Emergência e crescimento inicial de Amburana cearensis sob aumento da temperatura e dióxido de carbono

Danielle Carolina Campos da Costa, Jaciara de Souza Bispo, Gilmara Moreira de Oliveira, Francislene Angelotti, Bárbara França Dantas

Resumo


A concentração de dióxido de carbono [CO2] na atmosfera tem aumentado nos últimos anos, como consequência poderá causar efeitos diretos e indiretos nos agroecossistemas, e um dos biomas que mais sofrerá com esta mudança será a Caatinga. A Amburana cearensis é uma espécie nativa desse bioma e muito utilizada para fins medicinais, madeireiro, ornamental e forrageiro. Diante disso, objetivou-se com este trabalho avaliar o efeito do aumento da [CO2] sobre a emergência e crescimento inicial de plântulas de A. cearensis. O experimento foi conduzido em câmaras de crescimento, tipo Fitotron, com controle de temperatura, [CO2], umidade e fotoperíodo. As sementes foram semeadas em tubetes contendo substrato comercial e submetidas a dois regimes de temperatura (18-24-30 °C e 22-28-34 °C) e duas [CO2] (390 e 770 ppm), durante 56 dias. Foram avaliados porcentagem de emergência, tempo médio de emergência, velocidade média de emergência, índice de velocidade de emergência, número de folhas, diâmetro do colo, índice relativo de clorofila, comprimento, peso fresco e seco total das plântulas. Quando avaliados de maneira isolada, a temperatura e a concentração de CO2 apresentaram influência sobre o peso fresco total das plântulas de A. cearensis. A interação entre temperatura e [CO2] não influenciou na emergência de plântulas. No crescimento inicial de plântulas apenas as variáveis diâmetro do colo e peso seco foram influenciadas por esta interação

Palavras-chave


Caatinga, mudanças climáticas, umburana-de-cheiro

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


AGUIAR, R. W. S.; BRITO, D. R; OOTANI, M. A., FIDELIS, R. R.; PELUZIO, J. N. 2012. Efeito do dióxido do carbono, temperatura e armazenamento sobre sementes de soja e micoflora associada. Revista Ciência Agronômica, v.43, n.3, p.554-560.

AMBRIZZI, T.; ARAÚJO, M. 2012. Sumário Executivo do Volume 1 - Base Científica das Mudanças Climáticas. Contribuição do Grupo de Trabalho 1 para o 1º Relatório de Avaliação Nacional do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. Rio de Janeiro: Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas, 34p.

ANGELOTTI, F.; SÁ, I. B.; MELO, R. F. 2009. Mudanças climáticas e Desertificação no Semiárido Brasileiro. In: ANGELOTTI, F.; SÁ, I.B.; MENEZES, E.A.; PELLEGRINO G.Q.; Editores. Mudanças climáticas e desertificação no Semiárido brasileiro. Petrolina, PE: Embrapa Semiárido, Embrapa Informática Agropecuária.

ATKIN, O. K.; SCHEURWATER, I.; PONS, T. L. 2007. Respiration as a percentage of daily photosynthesis in whole plants is homeostatic at moderate, but not high, growth temperatures. New Phytologist, v. 174, n. 2, p. 367-380.

BROWN, J. H.; VALONE, T. J.; CURTIN, C. G. 1997. Reorganization of an arid ecosystem in response to recent climate change. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 94, n. 18, p. 9729-9733.

BUCKERIDGE, M. S. 2008. A biologia e as mudanças climáticas no Brasil. São Carlos: Ed. RiMa, 316p.

CARDOSO, V. J. M. 2011. Metodologia para análise da dependência térmica da germinação pelo modelo de graus-dia. Oecologia Australis, v. 15, n.2, p. 236-248.

CASTRO, P. R. C.; KLUGE, R. A.; PERES, L. E. P. 2005. Manual de fisiologia vegetal: teoria e prática. Piracicaba: Ed. Agronômica Ceres, 650p.

CENTRITTO, M.; LEE, H. S.; JARVIS, P. 1999. Increased growth in elevated [CO2]: an early, short-term response? Global Change Biology, v. 5, n. 6, p. 623-633.

CRAFS-BRANDNER, S. J.; SALVUCCI, E. M.; 2000. Rubisco activase constrains the photosynthetic potential of leaves at high temperature and CO2. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 97, n. 24, p. 13430-13435.

CUNHA, A. C. R.; OSUNA, JTA, QUEIROZ, S. R. O. D.; RIOS, A. P. S. 2009. Crescimento inicial de angico em função do substrato e luminosidade. Revista Magistra, v. 21, n.3, p. 179-186.

FERREIRA, D. F. 2008. SISVAR: um programa para análises e ensino de estatística. Revista Symposium, v. 6, n. 2, p. 36-41, 2008.

HÄTTENSCHWILER, S.; Miglietta, F.; Raschi, A.; KÖRNER, C. 1997. Thirty years of in situ tree growth under elevated CO2: a model for future forest responses? Global Change Biology, v. 3, n. 5, p. 463-471.

IPCC, 2014: Climate Change 2014: Synthesis Report. Contribution of Working Groups I, II and III to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Geneva, 151 p.

KOTOWSKI, F. 1926. Temperature relations to germination of vegetable seed. Proceedings of the American society for horticultural science, v. 23, p. 176-184, 1926.

LABOURIAU, L. G. 1983. A germinação das sementes. Monografia, Organização dos Estados Americanos. Programa Regional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Série de Biologia, v. 24

LARCHER, W. 2006. Ecofisiologia Vegetal. São Paulo: Ed. Rima, 531 p.

LORENZI, H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. Nova Odessa: Ed. Instituto Plantarum, 368 p.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. 2008. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa: Ed. Instituto Plantarum, 544 p.

MAGALHÃES, A. R. 2013. Drought proofing rural economies in semi-arid regions. Climate Adaptation Futures, p. 294-300.

MAGALHÃES, A. R. As mudanças climáticas globais e a desertificação. 2009. In: ANGELOTTI, F.; SÁ, I. B.; MENEZES, E. A.; PELLEGRINO, G. Q. Editores. Mudanças climáticas e desertificação no Semiárido brasileiro. Petrolina, PE: Embrapa Semiárido, Embrapa Informática Agropecuária.

MAGUIRE, J. D. 1962. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop science, v. 2, n. 2, p. 176-177.

MAIA, G. N. 2006. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. São Paulo: D e Z computação.

MAIA, G.N. 2004. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. São Paulo: Ed. Leitura & Arte, 413 p.

MARENGO, J. A. 2006. Mudanças climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade: Caracterização do clima atual e definição das alterações climáticas para o território brasileiro ao longo do século XXI. Brasília: MMA.

MARTINEZ, C. A.; OLIVEIRA, E. A. D. de; MELLO, T. R. P.; ALZATE-MARIN, A. L. 2015. Respostas das plantas ao incremento atmosférico de dióxido de carbono e da temperatura. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 8, p. 635-650.

MARTINS, C. C.; MACHADO, C. G.; NAKAGAWA, J. 2008. Temperatura e substrato para o teste de germinação de sementes de barbatimão (Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville (Leguminosae). Revista Árvore, v. 32, n. 4, p. 633- 639.

MEIADO, M. V. 2012. Germinação de cactos de ecossistemas nordestinos. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, Pernambuco, Brasil. 142p.

OOI, M.K.J.; AULD, T. D.; DENHAM, A. J. 2009. Climate change and bet-hedging: interactions between increased soil temperatures and seed bank persistence. Global Change Biology, v.15, p. 2375–2386.

PASSOS, M. A. A.; SILVA, F. J. B. C.; SILVA, E. C. A.; PESSOA, M. M. L.; SANTOS, R. C. 2008. Luz, substrato e temperatura na germinação de sementes de cedro-vermelho. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 43, n. 2, p. 281-284.

PIO-CORRÊA, M. 1984. Dicionário de Plantas Úteis do Brasil e das Exóticas Cultivadas. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura, 777 p.

REYENGA, P. J.; SMITH, D. S.; PASTURES, G. C. T. E. 1999. Impacts of global change on cropping in SW Queensland. Environmental Modelling and Software, v. 14, p. 297-306.

REZENDE, F. M. de; Souza, A. P. de; Buckeridge, M. S.; Furlan, C. M. 2015. Is guava phenolic metabolism influenced by elevated atmospheric CO2? Environmental Pollution, v. 196, p. 483-488.

SAGE, R. F. 2002. How terrestrial organism sense, signal, and response to carbon dioxide. Integrative and Comparative Biology, v. 42, n. 3, p. 469-480, 2002.

SALAZAR, A.; GOLDSTEIN, G.; FRANCO, A. C.; MIRALLES-WILHELM, F. 2011. Timing of seed dispersal and dormancy, rather than persistent soil seed-banks, control seedling recruitment of woody plants in Neotropical savannas. Seed Science Research, v. 21, n. 2, p. 103-116.

SANTANA, D. G.; RANAL, M. A. 2000. Statistical analysis in germination. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, v. 12, p. 205-237.

STRECK, N. A. 2005. Climate change and agroecosystems: the effect of elevated atmospheric CO2 and temperature on crop growth, development, and yield. Ciência Rural, v. 35, n. 3, p. 730-740.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. 2013. Fisiologia Vegetal . Porto Alegre: Artmed, 918 p.

WALCK, J. L.; HIDAYATI, S. N.; DIXON, K. W.; THOMPSON, K..; POSCHLOD, P. 2011. Climate change and plant regeneration from seed. Global Change Biology, v. 17, n. 6, p. 2145-2161.

WALTHER, G. R.; POST, E.; CONVEY, P.; MENZEL, A.; PARMESAN, C.; BEEBEE, J. C. T.; FROMENTIN, J, M.; HOEGH-GULDBERG, O.; FRANZ BAIRLEIN, F. 2002. Ecological responses to recent climate change. Nature, v. 416, n. 6879, p. 389-395.

WÜRTH, M. K. R.; WINTER, K.; KÖRNER, C. 1998. In situ responses to elevated CO2 in tropical forest understorey plants. Functional Ecology, v. 12, n. 6, p. 886-895.

YAMASAKI, T.; YAMAKAWA, T.; YAMANE, Y.; KOIKE, H.; SATOH, K.; KATOH, S. 2002. Temperature acclimation of photosynthesis and related changes in photosystem II electron transport in winter wheat. Plant Physiology, v. 128, n. 3, p. 1087-1097.

ZAVALETA, E. S. 2006. Shrub establishment under experimental global changes in a California grassland. Plant Ecology, v. 184, n. 1, p. 53-63.

ZAVALETA, E.S.; SHAW, M. R.; CHIARIELLO, N. R.; THOMAS, B. D.; CLELAND, E. E.; FIELD, C. B.; MOONEY, H. A. 2003. Grassland responses to three years of elevated temperature, CO2, precipitation, and N deposition. Ecological Monographs, v. 73, n. 4, p. 585-604.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.2.3.2017.1455.212-219

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Journal of Environmental Analysis and Progress

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.