A Sociedade de Risco no Contexto Agrário: Expansão do agronegócio e resistências agroecológicas em Pernambuco

Liara Silva Medeiros, Mônica Cox de Britto Pereira

Resumo


Com o advento do agronegócio a partir da década de 60 do século passado e suas transformações e expansão cada vez mais crescente, nos vemos inseridos em uma sociedade que vive em um constante risco ambiental e de saúde. A mecanização do campo, a utilização de toneladas de agrotóxicos nas plantações, a modificação dos genes das sementes se torna cada vez mais presente no nosso cotidiano, seja nas chamadas zonas rural ou urbana. A agricultura camponesa, praticada há milênios, perde seus territórios e luta diariamente para resistir à imposição que tanto o Estado quanto as empresas financiam. No Estado de Pernambuco o agronegócio está presente em todas as 05 mesorregiões existentes, de forma marcante na cana-de-açúcar e no polo da fruticultura irrigada. Tendo a teoria da Sociedade de Risco por Ulrich Beck em 1986 como base para o conceito de risco na sociedade moderna, o presente trabalho tem por objetivos debater os modelos de produção vigentes no Brasil e no Estado de Pernambuco, elencando os riscos causados pelo agronegócio, bem como por outro lado as experiências agroecológicas encontradas no âmbito estadual. Utilizou-se o método quali-quantitativo, buscando responder as questões levantadas através do levantamento e análise de dados e de estudos bibliográficos. Dessa forma, pôde-se concluir que há uma diversidade de lutas do campesinato, que são entendidas como forma de resistências e enfrentamento ao modelo convencional de desenvolvimento em vigência no Brasil e no Estado de Pernambuco.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, L.S. de. A construção social da relação com o meio ambiente entre agricultores familiares da Mata Atlântica brasileira. Campinas: Emopi, 2006.

ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. 3° ed. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

ANDRIOLI, A.I.; FUCHS, R. Transgênicos: as sementes do mal. A silenciosa contaminação de solos e alimentos. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Programa de análise de resíduos de agrotóxicos em alimentos (PARA). Relatório das Análises de Amostras Monitoradas no Período de 2013 a 2015. Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em 2017.

ASA - Articulação do Semiárido Brasileiro. Programa de Formação e Mobilização Social para a Convivência com o Semiárido: Manejo da Agrobiodiversidade – Sementes do Semiárido. 2015. Disponível em: . Acesso em 2017.

BECK, U. La sociedad del riesgo. Hacia uma nueva modernidade. Barcelona: Paidós, 1998.

BOMBARDI, L.M. Violência Silenciosa: o uso de Agrotóxicos no Brasil. Anais do VI Simpósio Internacional de Geografia Agrária: Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2013.

BOMBARDI, L.M. Geografia do uso de agrotóxicos no Brasil e conexões com a união Europeia. São Paulo: FFLCH – USP, 2017.

BRANDENBURG, A. Movimento Agroecológico: trajetória, contradições e perspectivas. Caminhos da agricultura. ANPPAS, 2002.

BRASIL. Decreto nº 4.074, de 4 de janeiro de 2002. Regulamenta a lei nº 7.802, de 11 de julho de 1989. Brasília: Presidência da República, 2002. Disponível em: . Acesso em 2017.

BRASIL. Lei n° 11.105, de 24 de março de 2005. Regulamenta os incisos II, IV e V do § 1° do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas de segurança e mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam organismos geneticamente modificados – OGM e seus derivados, cria o Conselho Nacional de Biossegurança – CNBS, reestrutura a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – CTNBio, dispõe sobre a Política Nacional de Biossegurança – PNB, revoga a Lei no 8.974, de 5 de janeiro de 1995, e a Medida Provisória no 2.191-9, de 23 de agosto de 2001, e os arts. 5o, 6o, 7o, 8o, 9o, 10 e 16 da Lei no10.814, de 15 de dezembro de 2003, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 2017.

BRASIL. Portaria n° 2.938, de 20 de dezembro de 2012. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt2938_20_12_2012.html>. Acesso em 2017.

BÚRIGO, A.C. et al (Org.). Dossiê Abrasco – um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

CAATINGA. Educação contextualizada para convivência com o semiárido. 2014. Disponível em: . Acesso em 2017.

CIB - Conselho de Informações sobre Biotecnologia. Aprovação de Culturas GM no Brasil. 2017. Disponível em: . Acesso em 2017.

CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento. Observatório Agrícola. Acompanhamento da safra brasileira de grãos, v. 4 Safra 2017/18 - Segundo levantamento. Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em 2017.

GLIESSMANN, S.R. Agroecologia: Processos ecológicos em agricultura sustentável. 2ª ed. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2000.

GOVERNO DE PERNAMBUCO. Lei n° 12.753, de 21 de janeiro de 2005. Disponível em: . Acesso em 2017.

IDEC - Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Saiba o que são os alimentos transgênicos e quais os seus riscos. Brasil, 2014. Disponível em: < https://www.idec.org.br/consultas/dicas-e-direitos/saiba-o-que-sao-os-alimentos-transgenicos-e-quais-os-seus-riscos>. Acesso em 2017.

ISAAA - International Service for the Acquisition of Agri-biotech Applications. Brazil is the second largest producer of biotech crops in the world, next to the US, planting 49.1 million hectares of biotech crops in 2016. 2016. Disponível em: . Acesso em 2017.

LONDRES, F. Agrotóxicos no Brasil: um guia para ação em defesa da vida. Rio de Janeiro: AS-PTA, 2011.

MACHADO, L.C.P.; MACHADO FILHO, L.C.P. A Dialética da Agroecologia. Contribuição para um mundo com alimentos sem venenos. 2° ed. São Paulo: Expressão Popular, 2017.

MARQUES, M.I.M. A atualidade do uso do conceito de camponês. Revista NERA, ano 11, n° 12. Presidente Prudente, 2008, pp. 57, 67.

MINAYO, M.C. de S.; SANCHES, O. Quantitativo-Qualitativo: Oposição ou Complementaridade? Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1993, pp. 239-248.

NEPPAG-AYNI - Núcleo de Educação, Pesquisa e Práticas em Agroecologia e Geografia. Relatório de atividade de extensão – sigproj. Edital 2016-05-proexc-pibex temático. Recife, 2017.

OLIVEIRA, R.J. de; BORMANN, A.; MEDEIROS, L.S. A Estrada da Fome: O caso das cidades de Belágua e Centro do Guilherme. In: Ranyére Silva Nóbrega et al. (Org.). Reflexões sobre o Semiárido: Obra do Encontro do Pensamento Geográfico. 1ed. Ananindeua/PA: Itacaiúnas Comércio e Serviços, 2017, 338-344 pp.

PEREIRA, M.C. de B. A experiência da perspectiva da Agroecologia na formação universitária. Revista Brasileira de Agroecologia, v.2, n.1, fev. 2007, pp. 1758-1760.

PEREIRA, M.C. de B. Revolução Verde. In: Caldart, Roseli Salete; Pereira, Isabel Brasil; Alentejano, Paulo; Frigotto, Gaudêncio (ORGS.). Dicionário da Educação do Campo. RJ, SP: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012, 685-689 pp.

PORTO-GONÇALVES, C.W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

RAMA, ANA, CENTRO SABIÁ. Uma experiência de transição para a Agroecologia na Zona da Mata de Pernambuco. Sirinhaém, 2011. Disponível em: . Acesso em 2017.

REDE BRASIL ATUAL. Agroecologia é a esperança plantada na ciência, movimento e prática. Disponível em: . Acesso em 2017.

RIGOTTO, R.M. Agrotóxicos. 2010. Disponível em: . Acesso em 2017.

RUFINO, J.L. dos S. Origem e conceito do agronegócio. Informe Agropecuário, Belo Horizonte: Epamig, v. 20, n° 199, pp. 17-19, 1999.

SINDIVEG - Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal. Balanço 2015. Brasil, 2015. Disponível em: . Acesso em 2017.

SINITOX - Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas. Estatística anual de casos de intoxicação e envenenamentos: Brasil, 2014. Disponível em: . Acesso em 2017.

VAZ, C. O risco alimentar e a responsabilidade civil do fornecedor pela falta de informação adequada. 2014. Disponível em: . Acesso em 2017.

WANDERLEY, M. de N.B. O campesinato brasileiro: uma história de resistência. Revista de Economia e Sociologia Rural, vol.52. Brasília, 2014. Disponível em: . Acesso em 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.