Variação nas concentrações de compostos fenólicos e nas taxas de herbivoria em Aspidosperma pyrifolium Mart. em áreas antropizadas de Caatinga

Ranilson Emmanuel Aquino, Hiram Marinho Falcão, Jarcilene Silva Almeida-Cortez

Resumo


Disponibilidade de recursos e perturbações antrópicas possuem relevância nas respostas à atuação dos herbívoros. Ao longo da evolução as plantas desenvolveram estratégias de defesa contra a herbivoria, como as defesas químicas. O objetivo deste trabalho foi analisar a relação entre as taxas de herbivoria e caracteres biométricos de Aspidosperma pyrifolium Mart, e o conteúdo foliar de compostos fenólicos/taninos, em áreas de Caatinga, com e sem perturbações antrópicasna microrregião de Itaparica, Pernambuco. Foram realizadas medidas de taxa de herbivoria, biometria,e conteúdo de carbono, nitrogênio e compostos fenólicos/taninos. Os dados foram analisados através de ANOVA fatorial seguida de teste de Tukey (5%), e análises correlação e regressão linear simples. Os parâmetros biométricos não apresentaram diferenças entre as áreas, nem relação com o conteúdo de compostos fenólicos. Os conteúdos de nitrogênio foram maiores no mês mais seco, enquanto os de carbono foram maiores no fim da estação chuvosa. Concentrações de compostos fenólicos/taninos tiveram relação negativa com as taxas de herbivoria das áreas impactadas, mas nas áreas preservadas essa relação não foi observada. O consumo prévio das folhas por caprinos pode ter estimulado o aumento na produção de compostos de defesa nas áreas impactadas, o que ocasionou queda nas taxas de herbivoria por insetos. Já nas áreas preservadas a diminuição significativa da herbivoria em Junho pode estar ligada ao fim do ciclo de crescimento de alguns invertebrados Embora a influência da pecuária extensiva possa ser notada em áreas impactadas ela não pode ser considerada a causa única da relação herbivoria/produção de compostos fenólicos.


Palavras-chave


Defesas químicas, metabólitos secundários, semiárido, taninos, nutrientes, Apocynaceae

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


AGRA, M. D. F.; FREITAS, P. F. D.; BARBOSA-FILHO, J. M. 2007. Synopsis of the plants known as medicinal and poisonous in Northeast of Brazil, RevistaBrasileira de Farmacognosia, v.17, p.114-140.

ANDRADE LIMA, D. 1989.Plantas da caatinga. Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro.

AMORIM, E.L.C; NASCIMENTO, J.E.; MONTEIRO, J.M.; PEIXOTO SOBRINHO, T.J.S.; ARAÚJO, T.A.S.; ALBUQUERQUE, U.P. 2008.A simple and accurate procedure for the determination of tannin and flavonoid levels in some applications in Ethnobotany and Ethnopharmacology, Functional Ecosystems and Communities, p.88-94.

BEZERRA NETO, E.; BARRETO, L.P. 2004.Métodos de análises químicas em plantas, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife

BRAGA, R. 1976. Plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. ESAM,3ª ed. Fortaleza.

BREMNER, J. M.; MULVANEY, C. S. 1982. Nitrogen total, Methods of soil analysis, Madison: Soil Science Society of America, p.595-624.

BRENES-ARGUEDAS, T.; PHYLLIS, M.W.H.; COLEY, P.D.; LOKVAM, J.; WADDELL, R.A.; MEIZOSO-O’MEARA, B.E.; KURSAR, T. A. 2006. Contrasting mechanisms of secondary metabolite accumulation during leaf development in two tropical tree species with different leaf expansion strategies, Oecologia, v. 149 p. 91-100.

CLOSE, D.C., MCARTHUR, C. 2002.Rethinkingthe role of manyplantphenolics–protectionfromphotodamagenotherbivores? Oikos 199, pp.166–172

COLEMAN, J.S.; JONES, C.G. 1991. A phytocentric perspective of phytochemical induction by herbivores, Phytochemical induction by herbivores, ed. D.W. Tallamy and M.J.Raupp, New York, John Wiley, p.3-45.

COLEY, P.D.; BRYANT, J. P.; CHAPIN, S. F. 1985.Resource Availability and plant antiherbivore defense, Science, New Series, v.230, p.895-899.

COLEY P.D.; BARONE J.A. 1996.Herbivory and plant defenses in tropical forests, Annual Review of Ecology and Systematics, v.27, 305-335.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS – CNM. Análise sobre a seca no Nordeste, 2013. Available in: “http://www.nordeste.cnm.org.br/img/download/estudoCNM/Estudo_Seca_Nordeste_Final.pdf”[acessedMay 30, 2015].

CORREA. M.P. 1978.Dicionário das plantas úteis do Brasil. IBDF, v.5, Rio de Janeiro.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Diagnóstico Ambiental do Município de Floresta, Pernambuco. EMBRAPA, Rio de Janeiro, 2001. Available in: “http://www.cnps.embrapa.br/solosbr/pdfs/circulartecnica10diagambfloresta.pdf.”[acessedMay 04, 2014].

FOLIN, C.; CIOCALTEU, V. 1927.Tyrosine and tryptophan determination in protein, Journal of Biological Chemistry, v.73, p.627-650.

HAIRSTON, N.G.; SMITH, F.E.; SLOBODKIN, L.B. 1960.Community structure population control and competition.American Naturalist, v.94, p.421-425.

JANZEN, D. H. 1970. Herbivores and number of tree species in tropical forest, The American Naturalist, v.104, p.01-528.

LEAL, I.R., VICENTE, A.; TABARELLI, M. 2003. Herbivoria por caprinos na Caatinga da região do Xingó: uma análise preliminar, Ecologia e conservação da Caatinga, Editora Universitária, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, p. 695-715.

MADEIRA B.G.; ESPÍRITO-SANTO M.M.; DÂNGELO-NETO, S.; NUNES, Y.R.F., SÁNCHEZ-AZOFEIFA, G.A.; FERNANDES G.W.; QUESADA, M. 2009.Changes in tree and liana communities along a successional gradient in a tropical dry forest in south-eastern Brazil, Plant Ecology, v.201, p.291-304.

MAIA, G. N. 2004. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. D e Z Leitura e Arte, 1º ed. São Paulo.

MELLO, M. 2017. Influence of herbivore attack patterns on reproductive success of the shrub Piper hispidum (Piperaceae), Ecotropica, v.13, p.1-6.

MONTEIRO, J.M.; LINS NETO, E.M.F.; AMORIM, E.L.C.; STRATTMANN, R.R.; ARAÚJO, E.L.; ALBUQUERQUE, U.P.2005.Teor de taninos em três espécies medicinais arbóreas simpátricas da caatinga, Árvore, v.29, p.999-1005.

MONTEIRO, J.M.; ALBUQUERQUE, U.P.; LINS NETO, E.M.F.; ARAÚJO, E.L.; ALBUQUERQUE, M.M.; AMORIM, E.L.C. 2006.The effects of seasonalclimatechanges in the Caatinga ontanninlevel, RevistaBrasileira de Farmacognosia, v.16, p.338-344.

OLFF, H.; BROWN, V.K.; DRENT, R.H. 1999.Herbivores: between plants and predators, pp.9-10, Blackwell Science,Oxford.

OLIVEIRA, A. J. B. D. 1999. Estudo de seis espécies do gênero Aspidosperma utilizando GC, GC/MS e HPLC: Análise qualitativa e quantitativa. Teste Bioautográfico: Cultura de tecido e células vegetais e rota de preparação dos compostos diméricosRamiflorina A e Ramiflorina B., Tese (Doutorado), Instituto de Química, Unicamp, Campinas, São Paulo, Brasil.392p.

O'NEAL, M. E.; LANDIS, D. A.; ISAACS, R. 2002.An inexpensive, accurate method for measuring leaf area and defoliation through digital image analysis, Journal of Economic Entomology, v.95, p.1190-1194.

NETO, S. A. G.; SAKAMOTO, S. M.; SOTO-BLANCO, B. 2013. Inquérito epidemiológico sobre plantas tóxicas das mesoregiões Central e Oeste do Rio Grande do Norte. Ciência Rural, v.43, p.1281-1287.

RASBAND, W.S., 2014. ImageJ, U. S. National Institutes of Health, Bethesda, Maryland, USA.

SAMPAIO, E.V.S.B.; SOUTO, A.; RODAL, M.J.N.; CASTRO, A.A.J.F.; HAZIN, C. 1994.Caatingas e Cerrados do NE – biodiversidade e ação antrópica, Conferência Nacional e Seminário Latino-Americano da Desertificação, Fortaleza, p.1-15.

SANTOS, S.C.; MELLO, J.C.P.2004. Taninos, Farmacognosia: da Planta ao Medicamento,pp.615-656, Editora da UFRGS/UFSC, Porto Alegre/Florianópolis.

SANTOS, A. P. B.; NASCIMENTO, M. D. F. D. S.; SANTO, F. D. S. E. 2009.Guia de Campo de Árvores da Caatinga. Editora e gráfica Franciscana Ltda., Petrolina.

SILVA, M. C.; FRIZZO, S. M. 1985.Determinação de taninos na casca de Acaciamearnsii De Wild., em diferentes alturas do tronco. Ciência e Natura, n.7, p.57-61.

SILVA, D.M.D.; RIET-CORREA, F.; MEDEIROS, R.M.T.; OLIVEIRA, O.F. 2006. Plantas tóxicas para ruminantes e equídeos no Seridó Ocidental e Oriental do Rio Grande do Norte, Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 26, p.223-236.

SILVA, J.O.; ESPÍRITO-SANTO, M.M.; MELO, G.A. 2012.Herbivory on Handroanthusochraceus (Bignoniaceae) along a successional gradient in a tropical dry forest, Arthropod-Plant Interactions, v.6, p.45-57.

SOUZA LIMA M.C.J.; SOTO-BLANCO B. 2010. Poisoning in goats by Aspidosperma pyrifolium Mart.: Biological and cytotoxic effects, Toxicon,v.55, p.320-324.

STRAUSS-DEBENEDETTI, S.; BAZZAZ, F. 1996.Photosynthetic characteristics of tropical trees along successional gradients, Tropical forest plant ecophysiology, Chapman e Hall, New York, p.162-186.

TEIXEIRA, M. L.; SOARES, A. R.; SCOLFORO, J. R. S. 1990.Variação do teor de tanino da casca de barbatimão [Stryphnodendronadstringens (Mart.) Coville] em 10 locais de Minas Gerais. CiênciaPrática, v. 14, p. 229-232.

THOMAS, R.L.; SHEARD, R.W.; MOYER, J.R. 1967.Comparison of conventional and automated procedures for N, P and K analysis of plant material using a single digestion, Agronomy Journal, v. 59, p.240-247.

TIGRE, C.B. 1968. Silvicultura para as matas xerófilas. DNOCS, Fortaleza.

WWW.STATSOFT.COM. Available in: “http://www.statsolutions.com”[acessedApril 12, 2014].

ZHU, H., WANG, L., BAI, Y., FANG, J., LIU, J., 2012. The effects of large herbivore grazing on meadow steppe plant and insect diversity.Journal of AppliedEcology, 49, pp. 1075 – 1083.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.2.1.2017.1075.61-71

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Journal of Environmental Analysis and Progress

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.