Pegada hídrica em indústria de beneficiamento de jeans no Agreste Pernambucano

Mirella Alexandre Viana, Elizabete Buonora de Souza Lira, Carla de Paula Gomes Coelho, Ana Paula Xavier de Gondra Bezerra, Emmanuelle Maria Gonçalves Lorena, Romildo Morant de Holanda

Resumo


A indústria de beneficiamento têxtil é um setor que apresenta elevado potencial poluidor, pois em seus processos demandam grandes volumes de água e geram efluentes quimicamente complexos.  Em resposta à necessidade de implementar técnicas e ferramentas voltadas ao gerenciamento do uso sustentável da água foi criado o conceito Pegada Hídrica (PH), que consiste no cálculo do volume total de água consumida de forma direta e indireta pelos seres humanos e nos processos de produção. Por ser um tema ainda pouco discutido, o objetivo desse estudo consistiu em avaliar a Pegada Hídrica Azul do processo de beneficiamento do jeans em quatro lavandarias têxtil localizadas no Pólo de Confecções do Agreste de Pernambuco. Foi realizada entrevista telefônica com quatro empresas (A, B, C e D) de beneficiamento de jeans localizadas na cidade de Caruaru, Pernambuco. Considerando os dados obtidos, foi possível realizar uma estimativa da pegada hídrica do processo para cada empresa estudada, onde as mesmas apresentaram PH de 17.74, 24, 14.93 e 60 litros por peças, respectivamente. Concluiu-se que o conhecimento da pegada hídrica do processo de beneficiamento têxtil mostrou que essa atividade é caracterizada como de significativo potencial poluidor devido ao elevado volume de água necessário para o seu processo produtivo e que o reuso e o correto manejo das águas residuais pode funcionar como alternativas mitigadoras.


Palavras-chave


recursos hídricos, beneficiamento têxtil, pegada hídrica

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ALLÈGRE, C.; MOULIN, P.; MAISSEU, M.; CHARBIT, F. Tratment and reuse of reactive dyeing effluents. Journal of Membrane Science.V. 269, p. 15 – 34, 2006. Disponível em: . Acesso em: 02 de ago 2017.

ALKAYA, E.; DEMIRER, G. N. Sustainable textile production: a case study from a woven fabric manufacturing mill in Turkey. Journal of Cleaner Production. V. 65, p. 595-603, 2014.

AMARAL, Marcus Vinícius et al. A QUESTÃO AMBIENTAL NO PÓLO DE CONFECÇÕES DE CARUARU: UM PRIMEIRO ENSAIO À LUZ DOS INSTRUMENTOS ECONÔMICOS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL. Estudos do CEPE, n. 35, p. 108-132, 2012.

BARROS, Regina Mambeli. Tratado sobre resíduos sólidos: gestão, uso e sustentabilidade. Rio de Janeiro: Interciência, p. 213, 2012.

BLENINGER, Tobias; KATIUCIA KOTSUKA, Luziadne. CONCEITOS DE ÁGUA VIRTUAL E PEGADA HÍDRICA: ESTUDO DE CASO DA SOJA E ÓLEO DE SOJA NO BRASIL. RecursosHídricos, v. 36, n. 1, 2015.

BOSIRE, Caroline K. et al. Trends and spatial variation in water and land foot prints of meat and milk production systems in Kenya. Agriculture, ecosystems & environment, v. 205, p. 36-47, 2015.

BUSS, M. V. ;RIBEIRO, E. F.; SCHNEIDER, I. A. H.; MENEZES, J. C. S. S.. Tratamento dos efluentes de uma lavanderia industrial: avaliação da capacidade de diferentes processos de tratamento. Revista de Engenharia Civil IMED, 2(1): 2-10, 2015.

ERCIN, A. Ertug; MEKONNEN, Mesfin M.; HOEKSTRA, Arjen Y. Sustainability of national consumption from a water resources perspective: the case study for France. Ecological Economics, v. 88, p. 133-147, 2013.

ERCIN, A. Ertug; HOEKSTRA, Arjen Y. Water footprint scenarios for 2050: A global analysis. Environment International, v. 64, p. 71-82, 2014.

FARIA, F. e PACHECO, E.. Experiências com Produção Mais Limpa no Setor Têxtil. SENAI. REDIGE – Revista de Design, Inovação e Gestão Estratégica. v. 2, n. 1, pp. 63 – 82. 2011.

FREY, K. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas. n. 21, p. 211-259, 2000.

GALLI, A. A.; WIEDMANNB T.;, ERCINC, E.; KNOBLAUCHD, D.; EWINGE, B.; GILJUMF, S.. Integrating Ecological, Carbon and Water footprint into a “Footprint Family” of indicators: definition and role in tracking human pressure on the planet. Ecological Indicators, v.16, p. 100–112, 2012.

GERBENS-LEENES, P. W. et al. Biofuel scenarios in a water perspective: The global blue and green water footprint of road transport in 2030. Global Environmental Change, v. 22, n. 3, p. 764-775, 2012.

HENKES, S. L. A política, o direito e o desenvolvimento: um estudo sobre a transposição do Rio São Francisco. Revista Direito GV. v. 10, n. 2, p. 497-534, 2014.

LORENA, Emmanuelle Maria Gonçalves et al. Analysis of the procedural and wastewater treatment at a beverage bottling industry in the state of Pernambuco, Brazil. Revista Geama, v. 2, n. 4, p. 466-472, 2016.

SILVA, V. P. R.; ALEIXO, D. O.; ALMEIDA, R. S. R.; CUNHA-CAMPOS, J. H. B.; ARAUJO, L. E. Modelo integrado das pegadas hídrica, ecológica e de carbonopara o monitoramento da pressão humana sobre o planeta. Ambiência, Guarapuava (PR), v.11 n.3 p. 639 – 649, 2015.

SILVA, V. P. R.; ALEIXO, D. O.; DANTAS, J.; MARACAJÁ, K. F. B.; ARAUJO, L. E. Uma medida de sustentabilidade ambiental: Pegada hídrica. Campina Grande – UAEA/UFCG. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. v. 17, n. 1, p. 100-105, 2013.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.3.1.2018.1723.061-068

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista e Autor

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.