Redes territoriais de sementes crioulas: um novo olhar dos serviços de assistência técnica e extensão rural (Ater) em Pernambuco

Pedro Henrique de Medeiros Balensifer

Resumo


Os trabalhos de conservação e valorização de sementes crioulas em Pernambuco vêm encontrando novas iniciativas e abordagens a partir dos serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) governamental e não-governamental, fruto de novas políticas governamentais, através da elaboração de leis, programas e políticas públicas específicas. O objetivo desta pesquisa é analisar as novas ações de Ater em Pernambuco direcionadas a conservação de sementes crioulas nas comunidades rurais de cinco territórios do Estado. A coleta de dados foi realizada no período de junho de 2017 a julho de 2018, através de pesquisa documental, visitas de campo, entrevistas e participação em três eventos sobre o tema das sementes crioulas com a presença de agricultores assistidos pelas organizações de Ater. A pesquisa concluiu que uma das novas abordagens da Ater em Pernambuco tem fomentado a organização das famílias agricultoras em Banco Comunitários de Sementes, processo esse incrementado a partir do Programa Sementes do Semiárido. Também, as instituições têm se utilizado de metodologias participativas para a execução dos trabalhos de Ater, buscando o protagonismo e a participação das famílias agricultoras de forma ativa nos processos de conservação da agrobiodiversidade. A estratégia inovadora de formação de redes solidárias territoriais de sementes, tem sido utilizada pelas instituições como forma de potencializar esforços e ações junto aos agricultores nos territórios. Os agricultores assistidos têm optado pelo uso de sementes crioulas e se encontram em processo gradual de formação e mobilização sobre o tema.


Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, P. & Cordeiro, A. (2002). Semente da paixão: estratégia comunitária de conservação de variedades locais no semiárido. Rio de Janeiro: AS-PTA.

Ammann, S. B. (1987). Ideologia do desenvolvimento de comunidade no Brasil. São Paulo: Cortez.

Asa Brasil. (2017). Sementes do Semiárido. Recuperado em 09 de agosto de 2017, de http://www.asabrasil.org.br/acoes/sementes-do-semiarido.

Balensifer, P. H. M & Silva, A. P. G. (2016). Metodologia para formação de Bancos Comunitários de Sementes. Coleção Extensão Rural n.4. Recife: Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA).

Brasil. (2004) Ministério do Desenvolvimento Agrário. Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural. Brasília: MDA/SAF/DATER.

Brasil. (2010). Lei Nº 12.188 de 11 de janeiro de 2010. Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária – PNATER e o Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária – PRONATER, altera a Lei Nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e dá outras providências. Brasília.

Caporal, F. R. (coord.) (2015). Extensão rural e agroecologia: para um novo desenvolvimento rural, necessário e possível. pp. 503. Camaragibe, PE: Ed. do Coordenador.

Caporal, F. R. & Costabeber, J. A. (2007). Agroecologia e extensão rural: contribuições para a promoção do desenvolvimento rural sustentável. Brasília: MDA/SAF/DATER.

Clementino, J. O. (2011). A fertilidade discursiva e os frutos estéreis da semente da paixão: uma análise sobre os Bancos de Sementes Comunitários da Borborema. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Estadual da Paraíba – PPG/UEPB. Campina Grande, PB.

Coppabacs. (n. d.). Sementes da resistência: preservando a cultura e a vida no Semiárido Alagoano. Cartilha da Cooperativa dos Bancos Comunitários de Sementes. Alagoas: Coppabacs.

Dourado, A. M. (2014). Viver e pertencer: identidades e territórios nos assentamentos rurais de Sergipe. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Sergipe - UFS, São Cristovão, SE.

Fernandes, B. M. (2008). Sobre a tipologia de territórios. Recuperado em 10 de julho de 2017, de http://acciontierra.org/IMG/pdf/BERNARDO_TIPOLOGIA_DE_TERRITORIOS.pdf.

Londres, F. (2006). A nova legislação de sementes e mudas no Brasil e seus impactos sobre a agricultura familiar. Grupo de Trabalho sobre Biodiversidade. Articulação Nacional de Agroecologia-ANA.

Mance, E. A. (2003). Redes de Colaboração Solidária. In A. D. Cattani (org). A outra economia. (pp. 219-225). Porto Alegre: Veraz Editores.

Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). (2015). Governo federal investe na construção de 600 bancos de sementes no semiárido. Recuperado em 22 de janeiro de 2018, de http://www.mda.gov.br/sitemda/noticias/governo-federal-investe-na-construção-de-600-bancos-de-sementes-no-semiárido.

Menoncin, J. (2016, junho). O caso das sementes Agroceres (1945-1960): uma abordagem da história ambiental. In 16 Encontro Estadual de História da ANPUH – SC. Chapecó, SC, Brasil: UFFS.

Neves, D. P. (2013). Agricultura Familiar. In R. S. Caldart, I. B. Pereira, P. Alentejano & G. Frigotto (orgs.) Dicionário da Educação do Campo. (pp. 32-40). Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular.

Raffestin, C. (1993). Por uma Geografia do poder. São Paulo: Ática.

Santos, M. (2007). O dinheiro e o território. In: M. Santos, et. al. Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense. Niterói: Associação dos Geógrafos Brasileiros.

Santilli, J. (2012, maio-agosto). A lei de sementes brasileira e os seus impactos sobre a agrobiodiversidade e os sistemas agrícolas locais e tradicionais. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, Belém, 7, (2), 457-475.

Schneider, S. & Cassol, A. (2014). Diversidade e heterogeneidade da agricultura familiar no Brasil e implicações para políticas públicas. Revista Cadernos de Ciência & Tecnologia da EMBRAPA, 31, (2), 227-263.

Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (SEAD). (2016). Sead está implantando 640 bancos de sementes crioulas no Nordeste. Recuperado em 09 de agosto de 2017, de http://www.mda.gov.br/sitemda/noticias/sead-esta-implantando-640-bancos-de-sementes-crioulas-no-nordeste.

Wanderley, M. de N. B. (2009). O agricultor familiar no Brasil: um ator social da construção do futuro. In P. Petersen (org.) Agricultura familiar camponesa na construção do futuro. (pp. 33-45). Rio de Janeiro: AS-PTA.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.