Aplicação de índice de vegetação no monitoramento da seca: açude Algodões no sertão pernambucano

José Ráurium Bacalhau, Alfredo Ribeiro Neto, Leidjane Maria Maciel de Oliveira

Resumo


O baixo índice pluviométrico é uma das principais características da região Semiárida do Brasil. Em particular, verifica-se nesta região uma redução significativa dos totais pluviométricos a partir do ano de 2011, ocasionando sérios danos aos níveis dos reservatórios. O açude Algodões, principal fonte hídrica para o município de Ouricuri Pernambuco, vem apresentando uma queda considerável em seu volume, onde em 2016 foi declarado em situação de emergência. Logo, fazendo uso de ferramentas de geoprocessamento, objetivou-se analisar o real cenário da área incremental da microbacia do açude Algodões. Utilizou-se o Índice de Vegetação por Diferença Normalizada – NDVI para se obter informações sobre a vegetação na área de estudo entre os anos de 2011 e 2016, além de imagens de alta resolução para identificar a redução na lâmina d’água do açude entre os anos de 2011 (ano médio normal) e 2016 (ano de seca). Dados hidrometeorológicos auxiliaram a perceber que os períodos com desvios negativos à pluviometria média climatológica coincidiram com a redução no volume do açude.

Palavras-chave


Recurso hídrico, pluviometria, Semiárido

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ACCIOLY, J. L. O; OLIVEIRA, MAJ; SILVA, FHBB; BURGOS, M. 2001. Avaliação de Mudanças no Albedo do Núcleo de Desertificação do Seridó através de Imagens do Landsat TM. Anais X Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto-SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, INPE. pp.549-556.

ALBUQUERQUE, E. M ; ANDRADE, S. C. de P. ; MORAIS, H. F. de; DINIZ, J. M. T.; SANTOS, C. A. C. dos. 2014. Análise do comportamento do NDVI e NDWI sob diferentes intensidades pluviométricas no município de Sousa-PB. Revista Estudos Geoambientais – Online. V. 01, n. 01. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/index.php/geo/article/view/17986/10625 Acesso em: 10 set. 2016.

ALBUQUERQUE,E.M.de,;DINIZ,J.M.T.;

LIMA,R.F.de.;FERREIRA,F.N.;CHAGA SILVA,F,das. 2015. Técnicas de geoprocessamento no suporte à análise da seca na microbacia do açude Jatobá II. Revista Verde (Pombal - PB - Brasil), nº 4 , p.27-33.

ANA-AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (Brasil). 2006. Atlas Nordeste - Abastecimento Urbano de Água - Ministério do Meio Ambiente; Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos – SPR. Brasília – DF.

APAC - Agência Pernambucana de Águas e Clima. Available in: http://www.apac.pe.gov.br. [accessed September 03, 2015].

ÁVILA, A. M. H. de; GONÇALVES, R. R. Do V.; PINTO, H. S.; ZULLO JUNIOR, J. 2009. Relação entre a precipitação e o NDVI em imagens AVHRR/NOAA para a cana-de-açúcar, no estado de São Paulo. Anais Online do XIV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Natal, Brasil, INPE.pp. 553-560.

BLACKBRIDGE.2015.Satellite Imagery Product Specifications, Version 6.1, April.

CHAGAS, M. das G. S. das.; GALVÍNCIO, J. D.; PIMENTEL, R. M. de M. 2008. Avaliação da dinâmica espectral da vegetação de Caatinga em Arcoverde, Pernambuco. Revista de Geografia (Recife) v. 25, n. 2.

GARCÍA, M.; OYONARTE, C.; VILLAGARCÍA, L.; CONTRERAS, S.; DOMINGO, F.; PUIGDEFÁBREGAS, J. 2008. Monitoring land degradation risk using ASTER data: The non-evaporative fraction as an indicator of ecosystem function. Remote Sensing of Environment v. 112, p. 3720–3736.

LOURENÇO, R.W.; LANDIM, P.M.B. 2004. Estudo da variabilidade do “Índice de Vegetação por Diferença Normalizada/NDVI” utilizando krigagem indicativa. Holos Environment, v.4, n.1, p.38 55.

MOREIRA, A. A.; GUASSELLI, L. A.; SILVA FILHO, L. C. P. da; ANDRADE, A. C. F. de; ARRUDA, D. C. de. 2015. Índice de Condição de Vegetação (VCI) para mapeamento de seca no Norte do Estado de Minas Gerais. Anais Online do XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, João Pessoa, PB, Brasil, INPE. pp.1686-1692

NDMC-National Drought Mitigation Center. 2006. What is drought? Undertanding and defining drought. University of Nebraska-Lincoln.

PONZONI, F. J.; SHIMABUKURO, Y. E.; KUPLICH, T. M. 2012. Sensoriamento Remoto da Vegetação. 2 Ed. atualizada e revisada. ISBN 978-85-7975-053-3. São Paulo: Oficina de Textos.

RIOS, I. Q.; VALE, R. de M. C. do. 2014. NDVI como subsídio para o estudo do processo de desertificação na bacia hidrográfica do Rio Vaza-Barris – Bahia. Anais Online do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto – GEONORDESTE. Aracaju, SE, Brasil, INPE.pp. 495-500.

ROUSE, J. W.; HAAS, R. H.; SCHELL, J. A; DEERING, D. W. 1974. “Monitoring vegetation systems in the great plains with ERTS”, Proceedings, Thrid Earth Resources Technology Satellite-1 Symposium, Greenbelt: NASA SP-351, 3010-3017.

RUHOFF, A. L.; NOVO,B.B. da S.; ROCHA, H. R. da. 2015.Determinação da irradiância solar no topo da atmosfera para cálculo do albedo e balanço de energia a partir de imagens LANDSAT 8 OLI. Anais Online XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, João Pessoa-PB, Brasil, INPE. pp.4496-4502.

SILVA, V. C. B.; MACHADO, P. de S. 2014. SIG na análise ambiental: susceptibilidade erosiva da bacia hidrográfica do córrego Mutuca, Nova Lima – Minas Gerais. Revista de Geografia. v. 31, n. 2, UFPE.pp.66-87.

USGS. United States Geologic Survery, 2016. LDCM Cal/Val Algorithm Description Document e no Landsat 8 Science Users’ Handbook. Disponível em http://landsat.usgs.gov/Landsat8_Using_Product.php. Acesso em: 10 set. 2016.

WMO - World Meteorological Organization. 2014. Statement on the status of the global climate in 2013. WMO. n. 1130.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.2.3.2017.1449.283-293

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Journal of Environmental Analysis and Progress

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.