A influência do uso e ocupação do solo na qualidade da água de nascentes - Análise de macroinvertebrados Bentônicos como bioindicadores

Marilene Oliveira dos Santos, Sandra Maria de Melo

Resumo


Atualmente os ecossistemas aquáticos têm sido alterados de maneira significativa tornando-se necessário o uso de medidas biológicas para monitoramento desses ambientes. Nesta perspectiva, o presente estudo objetivou analisar a influência do uso e ocupação do solo na qualidade da água da sub-bacia do córrego Machado de Melo no município de Araçatuba/SP, utilizando macroinvertebrados bentônicos como bioindicadores. A metodologia foi desenvolvida por meio de geoprocessamento de imagens de satélite, visita in locu e análises laboratoriais. Os resultados obtidos no presente estudo revelaram uma diminuição da diversidade de indivíduos diretamente proporcional ao grau do uso e ocupação do solo, evidenciando o seu impacto na qualidade da água em cada estação amostral. Vale ressaltar que os resultados obtidos nesta pesquisa poderão subsidiar ações e estratégias para a gestão ambiental de ambientes aquáticos continentais, assegurando a recuperação desses ambientes que constituem importantes elementos na qualidade ambiental.

 


Palavras-chave


Bioindicadores, Ecossistemas aquáticos, Macroinvertebrados Bentônicos.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ARIAS, A. R. L.; BUSS, D. F.; ALBURQUERQUE, C.; INÁCIO, A. F.; FREIRE, M. M.; EGLER, M.; MUGNA, R.; BAPTISTA, D. F. 2007. Utilização de bioindicadores na avaliação de impacto e no monitoramento da contaminação de rios e córregos por agrotóxicos. Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, n.1, p.61-72.

CALLISTO, M.; MORETTI, M.; GOULART, M. 2001. Macroinvertebrados Bentônicos como Ferramenta para avaliar a Saúde de Riachos. RBRH - Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v.6, n.1, p.71-82.

CETESB, Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. 2012. Protocolo para o biomonitoramento com as comunidades bentônicas de rios e reservatórios do estado de São Paulo [recurso eletrônico] / CETESB; Mônica Luisa Kuhlmann ... [et al.] 113 p. : il. Color.

COLIISCHONN, W., TASSI, R. Introdução a Hidrologia. Porto Alegre: UFRG, 2008. 151 p.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. 2005. Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Diário Oficial da União – Publicação DOU nº 053, de 18/03/2005. p. 58-63.

EPA-OHIO. 1987. Biological criteria for the protection of aquatic life: User’s manual for biological field assessment of Ohio surface Waters. Columbus: Division of water quality monitoring and assessment.

GOULART, M. D. C.; CALLISTO, M. 2003. Bioindicadores de qualidade de água como ferramenta em estudos de impacto ambiental. Rev

FAPAM, v.2, p.156-164.

NASCIMENTO, F. F. 2012. Riqueza de macroinvertebrados bentônicos e qualidade da água do rio Morozini, no município de Treviso, Santa Catarina. Trabalho de conclusão Ed curso, Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC. Santa Catarina, Criciúma, Brasil.45p.

OMETO, J. P. H. B.; MARTINELLI, L. A.; BALLESTER, M. V.; GESSNER, A. F.; KRUSCHE, A.V.; VICTORIA, R. L.; WILLIAMS, M. 2000. Effects of land use on water chemistry and macroinvertebrates in two streams of the Piracicaba river basin, south-east Brazil. Freshwater Biology, London, n. 44, n. 2, p. 327- 337.

QUEIROZ, M. M. F.; IOST, C.; GOMES, S. D.; BOAS, M. A. V. 2010. Influência do uso do solo na qualidade da água de uma microbacia hidrográfica rural. Revista Verde de Agroecologia e desenvolvimento sustentável, v. 5, n. 4, p. 200-210.

REBOUÇAS, A. C.; BRAGA, B.; TUNDISI, J. G. 2002. Águas doces do Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 2 ed. São Paulo, SP. Escrituras Editora. 702p.

RESH, V. H.; NORRIS, R. H.; BARBOUR, M. T. 1995. Design and implementation of rapid assessment approaches for water resource monitoring using benthic macroinvertebrates. Australian Journal of Ecology, v.20, p.108-121.

ROSENBERG, D. M.; RESH, V. H. 1993. Introduction to freshwater biomonitoring and benthic macroinvertebrates. In: ROSENBERG, D. M.;

RESH, V. H. (Orgs.) Freshwater biomonitoring and benthic macroinvertebrates. New York: Champan e Hall, pp.1-9.

SANTOS, L. B.; CORREIA, D. L. S.; SANTOS, J. C. 2016. Macroinvertebrados bentônicos como bioindicadores do impacto urbano. Journal of Environmental Analysis and Progress., v.1, n.1,p. 34-42.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.2.1.2017.1029.36-43

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Journal of Environmental Analysis and Progress

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.