Potencial de geração de energia eólica no Submédio São Francisco

Iug Lopes, Euvaldo Pereira de Cerqueira Júnior, Juliana Maria Medrado de Melo, Brauliro Gonçalves Leal

Resumo


O grande potencial de geração de energia eólica no mundo e a possibilidade de geração de energia elétrica fazem dela uma fonte alternativa para aumentar a diversidade na matriz energética mundial. O objetivo é caracterizar a velocidade ea direção predominante do vento para geração de energia eólica no Submédio São Francisco. Utilizaram-se dados de velocidade por hora (m s-1), direção (°) e vento (m s-1) vento 10 m de altura, temperatura do ar (° C) e pressão atmosférica (hPa) medida em 37 estações meteorológicas automáticas. Foram apresentados mapas de velocidade (m s-1), direção (°), vento (m s-1) do vento; E também do potencial eólico (W m-2) do Submédio São Francisco. Os maiores valores de potência eólica estão destacados para os municípios de Dormentes, Lagoa Grande, Curaçá, Petrolina, Afrânio, Pedro Alexandre, parte do município de Santa Filomena, Santa Maria da Boa Vista, Chorrochó, Macururé, Paulo Afonso, e Juazeiro. O município que é a instalação mais favorável de geradores eólicos, devido apresentar maiores valores e velocidade constante dos ventos é Curaçá no estado da Bahia, conseqüentemente um dos maiores valores de energia eólica e uma frequência predominante na direção sudeste dos ventos ao longo do dia, podendo fixar as torres nesta orientação geográfica. Grande parte do Submédio do São Francisco se encontra apta a instalação de centros de geração de energia eólica.

Palavras-chave


Estações meteorológicas, Turbinas eólicas, Semiárido.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ALVES, J. J. A. 2006. Estimativa da Potência, Perspectiva e Sustentabilidade da Energia Eólica no Estado do Ceará. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, Paraíba, Brasil. 163p.

ALVES, J. J. A. 2012. Regionalização do potencial eólico no estado do Ceará. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 5, n. 2, p.332-345.

ANEEL, Agência Nacional de Energia Elétrica. 2016. BIG e banco de informações de geração de enrgia elétrica. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2016.

CAMPOS, M. J. DE; VENDRAMINI, P. S.; SANTOS, R. F.; CHAVES, L. I.; ROSA, H. A.; SOUZA, S. N. M. 2012. Estimativa do potencial eólico no Município de Palotina - Paraná. Revista Acta Iguazu, v. 1, n. 2, p.94-103.

CHESF. 2017. Relatório da Administração. Disponível em: < https://www.chesf.gov.br/relainvest/Documents/Rel.Adm.2015.pdf>. Acesso em: 11 Jun. 2017.

COPEL, Companhia Paranaense de Energia. 2007. Atlas do potencial eólico do estado do Paraná. Curitiba.

CUNHA, T. J. F.; SILVA, F. H. B. B. DA; SILVA, M. S. L. DA; PETRERE, V. G.; SÁ, I. B.; OLIVEIRA NETO, M. B. DE; CAVALCANTE, A. C. 2008. Solos do Submédio do Vale do São Francisco: potencialidades e limitações para uso agrícola. Petrolina: Embrapa Semiárido, 62p.

GRANERO, F. L. Viabilidade de turbinas eólicas de pequeno porte no Brasil. 2012. Graduação em Engenharia Elétrica, Universidade Estadual Paulista, Guaratinguetá, São Paulo, Brasil. 54 p.

JEONG K, KOO C, HONG T. 2014. An estimation model for determining the annual energy cost budget in educational facilities using SARIMA (seasonal autoregressive integrated moving average) and ANN (artificial neural network). Energy, v.71, p.71–79.

JIN, M. U. KIM, Y. 2017. Estimating potential wind energy from sparsely located stations in amountainous coastal region. Meteorol. Appl., v. 24, p.279–289.

JONG, DE P.; KIPERSTOK, A.; SANCHEZ, A. S.; DARGAVILLE, R.; TORRES, E. A. 2016. Integrating large scale wind power into the electricity grid in the Northeast of Brazil. Journal Energy, v. 100, n. 10, p.401-415.

JOYNER, T. A.; FRIEDLAND C. J.; ROHLI, R.V.; TREVIÑO, A.M.; MASSARRA, C.; PAULUS, G. 2015. Cross-correlation modeling of European windstorms: a cokriging approach for optimizing surface wind estimates. Spatial Statistics, v.13, p.62–75.

KAVASSERI, R.G.; SEETHARAMAN, K. 2009. Day-ahead wind speed forecasting using Farmuira models. Renewable Energy v. 34, p.1388–1393.

KÖPPEN, W.; GEIGER, R. 2007. Update world map of the Köppen-Geiger climate classification.

LIMA, F. J. L.; CAVALCANTI, E. P. ; SOUZA, E. P. 2010. Avaliação do potencial eólico em cinco regiões do estado da Paraíba. Revista de Geografia (Recife), v. 27, p. 138-153.

LUO W, TAYLOR MC, PARKER SR. 2008. A comparison of spatial interpolation methods to estimate continuous wind speed surfaces using irregularly distributed data from England and Wales. Int. J. Climatol. v. 28, p.947–959.

MANWELL J. F., MCGOWAN J. F., ROGERS A. L. 2002. Wind energy explained. New York: Wiley, p 569.

MARTINS, F. R.; PEREIRA, E. B. 2011. Enhancing information for solar and and wind energy technology deployment in Brazil. Journal Energy Policy, v. 39, n. 7, p. 4378-4390.

MUNHOZ, F. C.; GARCIA, A. 2008. Caracterização da velocidade e direção predominante dos ventos para a localidade de Ituverava-SP. Revista Brasileira de Meteorologia, v.23, n.1, p.30-34.

OLIVEIRA, F. L.; DIAS, V. H. P.; COSTA, E. M.; FILGUEIRA, M. A. ESPÍNOLA SOBRINHO, J. 2012. Influência das variações climáticas na atividade de vôo das abelhas jandairas Melipona subnitida Ducke (Meliponinae). Revista Ciência e Agrotecnologia., v. 43, n. 3, p. 598-603.

ONS, Operadora Nacional de Sistemas Elétricos. 2016. Histórico da operação e geração de energias. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2017.

RAMOS, F. G.; SEIDLER, N. 2011. Estudo da energia eólica para aproveitamento em pequenos empreendimentos. Revista Vivências, v. 7, n. 13, p. 108-127.

ROSSI, P. H. J.; OLIVEIRA, C. P. DE. Centro de Energia Eólica, PUCRS. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2015.

SANTOS, R. G.; SANTOS, R. F.; SANTIAGO, W. E.; FIORESE, D. A. Avaliação do potencial eólico do campus da Faculdade Assis Gurgacz em Cascavel, PR. Revista Cultivando o Saber, v. 2, n. 3, p. 136-150, 2009.

SCRUTON, C. NEWBERRY, C.W. 1963. On the estimation of wind loads for building and structural design. Proceedings of the Institution of Civil Engineers, v1.

SHI J, GUO J, ZHENG S. 2012. Evaluation of hybrid forecasting approaches for wind speed and power generation time series. Renewable Sustainable Energy Rev., v.16, p.3471–3480.

SILVA, B. B. da; ALVES, J. J. A. ; CAVALCANTI, E. P.; DANTAS, R. T. 2002. Potencial eólico da direção predominate do vento no Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 6, n.2, p. 295-302.

SILVA, B. B. da; ALVES, J. J. A.; CAVALCANTI, E. P.; VENTURA, E. D. 2004. Variabilidade espacial e temporal do potencial eólico da direção predominate do vento no Nordeste do Brasil.. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 19, n.2, p.189-202.

SOUZA, A; GRANJA, S. C. 1997. Estimativa dos parâmetros “C” e “K” do modelo de Weibull e da direção dos ventos para Campo Grande e Dourados/MS, Brasil. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v. 5, n.1, p. 109 – 114.

SOUZA, J. W. Análise climatológica do potencial eólico no Estado de Minas Gerais. 1993. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, Braszil, 101 p.

UM M. J.; KIM Y. 2017. Estimating potential wind energy from sparsely located stations in a mountainous coastal region, Meteorological Applications, v.24, p.279-289.

VAISALA. Sistema Vaisala HydroMetTM MAWS3001. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2015

WAGNER, C. S. Velocidade e direção predominante dos ventos no Estado do Paraná. , 1989. Londrina: Instituto Agronômico do Paraná, 56 p.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.2.3.2017.1407.330-340

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Journal of Environmental Analysis and Progress

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.