Caracterização morfométrica e microbiota endógena de populações do marisco Anomalocardia flexuosa Linnaeus, 1767 (Bivalvia: Veneridae)

Carlos Henrique Vasconcelos Nascimento, Ivo Raposo Gonçalves Cidreira Neto, Rafael Pereira da Silva, José Eriberto de Assis, Norma Buarque Gusmão, Gilberto Gonçalves Rodrigues

Resumo


A catação do marisco-pedra Anomalocardia flexuosa L. é essencial para as comunidades tradicionais, que vivem em regiões litorâneas e dependem dessa atividade. O estudo objetivou investigar a microbiota endógena de A. flexuosa associada à morfometria da concha. Foram realizadas coletas no estuário do Rio Paraíba do Norte, nos meses de setembro e outubro de 2017, em quatro croas, com níveis diferentes de poluição. Os mariscos foram coletados manualmente e a água do rio foi coletada com o auxílio de garrafa plástica. A morfometria do marisco-pedra foi feita com o auxílio de paquímetro e a inoculação para o crescimento dos micro-organismos utilizou os meios de cultivo: Ágar Sabouraud (SAB) e Malte, para fungos, e Agar Tryptic soy (TSA) e Mueller Hinton (MH), para bactérias. Foram encontradas conchas com tamanho variando entre 14,14 mm e 21,5 mm e 33 morfotipos da microbiota endógena, sendo 14 de bactérias e 19 de fungos. Os indivíduos da croa Cidade, por estarem mais próximas da zona urbana, recebem maior carga de poluição, refletindo no tamanho médio das conchas das populações de A. flexuosa. As croas mais conservadas e distantes do centro urbano (Portinho, Marisco e Lombo da Vara) mostraram uma maior riqueza de bactérias endógenas, enquanto os fungos não apresentaram diferença estatística significativa associadas ao tamanho médio maior da concha. Medidas mitigatórias são necessárias para o melhor rendimento da atividade de catação de marisco, tendo como pressuposto a minimização da poluição hídrica, advinda dos centros urbanos e o manejo adequado da mariscagem.


Palavras-chave


Pesca Artesanal, Mariscos, Morfometria, Fungos Aquáticos, Bactérias.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ARRUDA-SOARES, H.; SCHAEFFER-NOVELLI, Y.; MANDELLI, JR. 1982. “Berbigão”Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791), bivalve comestível da região da Ilha do Cardoso, Estado de São Paulo, Brasil: aspectos biológicos de interesse para a pesca comercial. Boletim do Instituto de Pesca., v. 9, n. único, p. 21-38.

BARACHO, R.L. 2016. Mariscagem, conhecimento ecológico local e cogestão: O caso da Reserva Extrativista Acaú-Goiana. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB. Brasil. 138p.

BARBOSA-NETO, M. V.; ALMEIDA, V. S.; RODRIGUES, G. G.; LEITE, S. P. 2017. Análise morfométrica e biométrica de Anomalocardia brasiliana (BIVALVIA, VENERIDAE) na Reserva Extrativista Marinha Acaú-Goiana. Anais III Simpósio de Zoologia da UFPB. João Pessoa-PB. p. 46.

BARREIRA, C.A.R.; ARAÚJO, M.L.R. 2005. Ciclo reprodutivo de Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791) (Mollusca, Bivalvia, Veneridae) na praia do canto da barra, fortim, Ceará, Brasil. Boletim do Instituto de Pesca., v. 31, n.1, p. 9-20.

CARNEIRO, M. T.; SILVA, D. M.; CHAGAS, T. G. P.; ZAHNER, V.; ASENSI, M. D.; HAGLER, A. N. 2015. Bioindicadores complementares à colimetria na análise da qualidade da água: O potencial das Leveduras no lago Juturnaíba/RJ. Sistemas & Gestão., v. 10, n. 3, p. 542-552.

CAVALCANTI, L. B. 2003 Variações das condições hidrológicas e da clorofila a associadas ao cultivo do camarão marinho Litopenaeus vannamei (Boone, 1931), na região estuarina do rio Paraíba do Norte (Paraíba Brasil). Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil, 151p.

CIDREIRA-NETO, I. R. G., NASCIMENTO, D. M., MORAES, P. X., RODRIGUES, G. G. 2018. Análise biométrica de Anomalocardia flexuosa em Área de Proteção Ambiental. Journal of Environmental Analysis and Progress., v. 3, n. 2, p. 191-199

DUSTEL, D. L., FELBECK, H. 1987. Endosymbiosis in the lucinid clams Lucinoma aequizonata, Lucinoma annulata and Lucinoma floridana: A reexamination of the functional motphology of the gills a bacteria bearing organs. Marine Bio., v. 96, n. 1, p. 79-86.

GUEDES, L. S. 2002. Monitoramento Geoambiental do Estuário do Rio Grande do Norte – por meio da cartografia temática e de produtos com sensoriamento remoto. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte. Brasil. 90p

HENTSCHELL, U., FELBECK, H. 1995. Nitrate Respiration in Chemoautotrophic Symbionts of the Bivalve Lucinoma aequizonata Is Not Regulated by Oxygen. Applied and Environmental Microbiology. v. 61, n. 4,. p. 1630–1633

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA Censo 2010. Disponível em: http://. Acessado em dezembro de 2017.

LAVANDER, H. D.; JÚNIOR, L. O. C.; OLIVEIRA, R. L.; NETO, S. R. S.; GALVEZ, A. O.; PEIXOTO, S. R. M. 2011. Biologia reprodutiva da Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791) no litoral norte de Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Ciências Agrárias., v. 6, n. 2, p. 344-350.

LUZ, JR. & BOEHS, G. 2011. Reproductive cycle of Anomalocardia brasiliana (Mollusca: Bivalvia: Veneridae) in the estuary of the Cachoeira River, Ilhéus, Bahia. Braz. J. Biol., v. 71, n. 3, p. 679-686.

NISHIDA, A.K.; NORDI, N.; ALVES, R.R.M. 2004. Abordagem etnoecológica da coleta de moluscos no litoral paraibano. Tropical Oceanography, Recife., v. 32, n. 1, p. 53-68.

OLIVEIRA, I. et al. 2011. Spatial and temporal distribution of the shellfish Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791) on Mangue Seco beach, Pernambuco, Brazil. Int. J. Aqu. Sci., v. 2, n. 1, p. 68-79.

PINTO, S. L. 2012. Os moluscos Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791) e Tagelus plebeius (Lightfoot, 1786) como bioindicadores de poluição orgânica no estuário da bacia do Pina, Recife-PE, Brasil. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, Pernambuco, Brasil, 114p.

ROCHA, L. M. 2013. Ecologia Humana e Manejo participativo da pesca do Búzio Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791) (Bivalvia: Veneridae) na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Estadual Ponta do Tubarão (RN). Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil, 139p.

RODRIGUES, A. M. L., BORGES-AZEVEDO, C. M., HENRY-SILVA, G. G. 2010. Aspectos da biologia e ecologia do molusco bivalve Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791) (Bivalvia, Veneridae). R. bras. Bioci., Porto Alegre, v. 8, n. 4, p. 377-383.

SILVA, M. R. O., GUSMÃO, N. B. 2015. Antifungal activity of leaf and bark extracts from Brazilian mangrove plants. The Battle Against Microbial Pathogens: Basic Science, Technological Advances and Educational Programs (A. Méndez-Vilas, Ed.).

SILVA, T. M. S.; LIMA, M. I. A.; MARINHO, A. G. C.; RODRIGUES, J. H. 2017. Biomorfometria e Histologia do Marisco Pedra ( Anomalocardia flexuosa) do estuário do rio Paraíba do Norte. Anais V Congresso Nacional de Educação Ambiental e Biogeografia. p. 257.

SILVEIRA, E. S., LOBATO, R. C., ABREU, P. C. 2013. Fungos e leveduras no estuário da lagoa dos patos e praia do Cassino, RS, Brasil. Atlântica, Rio Grande, v. 35, n. 1, p. 45-54.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.3.3.2018.1941.275-286

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista e Autor

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.