Monitoramento e análise da vegetação de manguezal no litoral sul de Alagoas

Lidiane Matias, Milena Dutra Silva

Resumo


O Manguezal é um ecossistema costeiro de transição entre ambientes terrestre e marinho, típico de regiões tropicais e subtropicais sujeito a inundação de marés, este ambiente apresenta características especificas com muita matéria orgânica e pouco oxigênio, composto de uma diversidade de especiais adaptadas.  Embora seja considerado áreas de preservação permanente este ecossistema vem ao longo dos anos sendo alvos de grandes impactos, estes na grande maioria causados por ações antrópicas, decorrentes de desmatamentos, implantação de agricultura e poluição, assim como o crescimento desordenado da expansão urbana e das atividades turísticas, com o uso inadequado que prejudica este ecossistema. Por intermédio de analises da paisagem, e técnicas de SIG (Sistema de Informação Geográficas) a presente pesquisa objetivou, diagnosticar a dinâmica espaço-temporal das áreas de mangue do litoral Sul de Alagoas, Municípios de Roteiro, Jequiá da Praia, Coruripe e Piaçabuçu. Assim Identificar áreas com quadro de fragilidade ambiental, exibido ao longo dos anos, e Identificar áreas que exibiram quadro de recuperação ambiental. Para o desenvolvimento do trabalho foram realizadas mapeamento através de imagens de satélites obtidas software Google Earth correspondente as décadas de 2004 a 2016, dos municípios envolvido, e elaborados de mapas temáticos no software livre e gratuito Quantum GIS. Em análises comparativas através da interpretação dos mapas e cálculos das áreas, foi possível diagnosticas que a maioria dos municípios apresentaram uma expansão significativa da área de mangue, aparentemente essa expansão está relacionada ao longo período de seca que essa região passa durante o ano e consequentemente diminuição do fluxo de agua doce e aumento da entrada de águas salinas nos estuários que favorece o desenvolvimento dessa vegetação.     

Palavras-Chave: Análises comparativas, fragmentação e recuperação.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ARAÚJO, T. C. M.; SANTOS, R. C. DE A. L.; SEOANE, J. C. S.; SEOANE, V. DO A. V. 2000. Erosão e progradação do litoral brasileiro | alagoas. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/sqa_sigercom/_arquivos/al_erosao.pdf. Acesso em: 22 de jna. de 2017.

CASASCO, B.; SANTOS, C.; QUIÑONES, E. 2014. Recuperação de manguezais brasileiros; Universidade Santa Cecília/2009-2014. Revista Ceciliana, v. 6, n. 1, p. 1-5.

CORREIA, M. D.; SOVIERSOSKI, H. H. 2005. Ecossistemas Marinhos: recifes, praias e manguezais. 2005. 55p. Disponível em: http://www.ufal.edu.br/usinaciencia/multimidia/livros-digitais-cadernos-tematicos. Acesso em: 14 de nov. de 2016.

CORREIA. M. D.; SOVIERSOSKI, H. H. 2008. Gestão e Desenvolvimento Sustentável da Zona Costeira do Estado de Alagoas, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 82, p. 25-45.

DANTAS, M. J. F; OLIVEIRA, F. G; ARRAES, F. D. D.; SANTOS. J. B.; ZIMBACK, C. R. L. 2009. Dinâmica espaço-temporal da vegetação no semiárido Cearense/Brasil.

FLORENZANO, T. G. 2002. Imagens de satélite para estudos ambientais. São Paulo: Oficina de Textos. 97p.

KRUG, L. A; LEÃO, C.; AMARAL, S.; 2007 Dinâmica espaço-temporal de manguezais no Complexo Estuarino de Paranaguá e relação entre decréscimo de áreas de manguezal e dados socioeconômicos da região urbana do município de Paranaguá-Paraná. Florianópolis, Brasil, 21-26 abril 2007, INPE, pp. 2753-2760.

LACERDA, L. D. 1984. Manguezais: florestas de Beira-mar. Ciência Hoje, v. 3, n. 13, p. 63-70.

LEITE, A. C. S.; SENA, F. T. N. S.; NETO, B. J. S; 2012. Técnicas de sensoriamento remoto na análise temporal para a gestão territorial do município de Timon-MA. Recife-PE.

MAIA, L. P.; LACERDA, L. D.; MONTEIRO, L. H. U.; SOUZA, G. M.; 2007. Estudo das áreas de manguezais do nordeste do Brasil. Fortaleza, Ceará / novembro de 2005. Mangue no bairro de São Domingos em Ilhéus-BA: Paisagem Ambiente: Ensaios, n. 24, p. 39-48.

NANNI, H. C.; NANNI, S. M.; SIGNINI, R. C. 2005. A importância dos manguezais para o equilíbrio ambiental. II simpósio internacional de ciências integradas Da UNAERP campus Guarujá.

NOVELLI, Y. 1999. Grupo de ecossistema: Manguezal, marisma e apicum, São Paulo. Disponível em: http://www.brazilrounds.gov.br/round7/arquivos_r7/SISMICA_R7/refere/manguezal_marisma_apicum.pdf. Acesso: 11 de dezembro de 2016.

NOVELLI, Y. S. 1995. Manguezal: Ecossistema entre a terra e o mar; Carribbean Ecological Research. São Paulo. 64p.

NOVELLI, Y. S. VALE, CC., and CINTRÓN, G. 2015. Monitoramento do ecossistema manguezal: estrutura e características funcionais. In: TURRA, A.; DENADAI, M. R. Orgs. Protocolos para o monitoramento de habitats bentônicos costeiros – Rede de Monitoramento de Habitat Bentônicos Costeiros-ReBentos [online]. São Paulo: Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo, pp. 62-80.

OLIVEIRA, O. M. G.; CUNHA, R. D. A. 2007. O SIG como ferramenta de análise da paisagem: o caso do mangue no bairro de São Domingos em Ilhéus-BA. Paisagem Ambiente: ensaios, n. 24.

SANTANA, N. M. G.; GALVINCIO, J. D.; TORRES, M. F. A.; PASSOS, P. F.; SILVA, C. A. V.; SILVA, H. A.; CAVALCANTE, E. R. A.; TEIXEIRA, J. L.; PAZ, D. M.; SILVA, J. B.; LIRA, D. R. 2011. Distribuição Espaço Temporal do Ecossistema Manguezal no Estuário Do Rio Itapessoca-Goiana/PE. Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE. pp. 6826.

SANTOS, F. 2011. Uso de geotecnologias para mapeamento de manguezais. Boletim Científico ESMPU, Brasília.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.2.3.2017.1447.312-319

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Journal of Environmental Analysis and Progress

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.