Proposta metodológica interdisciplinar como ferramenta para o potencial de conservação de nascentes

Lívia Câmara Machado, Vanice Santiago Fragoso Selva, Simone Machado Santos

Resumo


Em decorrência dos problemas vivenciados pelos usos e apropriações inadequadas de áreas de nascentes, impactos negativos são visíveis e dificultam a conservação destas fontes que são importantes formas de acesso à água no meio rural. A realidade aponta alguns conflitos para a conservação de nascentes, que vai desde a forma de uso e ocupação do território até as práticas realizadas pela comunidade. Neste sentido, tornam-se relevantes estudos que tem por finalidade suprir lacunas metodológicas no campo de pesquisa, voltadas para as ações de conservação e recuperação de nascentes como ferramenta prática que permita a participação e apoio da comunidade para o uso adequado das nascentes. O estudo propõe adequações metodológicas com a inserção de uma abordagem política para a avaliação do potencial de conservação de nascentes utilizadas para o abastecimento humano. A adequação metodológica foi elaborada a partir de pesquisas bibliográficas e consultas nas bases de dados na área de ciências ambientais, buscando o aporte científico através de estudos direcionados nas metodologias e pesquisas existentes e relacionados ao tema. A proposta potencializa as próprias ações de conservação e recuperação, subsidiando futuras ações e projetos de recuperação, respeitando o contexto local e o uso da água por parte dos usuários. Destarte, espera-se contribuir para a superação dos conflitos existentes entre conservação e utilização dos recursos naturais, em específico, dos usos e práticas realizadas nas nascentes nos espaços rurais.

Palavras-chave


conservação de nascentes, adequação metodológica, interdisciplinaridade

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ARAÚJO N. C. F. de, 2012. Conflitos ambientais tendo como objeto o uso da água de reservatório público. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, Pernambuco. 139p.

BALBINOT, R., et. al., 2008. O papel da floresta no ciclo hidrológico em bacias hidrográficas. Ambiência - Revista do Setor de Ciências Agrárias e Ambientais, v.4, n.1. pp. 1-19.

BARRETO, S. R.; RIBEIRO, S. A.; BORBA, M. P. 2010. Nascentes do Brasil: estratégias para a proteção de cabeceiras em bacias hidrográficas. WWF – BRASIL, São Paulo.

BRAGA, B., et. al., 2005. Introdução à Engenharia Ambiental. Pearson Prentice, São Paulo.

BRAGA, R. A. P., 2011. As Nascentes como Fonte de Abastecimento de Populações Rurais Difusas. Revista Brasileira de Geografia Física, v.5, p. 974-985.

BRAGA, R. A. P.; SILVA, C. E. M.; CAVALCANTI, C. A. V. 2013. Guia para adequação ambiental em assentamentos rurais: a partir da experiência em assentamentos rurais da zona da mata de Pernambuco. ANE, Recife.

BRASIL, 2010. Lei nº 12.188, de 11 de janeiro.

BRASIL, 2012. Lei nº 12.651, de 25 de maio.

BORIN, M, et. al., 2010. Multiple functions of buffer strips in farming areas. Europ. J. Agronomy, n.32. pp.103–111.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente, 2000. Resolução n° 274: critérios de balneabilidade em águas brasileiras Brasília.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente, 2002. Resolução n° 303: parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Brasília.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente, 2005. Resolução n° 357: classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes. Brasília.

DAVIS, et al., 2016. Springs: Conserving perennial water is critical in arid landscapes. Biological Conservation, n.211, p. B. pp. 30-35.

DUARTE, F. V., et. al., 2004. Projeto Olho D’água - Preservação e Recuperação de Nascentes. Anais do II Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, UFMG. pp. 1-8.

FELIPPE, M. F., MAGALHÃES JUNIOR, A. P., 2013. Conflitos conceituais sobre nascentes de cursos d’água e propostas de especialistas, Geografias, v. 9, n.1, pp.70–81.

LAINI, A., et. al., 2012. Herbicide contamination and dispersion pattern in lowland springs. The science of the Total Environment, n. 438, pp. 312-318.

KRUTZ, L, 2005. Reducing herbicide runoff from agricultural fields with vegetative filter strips: a review. Weed Science, v. 53, pp. 353–367.

LEFF, E., 2009. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. .Petrópolis, Rio de Janeiro.

LITTLE, P. E., 2001. Os conflitos socioambientais: um campo de estudo e de ação política, In: A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais. 1 ed. pp. 107-122. GARAMOND, Rio de Janeiro.

MACHADO, L. C., 2013. O Papel das Nascentes na Sustentabilidade de Assentamentos Rurais. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, Pernambuco. 125p.

MENDONÇA, M. G., 2000. Políticas e condições ambientais de Uberlândia – MG, no contexto estadual e federal. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Minas Gerais. 84p.

MIRANDA, R. de S., 2011. Os desafios da Organização em Assentamentos Rurais. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v.6, n.2, pp. 41 – 48.

MS. Ministério da Saúde, 2011. Portaria n° 2914: procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Brasília.

OLIVEIRA, C. R. de. 2014. Qualidade da água e conservação de nascentes em assentamento rural na mata pernambucana. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, Pernambuco. 141p.

PALIVODA. A. P., POVALUK, M., 2015. Avaliação do estado de conservação de nascentes localizadas em áreas rurais do município de Itaiópolis, SC. Saúde & Meio Ambiente: Revista Interdisciplinar, v.4, n.1, pp. 17-31.

PEREIRA, L. C., 2012. Uso e conservação de nascentes em assentamentos rurais. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, Pernambuco. 181p.

PINTO, L. V. A., 2003. Caracterização física da sub-bacia do Ribeirão Santa Cruz, Lavras, MG, e proposta de recuperação de suas nascentes. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Lavras. Lavras, Minas Gerais. 165p.

PINTO, L. V. A., et. al., 2004. Estudo das nascentes da bacia hidrográfica do Ribeirão Santa Cruz, Lavras, MG. Scientia Florestalis, n.65, pp. 197-206.

RESENDE, H. C., et. al., 2009. Diagnóstico e ações de conservação e recuperação para as nascentes do Córrego-feio, Patrocínio, MG. Bioscience Journal, v. 25, n.5, pp.112-119.

RIBEIRO, A. S. 2014. Estado de conservação das nascentes do alto trecho do Rio Pajeú, Pernambuco, Brasil. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco. 202p.

RODRIGUES, R.R. & GANDOLFI, S. 2000. Conceitos, tendências e ações para a recuperação de florestas ciliares. In Matas ciliares: conservação e recuperação. 1 ed. pp. 235-247. EDUSP; FAPESP, São Paulo.

ROSSI, P. M., et. al., 2015. Environmental conditions of boreal springs explained by capture zone characteristics. Journal of Hydrology, v.531, p.3, 992-1002.

SILVA, C. E. M., Braga, R. A. P., 2010. Conservação de nascentes na adequação ambiental de assentamentos rurais. X Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste, Fortaleza, Ceará, Brasil, ABRH. pp. 1-19

SILVA, M. de S. et al. 2017. Avaliação da cobertura do solo como indicador de gestão de recursos hídricos: um caso de estudo na sub‑bacia do Córrego dos Bois, Minas Gerais. Engenharia Sanitária Ambiental, v. 22. n.3. pp. 445-452.

VALENTE, O. F., Gomes, M. A., 2011. Conservação de nascentes: produção de água em pequenas bacias hidrográficas, Aprenda Fácil, Minas Gerais.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.3.1.2018.1660.008-023

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista e Autor

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.