUERRA, A. J. T.; SILVA, A. S.; BOTELHO, R. G. M. Erosão e Conservação dos Solos. Rio de Janeiro. Bertrand Brasil. 5a ed.

BRASIL. 2002. Ministério de Minas e Energia, Secretaria de Minas e Metalurgia. Serviço Geológico do Brasil - CPRM. Geologia e Recursos Minerais do Estado da Paraíba. Recife-PE.

BRASIL. 2014. Plano de Manejo. Área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape, Área de Relevante Interesse Ecológico de Manguezais da Foz do Rio Mamanguape, Brasília-DF.

COSTA, I. M; ANDRADE, M. O. 2012. Sobreposição da APA Barra de Mamanguape e a TI Potiguara Monte Mor-PB: análise da legislação ambiental e dos conflitos com as atividades do setor sucroalcooleiro. Anais III Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Goiânia/GO. IBEAS – Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais, pp.1-14.

CPRM - Serviço Geológico do Brasil. 2014. Carta geológica Folha SB.25-Y-A-VII, Cabedelo, Escala 1:100.000 Disponível em: http://geosgb.cprm.gov.br/. Acesso: abril de 2016.

CREPANI, E.; MEDEIROS, J.S.; HERNANDEZ FILHO, P.; FLORENZANO, T.G.; DUARTE, V.; BARBOSA, C.C.F. 2001. Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento Aplicados ao Zoneamento Ecológico-Econômico e ao Ordenamento Territorial. São José dos Campos: INPE. (INPE- 8454-RPQ/722).

EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. 2013. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3a ed. Brasília.

EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. 1979. Levantamento de reconhecimento dos solos do estado do Espírito Santo. Rio de Janeiro, Centro Nacional de Pesquisa de Solos. (Boletim Técnico, 45). 379p.

FLORENZANO, T. G. 2008. Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. 2a ed. São Paulo: Oficina de textos. 318p.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. 2016. População residente estimada (2016/2017). Disponível em: https://sidra.ibge.gov.b. Acesso em: 28 de maio de 2017.

ICMBIO – INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/. Acesso em: abril de 2015.

JAKOB, A. A. E.; YOUNG A. F. 2006. O uso de métodos de interpolação espacial de dados nas análises sociodemográficas. ABEP, Caxambu-MG.

RIBEIRO, R. J. C.; BAPTISTA, G. M. M.; BIAS. E. S. 2007. Comparação dos métodos de classificação supervisionada de imagem Máxima Verossimilhança e Redes Neurais em ambiente urbano. Anais XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, Brasil, INPE pp. 5471-5478.

RODRIGUES, F.; CARVALHO, O. 2003. Bacias hidrográficas como unidade de planejamento e gestão ambiental: uma proposta metodológica. Revista Fluminense de Geografia (impresso), v. 2, p.61-82.

SANTOS, D. A. R. 2012. Análise morfométrica da bacia hidrográfica do rio lago verde como subsídio à compartimentação do relevo da região de lagoa da confusão-TO. Revista Geonorte, Edição Especial, v. 3, n. 4. p. 617-629.

SILVA, D. G.; MELO, R. F T. de; CORRÊA, A. C. de B. 2010. Influência da densidade de drenagem na interpretação da evolução geomorfológica do complexo de Tanques do município de Brejo da Madre de Deus – Pernambuco, Nordeste do Brasil. Revista de Geografia, Recife, v. 26, n. 3 p. 294 - 306.

SILVA, F. 2015. Educação Ambiental em Terras Indígenas potiguara: Concepções e possibilidades na Educação de Jovens e Adultos nas Escolas Estaduais Indígenas do munícipio de Rio Tinto-PB. Novas Edições Acadêmicas. 144p.

SILVA, K. R.; CECÍLIO, R A.; XAVIER, A. C.; PEZZOPANE, J. R. M.; GARCIA, G. O. 2011. Interpolação Espacial da Precipitação no Estado do Espírito Santo. Floresta e Ambiente, pp. 417-427.

SILVESTRE, L. C.; FARIAS, D. L. S.; LOURENÇO, J. D. S.; BARROS, S. C. A.; BRAGA, N. M. P. 2011. Diagnóstico dos Impactos Ambientais Advindo de Atividades Antrópicas na APA da Barra do Rio Mamanguape. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer-Goiânia, v. 7, n. 12, p. 1-11.

SNUC. 2000. Sistema nacional de unidades de conservação: texto da Lei 9.985, de julho de 2000, e vetos Presidência da República ao PL aprovado pelo congresso nacional. São Paulo: Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. 2a Ed. ampliada. NUM PÁGS.

TEODORO, V. L. I.; TEIXEIRA, D.; COSTA, D. J. L.; FULLER. B. B. 2007. O Conceito de Bacia Hidrográfica e a Importância da Caracterização Morfométrica para o Entendimento da Dinâmica Ambiental Local. Revista UNIARA, v. 11, n. 1, p. 137-156.

TRICART, J. 1977. Ecodinãmica. Rio de Janeiro, IBGE, Diretoria técnica, SURPREN. 97p.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.3.3.2018.1985.296-309

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista e Autor

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.