Definição de ambientes de produção para a cultura da Atriplex no estado de Pernambuco

Carlos Tiago Amâncio Rodrigues, Thieres George Freire da Silva, Herica Fernanda de Sousa Carvalho, Magna Soelma Beserra de Moura

Resumo


Identificar ambientes propícios para exploração de culturas é essencial em detrimento do planejamento estratégico do estado, auxiliando na formação de politicas públicas e tomada de decisão. Nesse contexto, uma das espécies de grande importância em regiões áridas e semiáridas é a Atriplex numulária, que possui potencial forrageiro, apresentando ótima tolerância ao estresse hídrico e condições adversas de salinidades. Diante do contexto, este estudo teve como objetivo realizar a identificação de áreas com potencial produtivo para o cultivo da Erva Sal (Atriplex numulária) no estado de Pernambuco. Para tanto, foi elaborado o zoneamento pedoclimático, a partir das exigências climáticas da cultura e mapeamento de solos do Estado. Foram usados dados climatológicos mensais de precipitação pluvial e temperatura observada e estimada em função das das coordenadas planialtimétricas, de 291 postos pluviométricos. Os mapas do zoneamento pedoclimático e produtividade foram elaborados usando o Sistema de Informações Geográficas (SIGs). A identificação das áreas pedoclimaticamente aptas ao cultivo, e a estimativa da produtividade em intervalos de corte e densidade distintos, foram mapeados. A partir dos resultados constatou-se que, as condições de temperatura do ar acima de 24oC, e precipitação abaixo de 1200 mm são ideais para o cultivo da erva sal, com algumas áreas restrita em relação ao solo. Embora algumas regiões apresentaram baixa produtividade, a maior parte do estado de Pernambuco apresentou aptidão ao cultivo da Erva Sal.


Palavras-chave


zoneamento agroclimático, salinidade, semiárido

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ABIMAQ. 2016. Atualização da área irrigada no Brasil. Sao Paulo, 2p. Disponível em: http://www.agr.feis.unesp.br/pdf/csei_area_irrigada_brasil.pdf. Acesso em: 20 abr. 2017.

ALPHA, C. C.; CHIANG, A. C. 2005. Matemática para economistas. São Paulo. Pearson Makron Books.

AZEVEDO, B. M. 1999. Evapotranspiração de referência obtida com a razão de Bowen, lisímetro de pesagem e equação de Penman-Monteith utilizando sistemas automáticos. Tese de Doutorado, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 81p.

BERNARDO, S.; SOARES, A. A.; MANTOVANI, E. C. 2008. Manual de irrigação. Universidade Federal de Viçosa. 8a Edição.

DECAGON DEVICES. 2016. GS3 Water content, EC Temperature Sensor: Operator’s Manual. Pullman: Decagon Devices, 2016. 27p. Disponível em: http://manuals.decagon.com/Manuals/13822_GS3_Web.pdf. Acesso em: 11 maio 2017.

EMBRAPA. 1997. Manual De Métodos de Análise de Solo. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Rio de Janeiro. Segunda Edição.

EMBRAPA. 2006. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Rio de Janeiro. Segunda edição.

EMBRAPA. Brasil está entre os países com maior área irrigada do mundo. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/12990229/brasil-esta-entre-os-paises-com-maior-area-irrigada-do-mundo. Acesso em: 20 mar. 2017.

FARIA, R. T. D.; BOWEN, W. T. 2003. Evaluation of DSSAT soil-water balance module under cropped and bare soil conditions. Brazilian Archives of Biology and Technology, v. 46, n. 4, p. 489-498.

JONES, J. W.; HOOGENBOOM, G.; PORTER, C. H.; BOOTE, K. J.; BATCHELOR, W. D.; HUNT, L. A.; WILKENS, P. W.; SINGH, U.; GIJSMAN, A. J.; RITCHIE, J. T. 2003. The DSSAT cropping system model. European Journal of Agronomy, v. 18, n. 3, p. 235-265.

MALEK, E. 1993. Rapid changes of the surface soil heat flux and its effects on the estimation of evapotranspiration. Journal of Hydrology, v. 142, n. 1, p. 89-97.

MARINHO, L. B.; FRIZZONE, J. A.; TOLENTINO JÚNIOR, J. B.; PAULINO, J.; FLUMIGAN, D. L.; GÓES, D. B. 2016. Dinâmica da água no sistema solo-planta no cultivo da pimenta tabasco sob déficit hídrico. Irriga: Edição Especial - Irrigação, v. 1, n. 1, p. 246-261.

MENTZER, J. T.; BIENSTOCK, C. C. 1998. Sales forecasting management: understanding the techniques, systems and management of the sales forecasting process. SAGE Publications, Incorporated, ISBN 0761908234.

POPPER, K. 2005. The logic of scientific discovery. Routledge ISBN 1134470029.

RIGHES, A. A.; AMARAL, L. G. H. DO; COSTA, R. D.; ROSA, G. M. DA; WILLES, J. A.; GOMES, A. C. DOS S. 2003. Determinação da água no solo e na planta para irrigação. Santa Maria: Imprensa Universitária. 97p.

RITCHIE, J. T. 1985. A user-orientated model of the soil water balance in wheat. In: Wheat growth and modelling. Springer US. pp. 293-305.

RITCHIE, J. T. 1998. Soil water balance and plant water stress. In: Understanding options for agricultural production. Springer Netherlands. pp. 41-54.

RODRIGUES, T. R. I.; BATISTA, H. S.; CARVALHO, J. M. DE; GONÇALVES, A. O.; MATSURA, E. E. 2001. Uniformidade de distribuição de água em pivô central, com utilização da técnica TDR na superfície e no interior do solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 5, n. 2, p. 187-191.

SILVA, F. C. 2000. Determinação da evapotranspiração utilizando o método do balanço de energia e lisímetro de pesagem. Tese de Doutorado, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, São Paulo. 81p.

TMG. Tropical Melhoramento & Genética. Cultivares de soja sul do Brasil. Disponível em: http://www.tmg.agr.br/cultivar/tmg-7262-rr. Acesso em: 20 mar. 2017.

TOPP, G. C.; DAVIS, J. L.; ANNAN A. P. 1980. Eletromagnetic determination of soil water content: measurements in coaxial transmission line. Water Resource Research, v. 16, n. 3, p. 574-582.

VAN GENUCHTEN, M. T. VAN. 1980. A closed form equation for predicting the hydraulic conductivity of unsaturated soils. Soil Science Society of America Journal, v. 44, p. 892-898.

WILLMOTT, C. J. 1982. Some comments on the evaluation of model performance. Bulletin of the American Meteorological Society, v. 63, n. 11, p. 1309-1313.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.2.3.2017.1476.302-311

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Journal of Environmental Analysis and Progress

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.