Estabelecimento de Myracrodruon urundeuva Allemão com inoculação de micro-organismo sob diferentes condições de luminosidades

Maria Jucicléa dos Santos Medeiros, Rafaela Lopes de Sousa, Douglas Moreira de Oliveira, Ana Paula Alves da Silva, André Luiz Alves de Lima

Resumo


Em ambientes semiáridos as plantas estão sujeitas a condições estressantes devido altas temperaturas, intensidade luminosa e longa estiagem, que são limitantes para estabelecimento das plântulas. Uma forma de minimizar os estresses é inoculando rizobactérias promotoras do crescimento de plantas (RPCP). Objetivou-se avaliar, em diferentes condições de luminosidade, a eficácia da inoculação de uma RPCP no desenvolvimento de plântulas de Myracrodruon urundeuva Allemão. Foram aplicados 4 tratamentos: Pleno sol com inóculo; Pleno sol sem inóculo; 70% sombreamento com inóculo e 70% sombreamento sem inóculo.  Realizou-se coletas de dados quinzenalmente de altura, diâmetro, número de folhas e temperatura foliar (Tf). O déficit de pressão de vapor foi determinado através da temperatura e umidade do ar. Foram avaliadas parâmetros de potencial hídrico foliar, biomassa, área foliar, área foliar específica e área radicular. As plântulas apresentaram maior crescimento sob sombreamento, demonstrando mecanismo de desenvolver-se melhor em baixa luminosidade, e a inoculação da bactéria proporcionou aumento em altura e diâmetro das plântulas, além de maior Tf na maioria dos dias. As plântulas dos tratamentos ao sol investiram mais em biomassa radicular, enquanto que no sombreamento investiram mais na parte aérea. O potencial hídrico não variou entre os tratamentos, indicando que ajustaram-se às condições submetidas. Conclui-se que o uso RPCP é bastante promissor, especialmente, para implantação de espécies vegetais na recuperação de áreas degradadas, bem como a condição de maior sombreamento favorece o estádio inicial de desenvolvimento das plântulas.

Palavras-chave


aroeira, caatinga; plântula; rizobactéria; traços funcionais.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


AUGSPURGER, C. K. 1984. Light requirements of neotropical tree seedlings: a comparative study of growth and survival. Journal of Ecology, v.77, p.777-795.

ANDRADE, M. W.; LUZ, J. M. Q.; LACERDA, S. A.; MELO, P. R. A. 2000. Micropropagação da Aroeira (Myracrodruon urundeuva Fr. All) Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v.24, n.1, p.174-180.

ANDRADE, I. L. 2012. Morfologia de sementes, plântulas e crescimento inicial de cinco espécies da caatinga. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza., Ceará, Brasil. 70p.

ANDRADE LIMA, D. 1986. Plantas das Caatingas. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências.

BARBOSA, M. L.; SILVA, T. G. F.; SILVA, A. C.; ALMEIDA, M. G.; LIMA, A. L. A.; SOUZA, C. A. A. 2013. Crescimento Inicial de Espécies Ocorrentes no Semiárido Brasileiro: Biomassa, Biometria e Análise Morfogênica. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 6, n. 3, p. 522-539.

BROWN, K. M. 1997. Ethylene and abscission. Physiologia Plantarum, v.100, n.3, p.567-576.

CORNELISSEN, J. H. C.; LAVOREL, S.; GARNIER, E.; DÍAZ, S.; BUCHMANN, N.; GURVICH, D. E.; REICH, P. B.; TER STEEG, H.; MORGAN, H. D.; VAN DER HEIJDEN, M. G. A.; PAUSAS, J. G.; POOTER, H. 2003. A handbook of protocols for standarised and easy measurement of plant functional traits worldwide. Australian Journal of Botany, v.51, n.4. p. 335–380.

DIDONET, A. D. 1993. Aspectos do mecanismo de ação fisiológica associada à promoção do crescimento radicular de trigo (Triticum aestivum L.) por bactérias do gênero Azospirillum. Tese de Doutorado, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo. Brasil. 80p.

ENGEL, V. L.; POGGIANI, F. 1990. Influência do sombreamento sobre o crescimento de mudas de algumas essências nativas e suas implicações ecológicas e silviculturais. IPEF, v. 43, n. 44, p.1-10.

FALLIK, E.; OKON, Y. 1996. Inoculants of Azospirillum brasilense: biomass production, survival and growth promotion of Setaria italica and Zea mays. Soil Biology and Biochemistry, v. 28, n. 1, p. 123-126.

FELSEMBURG, C. A. 2009. Respostas fotossintéticas à variação da temperatura foliar do dossel na Flona dos Tapajós- PA. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, Piracicaba, São Paulo, Brasil.

FETENE, M.; FELEKE, Y. 2001. Growth and photosynthesis of seedlings of four tree species from a dry Tropical afromontane forest. Journal of Tropical Ecology, v.17, p. 269-283.

GENTRY, A. H. 1995. Diversity and floristic composition of neotropical dry forests. In Seasonally dry tropical forests (S.H. Bullock, H.A. Mooney & E. Medina eds.). Cambridge University Press, New York, p.146-194.

GIRÃO, K. T. 2013. Biometria de sementes, morfologia de plântulas e crescimento inicial de mudas de quimiotipos de Myracrodruon urundeuva Allemão. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.

GLICK, B. R.; TODOROVIC, B.; CZARNY, J.; CHENG, Z.; DUAN, J.; MCCONKEY, B. 2007. Promotion of plant growth by bacterial ACC deaminase. Critical Reviews in Plant Sciences, v.26, 227–242.

IBAMA. Lista Oficial das Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção. 2008. In “http://www.mma.gov.br/estruturas/ascom_boletins/_arquivos/83_19092008034949.pdf”. [Acesso em 04, Fevereiro, 2017].

KITAO, M.; LEI, T. T.; KOIKE, T.; TOBITA, H.; MARUYAMA, Y. 2000. Susceptibility to photoinhibition of three deciduous broadleaf tree species with different successional traits raised under various light regimes. Plant, Cell and Environment, v. 23, p.81-89.

KUSS, A. V.; KUSS, V. V.; HOLTZ, E. K.; LOVATO, T. 2007. Inoculação de bactérias diazotróficas e Desenvolvimento de plântulas de arroz irrigado em Solução nutritiva e câmara de crescimento. Revista da FZVA. Uruguaiana, v. 14, n. 2, p. 23-33.

KING, D. 1994. Influence of light level on the growth and morphology of saplings in a Panamanian forest. American Journal of Botany, v. 81, n. 8, p. 948-957.

KOZLOWSKI T. T.; KRAMER P.J.; PALTARDY S.G. 1991. The physiological ecology of woody plants. San Diego: Academic Press.

LEAL I. R.; TABARELLI. M.; SILVA. J. M. C. 2003. Ecologia e Conservação da Caatinga. Recife: Ed. Universitária da UFPE. p.822.

LIMA, J. D.; SILVA, B. M. S.; MORAES, W. S. 2006. Efeito da luz no crescimento de plântulas de Virola surinamensis (Rol.) Warb. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal. Publicação Científica da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal de Garça/Faef, v.4, n.8.

MANSUR, R. J. C. N.; BARBOSA, D. C. A. 2000. Comportamento fisiológico em plantas jovens de quatro espécies lenhosas da caatinga submetidas a dois ciclos de estresse hídrico. Phyton, v. 68, p.97-106.

MARTÍNEZ-MORALES, L. J.; SOTO-URZÚA, L.; BACA, B. E.; SÁNCHEZ-AHÉDO, J. A. 2003. Indole-3-butyric acid (IBA) production in culture medium by wild strain Azospirillum brasilense. FEMS Microbiology Letters, v. 228, p. 167-173.

MARIMON, B. S.; FELFILI, J. M.; JUNIOR, B. H. M.; FRANCO, A. C.; FAGG, C. W. 2008. Desenvolvimento inicial e partição de biomassa de Brosimum rubescens Taub. (Moraceae) sob diferentes níveis de sombreamento. Acta Botanica Brasilica, v.22, n.4, p.941-953.

MILES L.; NEWTON, A.; DEFRIES, R., RAVILIOUS, C.; MAY, I.; BLYTH, S.; KAPOS, V.; GORDON, J. 2006. A global overview of the conservation status of tropical dry forests. Journal of Biogeography, Oxford, v. 33, p. 491–505.

MOREIRA, F. M. S.; SIQUEIRA, J. O. 2006. Fixação biologica de nitrogênio atmosférico. In: MOREIRA, F. M. S.; SIQUEIRA, J. O. Microbiologia e Bioquímica do Solo. 2ª ed., Lavras: Editora UFLA, p.449-542.

MORAES NETO, S. P.; GONÇALVES, J. L. M.; TAKAKI, M.; CENCI, S.; GONÇALVES, J. C. 2000. Crescimento de mudas de algumas espécies arbóreas que ocorrem na mata atlântica, em função do nível de luminosidade. Revista Árvore, v. 24, n. 1, p.35-45.

NAKAZONO, E. M.; COSTA, M. C.; FUTATSUGI, K.; PAULILO, M. T. S. 2001. Crescimento inicial de Euterpe edulis Mart. em diferentes regimes de luz. Revista brasileira de Botânica, v.24, n.2, p.173-179.

NODARI, R. O.; REIS, M. S.; FANTINI, A. C.; MANTOVANI, A.; RUSCHEL, A.; WEITER, L. J. 1999. Crescimento de mudas de palmiteiro (Euterpe edulis Mart.) em diferente condições de sombreamento e densidade. Revista Árvore, v. 23, n. 3, p. 285-292.

NUNES, Y. R. F.; FAGUNDES, M.; ALMEIDA, H. S.; VELOSO, M. D. M. 2008. Aspectos Ecológicos da Aroeira (Myracrodruon urundeuva Allemão - Anacardiaceae): Fenologia e germinação de sementes. Revista Árvore, Viçosa-MG, v. 32, n. 2, p.233-243.

PÉREZ-HARGUINDEGUY, N.; DÍAZ, S.; GARNIER, E.; LAVOREL, S.; POORTER, H.; JAUREGUIBERRY, P.; BRET-HARTE, M. S.; CORNWELL, W. K.; CRAINE, J. M.; GURVICH, D. E.; URCELAY, C.; VENEKLAAS, E. J.; REICH, P. B.; POORTER, L.; WRIGHT, I. J.; RAY, P.; ENRICO, L.; PAUSAS, J. G.; VOS, A. C.; BUCHMANN, N.; FUNES, G.; QUÉTIER, F.; HODGSON, J. G.; THOMPSON, K.; MORGAN, H. D.; TER STEEGE, H.; VAN DER HEIJDEN, M.G. A.; SACK, L.; BLONDER, B.; POSCHLOD, P.; VAIERETTI, M. V.; CONTI, G.; STAVER, A. C.; AQUINO, S.; CORNELISSEN, J. H. C. 2013. New handbook for standardised measurement of plant functional traits worldwide. Australian Journal of Botany, v.61, n.3, p. 167-234.

RAMOS, K. M. O.; FELFILI, J. M.; FAGG, C. W.; SOUSA-SILVA, J. C.; FRANCO, A. C. 2004. Desenvolvimento inicial e repartição de biomassa de Amburana cearenses (Allemao) A.C. Smith, em diferentes condições de sombreamento. Acta Botanica Brasilica, v. 18, n. 2, p. 351-358.

RICKLEFS, ROBERT. E. 2010. Economia da natureza: Sucessão ecológica e desenvolvimento da comunidade. Guanabara koogan. Rio de Janeiro. 6 ed. p. 349-365.

RIZZINI, C.T. 1995. Árvores e Madeiras Úteis do Brasil: manual de dendrologia brasileira. ed.2. São Paulo, Edgard Blucher. p. 296.

SAMPAIO, E. V. S. B.; RODAL, M. J. N. 2000. Fitofisionomia da Caatinga. In: Avaliação e identificação de ações prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade do bioma Caatinga. Petrolina, PE., p. 2-14. Documento para discussão no GP Botânica.

SACRAMENTO, A. C. et al. Parque Estadual Mata da Pimenteira: Plano de Manejo. ed.1. Serra Talhada-PE. 2013.

SILVA, T. G. F.; ALMEIDA, A. Q. 2013. Climatologia e Características Geomorfológicas. In: SANTOS, E. M.; JÚNIOR, M. M.; SILVA-CAVALCANTI, J. S.; ALMEIDA, G. V. L. (org) Parque Estadual Mata da Pimenteira: Riqueza Natural e Conservação da Caatinga. Recife: EDUFRPE, p. 257.

SILVEIRA, E. L. 2008. Inoculações de bactérias promotoras de crescimento no cultivo de arroz em solução nutritiva. Jaboticabal. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista. Jaboticabal, São Paulo, Brasil.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. 2002. Plant Physiology. 3 ed. Sinauer Associates, Inc., Publishers.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. 2004. Fisiologia Vegetal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, p.719.

TROVÃO, D. M. B. M.; FERNANDES, P. D.; ANDRADE, L. A.; NETO, J. D.; OLIVEIRA, A. B.; QUEIROZ, J. A. 2004.. Avaliação do potencial hídrico de espécies da Caatinga sob diferentes níveis de umidade no solo. Revista de Biologia e Ciências da Terra. v.4, n.2.

YANG, J.; KLOEPPER, J. W.; RYU, C. M. 2009. Rhizosphere bacteria help plants tolerate abiotic stress. Trends in Plant Science, USA, v.14, n.1, p. 1-4.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.2.4.2017.1461.482-492

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Journal of Environmental Analysis and Progress

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.