Índice de vegetação como subsídio na identificação de áreas com potenciais a desertificação

Joelia Natália Bezerra da Silva, Jéssica Laís Bezerra da Silva, Antonio Marcos dos Santos, Aldenice Correia da Silva, Josiclêda Domiciano Galvíncio

Resumo


A desertificação é um problema ambiental que afeta centenas de hectares de terras localizadas nas regiões secas de várias partes do planeta. Para identificação das áreas em processo de desertificação vários mecanismos vêm sendo empregados, entre eles o sensoriamento remoto. Neste contexto, o objetivo deste trabalho é identificar as áreas com potenciais à desertificação nos municípios de Santa Maria da Boa Vista e Lagoa Grande, Pernambuco, através do SAVI (Soil Ajusted Vegetation Index). Para isto, foram empregadas duas imagens obtidas pelos satélites Landsat 5 e Landsat 8 referente aos anos de 2005 e 2015, respectivamente. Os resultados indicam que os dois municípios apresentam áreas com diferentes potenciais à desertificação, principalmente, as correlacionadas à caatinga esparsa e as regiões com solo exposto. Áreas que oscilaram entre queda e aumento de espaços ocupados entre os dois anos devido à sensibilidade do índice aos eventos pluviométricos que modificaram a estrutura da cobertura vegetal. Neste contexto, o SAVI mostrou-se eficiente na identificação das áreas com diferentes potencias a desertificação na área de estudo, porém, deve ser empregado com auxílio de outro método de mapeamento, visto que, os reflexos das chuvas na vegetação podem comprometer o processo de identificação das áreas de risco.

Palavras-chave


caatinga, degradação, sensoriamento remoto

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


BRASIL. 2007. Atlas das áreas susceptíveis à desertificação no Brasil. MMA, Brasília.

BELTRÃO, B.A., et al. 2006. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea. Diagnóstico do município de Petrolina, estado de Pernambuco. CPRM/PRODEEM, Recife.

BEZERRA, S. A.; CANTALICE, J. R. B. 2006. Erosão entre sulcos em diferentes condições de cobertura do solo, sob cultivo da cana-de-açúcar. Rev.

Bra. Ciê. Sol., [s.l.], v.30, n.3, p.565-573.

BORATTO, I. M. P; GOMIDE, R. L. 2013. Aplicação dos índices de vegetação NDVI, SAVI e IAF na caracterização da cobertura vegetativa da região norte de Minas Gerais. Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto-SBSR, Foz do Iguaçu - PR, Brasil, INPE. pp. 7345-7352.

CODEVASF. 2007. BRASIL. MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - Estudo de Impacto Ambiental. Projeto Pontal Norte. Projetec. v.1, estudos preliminares.

CASTRO, F. C.; SANTOS, A. M. 2015. Susceptibilidade ambiental a salinização das terras em municípios da microrregião de Petrolina - Pernambuco - Brasil. Cam. Geo., n.56, v.16, p.160-172.

GARCÍA, P.; PEREZ. E. 2016. Mapping of soil sealing by vegetation indexes and built-up index: A case study in Madrid (Spain). Geoder. v.268, p.100-107.

FIGUEIREDO, A. C. 2014. Dinâmica da vegetação e regime de precipitação em bacia hidrográfica da região semiárida de Pernambuco. Tese de Doutorado, Universidade Federal Rural de Pernambuco. Recife, Pernambuco. 167p.

HUETE, A. R. 1988. Adjusting vegetation indices for soil influences. Int. Agro., n.5, v.4, p.367-376.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População. Resultados da Amostra. Disponível em http: “http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=8” [Acesso em 02 de fevereiro de 2017].

MARCUSSI, A. B.; BUENO, C. R. P.; MIQUELONI, D. P.; ARRAES, C. L. 2010. Utilização de índices de vegetação para os sistemas de informação geográfica. Cam. Geo., v.11, n.35, p.41, 2010.

NOVO, E. M. L. M. 2010. Sensoriamento Remoto: princípios e aplicações. Edgard Blucher, São Paulo.

D’ODORICO, P.; BHATTACHAN, A.; DAVIS, K .F.; RAVI, S.; RUNYA, C.W. GLOBAL DESERTIFICATION: DRIVERS AND FEEDBACKS. 2013. Adv. Wat. Res., v.51, p.326–344.

PONZONI, F. J. 2009. SHIMABUKURO, YOSIO EDEMIR. Sensoriamento Remoto no Estudo da Vegetação. Parêntese, São José dos Campos.

REGÔ, S. C. A.; LIMA, P. P. S.; LIMA, M. N. S. 2012. Análise comparativa dos índices de vegetação NDVI e SAVI no município de São Domingos do Cariri- PB. Ver. GEO., ed. Especial, v.2, n.4 p.1229.

ROSENDO, J. S. 2005. Índices de vegetação e monitoramento do uso do solo e cobertura vegetal na bacia do rio Araguari- MG- utilizando dados do sensor Modis. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Uberlândia. 130p.

SANTOS, A. M.; GALVIÍNCIO, J. D. 2013. Mudanças Climáticas e Cenários de Susceptibilidade Ambiental à Desertificação em Municípios do Estado de Pernambuco. OBS., v.5, n.15, p.24-47.

SILVA, F. C.; CRUZ, M. L. B. 2016. Analise da fisionomia da cobertura vegetal em ambientes semiáridos: caso do município de Jaguaretama, estado Ceará. Ver. Reg., v.2 n. especial, p.801-809.

SILVA, F. H. B. B; SILVA, M. S. L; CAVALCANTI, A. C.; CUNHA, T. J. F. 2010. Principais solos do semiárido do nordeste do Brasil. Biblioteca digital da Embrapa, Recife. Acesso em: < https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CPATSA/34392/1/OPB1114.pdf>

SILVA, P. P. L; MACHADO, C. C. C; SILVA, B. S; GALVÍNCIO, J. D. 2013. Analise espaço-temporal do IVAS e da temperatura da superfície no município de Serra Talhada-PE. XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto-SBSR, Foz do Iguaçu - PR, Brasil, INPE. p p.6869-6876.

SOARES, D. B; FILHO, F. O. M.; NOBREGA, R. S.; OLIVEIRA, T. H. 2010. Geoprocessamento e sensoriamento remoto como ferramentas de desertificação de áreas em processo de desertificação. In. GALVÍNCIO, J. D. (Orga.). Mudanças climáticas e impactos ambientais. p.35-56. EDUPE, Recife.

VILHENA, D. C.; JÚNIOR. S. S. T.; NETA. L. C. B. 2012. O sensoriamento remoto como recurso didático no ensino da geografia. Rev. GEON., ed. Especial, v.2; p.1624.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.2.4.2017.1469.358-367

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Journal of Environmental Analysis and Progress

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.